28 fevereiro 2014

Nii considera venda da Nextel no Brasil e México após prejuízo de US$ 1,6 bi em 2013

A Nii Holdings tentou se reposicionar no mercado em 2013 ao vender ativos como torres e as operações no Peru, mas nada disso impediu um ano complicado para a companhia norte-americana, com queda na base, nas receitas e prejuízo líquido de US$ 1,6 bilhão. Por conta disso tudo, durante conferência para analistas nesta sexta-feira, 28, o CEO da empresa, Steve Shindler, disse estar “claramente desapontado com o desempenho operacional” e afirmou que está avaliando que ações tomar para reverter esse quadro, incluindo uma possível venda da Nextel Brasil.

 Ao ser perguntado por um analista sobre a possibilidade de vender dois dos maiores ativos da Nii, a Nextel México e a Nextel Brasil, Shindler confirmou que isso poderia ser uma opção. “A percepção é de que a companhia como um todo reconhece os problemas de liquidez. Acho que é certo dizer que vamos avaliar todas as alternativas e vamos ver o que pode acontecer para nós que possa permitir gerar o crescimento”, disse. “Não há nada específico, mas estamos abertos ao que for necessário”, completa, especificando que não há ofertas, definição de quais mercados seriam vendidos e tampouco uma avaliação de preços. “Se alguém nos abordar com uma proposta de valor adequado vamos conversar”, disse.

 Vender a Nextel Brasil, entretanto, pode não ser uma boa ideia. Além de ser o maior negócio, com mais receitas e maior base, foi justamente o mercado cujo desempenho promete recuperar o crescimento. Segundo o COO da Nii e presidente da Nextel Brasil, Goukul Hemmady, o ano de 2013 chegou a ser desafiador para a companhia, mas encerrou com crescimento na base 3G após o lançamento em São Paulo e no Rio de Janeiro. “Em 2014, esperamos que a tendência continue com resultados melhores”, disse. A ideia também é lançar o serviço de 4G no Rio de Janeiro (conforme antecipado por este noticiário) e no México.

 Outra possibilidade seria se desfazer de operações menores, como na Argentina ou Chile, mas isso obviamente significaria menor retorno. “Não há nenhum mercado específico que queiramos vender, falamos apenas que no Chile e na Argentina vamos minimizar investimentos e maximizar caixa”, declara Steve Shindler. “Achamos que teremos liquidez em 2014, mas precisamos tomar atitudes, como moderar o crescimento, vender ativos, procurar aumentar o capital e refinanciar o débito”, explica o CEO, ressaltando a dificuldade em tomar cada uma dessas medidas para melhorar o caixa.

 Essa geração de caixa pode ser conseguida também com a venda de ativos menores. No final do ano passado, a Nii vendeu à American Tower 1.940 torres no Brasil por R$ 813,8 milhões, sobrando ainda 850 torres que a empresa espera poder vender "até a metade do ano”. Mas de uma coisa o grupo não pretende abrir mão: “Espectro é uma peça-chave para nosso crescimento, então não esperamos vender nenhum ativo desses”, declara.

 Perdas

 Os números demonstram bem a insatisfação da diretoria. O prejuízo líquido da companhia foi de US$ 1,649 bilhão, piora de 115,58%. Pouco menos da metade disso foi no último trimestre, com prejuízo de US$ 745,8 milhões, 25,79% mais do que no mesmo período do ano anterior. O prejuízo operacional foi de US$ 510,9 milhões, quase 20 vezes mais do que em 2012, quando registrou prejuízo operacional de US$ 25,4 milhões.

 A Nii Holdings registrou queda de 16,31% nas receitas em 2013, fechando o período com US$ 4,573 bilhões. Somente no quarto trimestre, a queda para a controladora foi de 22,44%, totalizando US$ 1,022 bilhão.

 Grande parte disso se deu por conta do recuo de 11,24% nas receitas operacionais no México, que totalizaram US$ 1,873 bilhão, graças ao desligamento de 637,2 mil acessos no país. Segundo o CEO Steve Shindler, o consumidor mexicano não ficou satisfeito com a qualidade da rede 3G após o desligamento da rede iDEN da Sprint/Nextel nos Estados Unidos, além de impossibilidade de realizar chamadas para os EUA com tarifas locais.

 Brasil

 A Nextel Brasil também observou recuo nas receitas, 23,91%, totalizando US$ 2,208 bilhões. No último trimestre de 2013, a queda foi de 25,24%, total de US$ 502,6 milhões. Os ganhos no segmento durante o ano foram de US$ 311,1 milhões, queda de 53,88%.

 Esse desempenho resultou em uma queda de 18,37% (ou US$ 9) no retorno médio por usuário (ARPU), que atingiu US$ 40 em dezembro. Considerando somente os últimos três meses do ano, o ARPU chegou a US$ 34, contra US$ 47 em 2012.

 Por outro lado, o churn (fuga de usuários da operadora) diminuiu 0,35 ponto percentual, ficando em 2,64% em 2013. Houve o desligamento de 201,6 mil acessos na rede iDEN no Brasil, compensado inteiramente pela adição de 313,5 mil conexões de WCDMA. Somente no quarto trimestre foram 123,1 mil novos acessos no País. A Nextel agora possui um total de 3,958 milhões de acessos no mercado brasileiro, sendo a maioria (3,620 milhões) ainda na rede iDEN.

 Segundo a Nii, a operadora fechou dezembro com 337,9 mil acessos WCDMA, número acima dos 318,1 mil acessos reportados (pela própria Nextel, diga-se de passagem) no relatório da base de serviço móvel pessoal da Anatel referente a dezembro de 2013. De acordo com esse mesmo levantamento da agência, desse total, 100,3 mil eram de conexões em handsets, e o restante (217,8 mil) de modems e tablets 3G. Bruno do Amaral
Fonte: mobiletime 28/02/2014

28 fevereiro 2014



1 comentários:

edmilson maciel da cunha disse...

Eu acho que nextel teria que expandir mais no interior de minas gerais aqui não tem esse recurso!!.