12 agosto 2020

IPOs do 2º semestre: quais valem a pena?

A pandemia pode ter colocado várias coisas em modo de pausa, mas os IPOs (Oferta Pública Inicial, na sigla em inglês) não foram uma delas. 

Já são 10 empresas novatas na B3 em 2020, já ultrapassando as novas listagens de 2019. 

E vem mais por aí: 25 pedidos estão em análise na CVM (Comissão de Valores Mobiliários). 

Para os próximos meses, os investidores estão esperando, entre outros, a oferta da One Innovation e a Pet Center, dona das lojas Petz (veja lista completa abaixo). Mas, como saber se vale a pena ou não entrar em um IPO, ainda mais com a neblina ainda presente no cenário macro?... Leia mais e spacemoney. 12/08/2020


12 agosto 2020



Notre Dame Intermédica fecha aquisição da Bio Saúde, por R$ 79 milhões

A Notre Dame Intermédica fechou nesta quarta-feira, 12, um acordo para compra de 100% do capital da Bio Saúde Serviços Médicos, que atua principalmente na cidade de São Paulo. O valor da operação será de R$ 79 milhões, que será pago à vista em dinheiro no fechamento da transação.


Segundo a Notre Dame, a Bio Saúde tem uma carteira de 100 mil beneficiários em todo o Estado de São Paulo, principalmente na capital, e mais de 70% estão na categoria corporate/PME. Em 2019, a companhia faturou R$ 103 milhões, com sinistralidade caixa de 85,2%. A Notre Dame prevê sinergias operacionais e administrativas relevantes com as operações na região metropolitana de São Paulo. Estadão Conteúdo Leia mais em istoedinheiro 12/08/2020




 



Havan inicia conversas com investidores e mostra plano ambicioso para IPO

A Havan quer levantar ao menos R$ 10 bilhões, e chegar à bolsa com valor superior ao da Lojas Americanas, ou seja, acima de R$ 62 bilhões

A varejista Havan começou, nesta semana, a se reunir com gestores, em fase preliminar para sua oferta pública inicial de ações (IPO), conhecida como “non-deal roadshow”. São as primeiras apresentações sobre números e planos da companhia, que pertence ao empresário Luciano Hang. .. Leia mais em valoreconomico 12/08/2020




FT: Liberty Global compra operadora Sunrise em negócio de US$ 7,4 bi na Suíça

Americana virou a mesa menos de um ano depois de empresa de telefonia móvel suíça ter tentado adquirir unidade

A Liberty Global virou a mesa com a Sunrise e acertou a compra da operadora de telefonia móvel por quase 7 bilhões de francos suíços, menos de um ano depois de a empresa suíça ter tentado adquirir a unidade da empresa americana em seu país sem sucesso... leia mais em valoreconomico 12/08/2020




Startup croata de mensageria levanta US$200 milhões e se torna unicórnio

A Infobip, empresa croata que opera uma das maiores plataformas de mensageria do mundo, recebeu um aporte de US$ 200 milhões do grupo One Equity Partners (OEP), fundo de private equity americano, em rodada de investimentos de Série A. Com o investimento, a Infobip alcança o valor de mercado de US$ 1 bilhão, tornando-se assim um unicórnio. Foi a primeira rodada de investimentos que a companhia recebeu, e os valores serão utilizados para ampliar a presença da Infobip nos EUA por meio de futuras compras.

Fundada em 2006, a Infobip é uma empresa de communications platform as a service (CPaaS) com faturamento de US$ 710 milhões no último ano e crescimento médio de 48% na última década. Entre seus clientes, estão gigantes do mundo corporativo, como Uber e Unilever. A Infobip está presente em 7 bilhões de dispositivos, em 190 países, e é parceira de mais de 600 operadoras de telefonia em todo o mundo... leia mais em startupi 12/08/2020




Eldorado, braço de investimentos ligado ao Grupo DMCard, adquire 40% da fintech de antecipação de recebíveis Capittale

Fundada em 2018, fintech contabilizou quase R$ 200 milhões em antecipações até o final do ano passado. Com a entrada da Eldorado e o cenário econômico favorável para o setor, a projeção é chegar a R$ 500 milhões movimentados até o final deste ano e acima de R$ 1 bilhão até dezembro de 2021

A Eldorado, empresa que é o braço de investimentos do Grupo DMCard, entrou pela primeira vez no segmento de antecipação de recebíveis adquirindo 40% da Capittale. Uma fintech que, antes mesmo do aquecimento do setor impulsionado pela pandemia do coronavírus, já apresentava resultados rápidos e acima da média. Um reflexo da minimização da burocracia, comum ao negócio, e da busca constante em agregar benefícios e valor ao trabalho nas duas pontas da transação: fornecedores com acesso a menores taxas e empresas encontrando melhor rentabilidade com menores riscos.

Constituída em maio de 2018 pelos empresários Fábio Fernandes e Marcos Creazzo, a Capittale teve como primeiros clientes as redes supermercadistas, um meio que tradicionalmente valoriza quem conhece e compreende as particularidades do ramo. “Quando começamos atender a essas redes e seus fornecedores, muito rapidamente trouxemos seus princípios para a nossa cultura organizacional”, destaca Fernandes. “Por exemplo, conseguimos nos isolar da concorrência no ecossistema das fintechs ao conciliar a tecnologia com o capital humano, com a negociação olho no olho. Algo que os empresários e proprietários do varejo alimentar ainda consideram essencial”, explica Creazzo.

Com isso, ao final de 2019 e passado pouco mais de um ano de vida, a Cappitale já somava um montante de quase R$ 200 milhões em adiantamentos, em mais de 4,5 mil operações fechadas com cerca de R$ 5 milhões em descontos em negócios intermediados por eles. Com a chegada da Eldorado o cenário econômico favorável ao setor de antecipação de recebíveis, a meta é movimentar mais R$ 300 milhões este ano e R$ 600 milhões no ano que vem, chegando ao final de 2021 totalizando R$ 1,1 bilhão em adiantamentos realizados.

Alta Rentabilidade para as empresas e sem riscos

Além da especialidade no setor varejista, outro fator que tornou a fintech atrativa à Eldorado foi a rentabilidade alcançada pelos clientes. Quando uma empresa assume a antecipação de recebíveis com a Capittale, a rentabilidade alcançada é acima de 700% do CDI sem risco, muito acima da média do mercado. Além disso, elas têm zero custo de investimento e zero custo fixo, ou seja, não há cobrança de qualquer valor de investimento inicial, por sistema, manutenção ou carência de contrato.

“Devido ao cenário econômico atual do país, a antecipação de recebíveis tem se consolidado como uma importante ferramenta para fazer a roda do crédito girar no segmento varejista. Afinal, sabemos que os fornecedores estão com dificuldades em conseguir crédito. Ao optar pela antecipação com a fintech, o varejo, em especial o alimentar, alcança uma remuneração para o seu cash flow bem acima do CDI que hoje está em 2,00% ao ano nas opções mais inteligentes sem risco, e ainda ajuda a sua cadeia de suprimentos com credito barato”. conta Denis Correia, CEO do Grupo DMCard

“A Capittale trouxe uma rentabilidade que não conseguíamos trabalha-la para gerar valor, pois nosso negócio não é antecipação de fornecedores, com a ajuda deles conseguimos agregar este resultado para o caixa com pouco trabalho interno e sem investimento ou custo fixo no projeto”, diz Sandro Antoun Diretor Comercial do Semar Supermercados.

Juliano Eckhardt, CFO do Barbosa Supermercados, outro cliente da Capittale, destaca a parceria entre a fintech e o varejo. Eles trouxeram solução financeira tanto para o supermercado quanto para seus fornecedores. É excelente já que as operações são feitas com taxas bem menores que a dos bancos e o retorno financeiro para a rede de supermercados é muito bom”

Como a Eldorado faz parte do grupo DMCard, é muito natural que a Capittale seja acionada para dar suporte aos clientes DMCard na estruturação de antecipação a fornecedores, o que já ocorreu com três grandes varejistas. “Ao serem apresentados a Fintech, não tiveram dúvidas em iniciar os trabalhos com a Capittale pelo forte relacionamento adquirido em 18 anos da DMCard neste segmento”, diz Correia.

“Acreditamos que unir forças com foco em um único segmento, conseguimos agregar muito valor para o varejo, e é isto que temos feito nos últimos anos, inclusive por meio investimentos em sociedade, como a Propz, e de aquisições, como a Infocards e agora a Capittale. Assim, estamos colocando em prática um grande propósito do grupo, que é ajudar o varejo e vender mais e rentabilizar cada vez mais o seu negócio”, conclui o CEO do Grupo DMCard... Leia mais em jornaldiadia 12/08/2020




Fintech recebe aporte de R$ 2 milhões da Circle Aceleradora

A Circle Aceleradora, com foco em martechs, acaba de anunciar um aporte de R$ 2 milhões na fintech MKT Bank. Lançada por um hub de investidores internacionais focados em martechs, a startup é a única fintech voltada exclusivamente para o mercado de Comunicação e Marketing, por meio de uma plataforma para a realização de operações de adiantamento de recebíveis com conta digital e produtos de crédito.

A facilidade para a antecipação de recebíveis é um grande problema no segmento. Ao efetuar uma venda, as empresas podem demorar até 120 dias para receber seu pagamento, a partir do lançamento da nota fiscal. O objetivo da MKT Bank, que atua com modelo de negócio para públicos B2B e B2C, é contribuir exclusivamente com o fluxo de caixa desses stakeholders – agências, fornecedores, funcionários e freelancers de publicidade, marketing e eventos – para que todo o ecossistema trabalhe de forma saudável e sustentável.

Visando atender esses pequenos e médios fornecedores do mercado de comunicação, com uma burocracia muito menor em relação à encontrada em bancos convencionais, a startup espera fechar 2021 com R$ 30 milhões em transações e oferecer o benefício inédito a 10 mil clientes. “Pensamos em uma conta digital para atender exclusivamente as necessidades do mundo da Comunicação e Marketing e facilitar as operações bancárias entre todos os seus públicos. Somos a única fintech que fala a língua deles; olhamos cada contrato, job a job, com um sistema friendly e voltado para o formato de trabalho e as dores desse mercado. E a Circle vai agregar ainda mais no nosso expertise, pois é a primeira aceleradora martech a olhar para todas as empresas pensando em tecnologia, criando conteúdo para tecnologia.”, explica Alessandro Lopes, CEO da MKT Bank.

A fintech inédita ajuda no planejamento financeiro e estratégico de service users de todo o Brasil, com uma comunicação rápida, clara e dinâmica, justamente como é esse mercado. O novo “banco” oferece contas digitais individuais, em nome da empresa ou da pessoa física, e possibilita realizar serviços bancários, como TED/DOC, pagamentos, transferências entre contas da fintech, além de recarga de celular. Elas dão direito ainda a um cartão de crédito pré-pago Visa Internacional e saques na Rede Plus e na rede Banco24horas. As operações feitas pela plataforma podem variar de R$ 50 mil a R$ 1 milhão.

Mercado

As fintechs, startups de serviços financeiros, estão entre as que mais crescem no Brasil. De acordo com a 2ª edição do Distrito Fintech Report, levantamento realizado pelo Distrito, empresa de inovação aberta que atua junto a startups, o Brasil já conta com 742 startups e, ao longo de 2019, a área atraiu US$ 910 milhões em aportes, 35% dos incentivos em venture Capital no Brasil contabilizados no período. E uma pesquisa feita pela Infinicept e o AZ Payments Group estima que o setor deve movimentar US$ 15 bilhões até 2025.

O atual cenário do mercado de comunicação também é bastante otimista. O investimento em publicidade no Brasil chegou a R$ 17,5 bilhões em 2019, segundo o Cenp (Conselho Executivo das Normas-Padrão), entidade que reúne os principais anunciantes, veículos de comunicação e agências de propaganda do país.

A abertura da conta pela fintech é feita pelo site. Após o cadastro e aprovação de conta, o usuário deve aguardar a chegada de um cartão físico, mas já pode se beneficiar do virtual. Já para a antecipação de recebíveis, a empresa entra no site, faz o cadastro de interesse e responde a questões básicas. Após aprovado o cadastro, a conta e a antecipação estarão liberadas... leia mais em starupi 12/08/2020




De onde virão os próximos bilhões de usuários da Internet?

A adoção da Internet tem aumentado constantemente ao longo dos anos - mais do que dobrou desde 2010.

Apesar de seu uso generalizado, uma porção significativa da população global ainda não está conectada à internet e, em certas áreas do mundo, o número de pessoas desconectadas se inclina para porcentagens mais altas.

Usando informações do DataReportal , este visual destaca quais regiões têm o maior número de pessoas desconectadas da web. Também veremos por que algumas regiões têm números baixos e veremos quais países tiveram o maior crescimento no ano passado.

Os 10 mais desconectados, por número de pessoas

A maioria dos países com taxas mais baixas de acesso à Internet está na Ásia e na África. Aqui está uma olhada nos 10 principais países com o maior número de pessoas não conectadas à web:... Leia mais em visualcapitalist 12/08/2020




Os M&As estão bombando: entenda os porquês

Enquanto os IPOs são o lado mais visível da recuperação dos mercados em meio à pandemia, fusões e aquisições estão sendo negociadas nos bastidores numa intensidade poucas vezes vista. 

Executivos de M&A de bancos locais e internacionais e butiques descrevem ao Brazil Journal um pipeline diversificado — na educação, saúde, varejo e infraestrutura — e dizem que 2020 só não baterá recordes porque muita coisa ficou parada ao longo do primeiro semestre.

Mas agora... “o nível de diálogo está muito forte, e devemos ter vários anúncios em setembro/outubro,” diz Daniel Wainstein, da recém-formada Seneca Evercore.

A própria criação da Seneca atesta o momento de mercado: o grupo de banqueiros que fazia parte da Greenhill comprou a operação local e se associou à Evercore, uma outra boutique americana de M&A. O mercado especula que a Evercore colocou um caminhão de dinheiro para viabilizar a associação com a Seneca. 

A queda da Selic para níveis inimagináveis e o crescimento do mercado de capitais derrubaram o custo de capital para as grandes empresas — em outras palavras: nunca foi tão barato comprar um concorrente. Empresas que costumavam manter o caixa alto para buscar receitas financeiras também abraçaram a mudança de paradigma e agora apostam que o mercado de capitais veio para ficar (e para ajudar a financiar transações). 

Alimentando a ponta da oferta: multinacionais e companhias familiares.

Várias multinacionais com problemas na matriz estão colocando à venda suas operações no Brasil. “Aqui é onde eles têm as maiores subsidiárias; se elas vendem a unidade do Peru, não faz cócegas,” diz Wainstein. 

Empresas familiares que já sofreram muito com as crises dos últimos anos estão concluindo que é hora de diversificar o patrimônio, engordando o pipeline.

O processo privatização ensaiado pelo governo também promete aquecer o mercado: a forte disputa entre a AES Corporation e a Eneva pela participação do BNDES na AES Tietê foi um exemplo claro do interesse que esses ativos podem levantar. (Mas no capítulo privatizações, o grosso deve ficar para 2021.)

No lado comprador, “as empresas estão vendo que podem aproveitar os mercados de equity e de dívida para comprar ativos que sempre desejaram mas nunca conseguiram,” diz Marco Gonçalves, o Marcão, fundador da Riza Capital.  “Quem já é grande vai crescer mais ainda — a verdade é essa.”  Ontem, por exemplo, a Stone anunciou a compra da Linx por R$ 6 bi.

Outra fonte de demanda são os fundos de private equity, que estão com muitos recursos levantados e ainda não investidos. De acordo com um banco internacional, esses fundos têm mais de R$ 50 bilhões em liquidez para investir. 

No BTG Pactual, o head de M&A, Bruno Amaral, espera que a receita de sua área seja “em linha com o ano passado, muito em função de uma recuperação de volumes neste segundo semestre.”

A disputa pelos deals, fees e placas de M&A está ficando mais acirrada na medida em que os investidores têm atribuído múltiplos mais altos aos players do setor financeiro com maior componente de receitas de serviços. No mês passado, os anúncios de resultados nos EUA mostraram que os bancos com mais exposição a M&A e mercado de capitais se saíram melhores do que aqueles que dependem principalmente de crédito.

Só a disputa pela operação móvel da Oi vai adicionar R$ 16,5 bilhões ao valor das transações este ano, e deve catapultar os sete bancos envolvidos para a frente dos league tables — os rankings que os banqueiros usam para mostrar serviço e conseguir mais negócios.

A Oi está sendo assessorada pelo Bank of America.  A Vivo, pelo JP Morgan e BR Partners (que protocolou pedido de IPO na CVM).  A TIM, pelo Itaú BBA, Rothschild e Goldman Sachs.  E a Claro, pelo Morgan Stanley.

“Quem estiver fora desta operação vai sofrer nos rankings este ano,” diz um banqueiro que lamenta estar fora do deal — por enquanto, já que a situação é fluida e pode haver reviravoltas. 

Outros highlights do ano: a venda da Gaspetro e das refinarias da Petrobras, e o setor de energia renovável, que só na semana passada viu dois anúncios. A retomada da privatização da Sabesp e a venda da Copasa também são aguardadas. ... Geraldo Samor  Leia mais era braziljournal 12/08/2020







Fusões e Aquisições - destaques da semana 03 a 09/ago/2020

Divulgadas 38  operações de Fusões e Aquisições com destaque pela imprensa na semana de 03 a 09/ago/2020.  Envolvem direta ou indiretamente empresas brasileiras de 15 setores e um investimento da ordem de R$ 13,1 bilhões. Recorde do número de transações captadas em uma só semana.

ANÁLISE DA SEMANA

Principais transações






NEGÓCIOS DA SEMANA

"Market Movers" - Brasil

  • BNDES vende R$ 8 bi de Vale no maior block trade da história do Brasil - O BNDES levantou R$ 8,14 bilhões no que foi o maior block trade do mercado de capitais brasileiro. (O segundo maior foi a venda de R$ 2,7 bilhões em ações da Sul América pela Swiss Re no ano passado, executada pelo JP Morgan). 04/08/2020

"Market Movers” - Exterior

  • Acordo une rivais de saúde on-line - Teladoc Health adquire a concorrente Livongo em negócio de US$ 18,5 bilhões que envolve troca de ações e dinheiro. A Teladoc Health, empresa on-line de cuidados com saúde, adquiriu a concorrente Livongo, ontem, sob um acordo de US$ 18,5 bilhões envolvendo ações e dinheiro. Juntas, as companhias tentarão criar uma gigante da telemedicina para aproveitar o “boom” da demanda por serviços remotos de cuidados com a saúde provocado pela covid-19. Os acionistas da Livongo receberão 0,5920 ação da Teladoc, mais US$ 11,33 em dinheiro, por ação que possuírem. Uma vez concluída a fusão, os acionistas da Teladoc controlarão cerca de 58% da companhia combinada, com o restante ficando em poder dos acionistas da Livongo. 06/08/2020
  • Nvidia negocia compra de empresa de tecnologia mais valiosa do Reino Unido por US$ 32 bilhões - Fabricante de chips norte-americana pode comprar a empresa pertencente ao grupo japonês SoftBank em dinheiro e ações. Em meio a uma série de vendas de ativos, a SoftBank negocia a venda da sua empresa de design de chips britânica, ARM, para a Nvidia. A fabricante de chips norte-americana está negociando com a SoftBank um acordo de dinheiro e ações que precifica a ARM, empresa de tecnologia mais valiosa no Reino Unido, em mais de US$ 32 bilhões, de acordo com o Financial Times. 05/08/2020
  • Divisão de saúde da Siemens compra Varian por US$ 16 bi - Siemens Healthineers, de serviços de tecnologia no setor, fez oferta de aquisição pela fabricante americana de dispositivos e software para tratamentos de câncer. O grupo alemão de serviços de tecnologia na área de saúde Siemens Healthineers anunciou que vai comprar a Varian Medical Systems em uma transação em que a fabricante americana de dispositivos e software para tratamentos de câncer é avaliada em US$ 16,4 bilhões. 03/08/2020

HUMORES & RUMORES


M & A - VENDA


  • Governo venderá 100% da sua participação na Vale, diz Salim Mattar - O secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, afirmou nesta sexta-feira que o governo federal reduzirá em 100% a sua participação na mineradora Vale, frisando não ser objetivo do poder público ser acionista de companhias.  “O governo tinha ainda participação na Vale e está reduzindo a participação até vender 100%”, afirmou Mattar em participação no Programa “Os Pingos nos Is”, da Jovem Pan. “Este governo vai reduzir, substancialmente, o seu portfólio de empresas e seu hedge fund”, afirmou No início desta semana, O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) levantou 8,1 bilhões de reais com a venda de um bloco de ações da mineradora Vale, a 60,26 reais cada, de acordo com informações do presidente da instituição, Gustavo Montezano. 07/08/2020
  • Braskem: Odebrecht dá início a atos para preparar venda de sua participação - A Braskem informa que sua controladora Odebrecht deu início aos atos para estruturar sua saída da companhia. Em fato relevante na noite desta sexta-feira, a petroquímica disse ter recebido correspondência da Odebrecht S.A de que começaria a se preparar para estruturar um processo de venda privada de até a totalidade de sua participação na companhia, com o apoio de assessores legais e financeiros. 08/08/2020
  • Petrobras avança em processo de venda do campo de Manati e do Polo Ceará - No campo de Manati, a Petrobras é operadora e tem como sócias a Enauta (com 45%) , a Geopark Brasil E&P (10%) e a Brasoil Manati (10%). A Petrobras (PETR4) informou nesta sexta-feira que avançou no processo de venda de sua participação de 35% no campo de Manati, na Bahia, e do chamado Polo Ceará, ambos em águas rasas. Para os ativos na Bahia, potenciais compradores classificados em fase anterior receberão carta-convite com instruções para due diligence e envio de ofertas vinculantes, enquanto os campos no Ceará ainda estão na chamada etapa não-vinculante das negociações. No campo de Manati, na bacia de Camamu, a Petrobras é operadora e tem como sócias a Enauta (com 45%), a Geopark Brasil E&P (10%) e a Brasoil Manati (10%). Os ativos no Ceará, que estão operacionais desde a década de 1980, tiveram produção média em 2019 de 4,2 mil barris por dia de óleo e 79,6 mil metros cúbicos/dia de gás.  07/08/2020
  • Braskem avalia venda de ativos não estratégicos - Petroquímica ainda estuda quais negócios estarão no pacote de desinvestimentos e Cetrel, de serviços ambientais, poderia entrar nele. Vice-presidente de Finanças, Pedro Freitas confirmou estudos, mas não deu detalhes sobre ativos que podem ser vendidos. Maior fabricante de resinas das Américas, a Braskem está avaliando a venda de ativos não estratégicos para reduzir a alavancagem financeira e reforçar a liquidez, em momento que combina ciclo de baixa  07/08/2020
  • Petrobras inicia fase vinculante para venda de campos terrestes e Tartaruga - A Petrobras informou nesta sexta-feira que deu início à fase vinculante referente à venda da totalidade de sua participação no campo de Tartaruga, pertencente à concessão SES-107D, nas águas rasas da Bacia de Sergipe-Alagoas. Os habilitados para essa fase receberão carta-convite com instruções sobre o processo de desinvestimento, incluindo orientações para a realização de due diligence e para o envio das propostas vinculantes, disse a companhia em comunicado. “Essa operação está alinhada à estratégia de otimização de portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, passando a concentrar cada vez mais os seus recursos em águas profundas e ultra-profundas, onde a Petrobras tem demonstrado grande diferencial competitivo ao longo dos anos.” 07/08/2020
  • Petrobras inicia processo de venda da Petrobras Biocombustível - A Petrobras (PETR4) informou nesta segunda-feira (3) sobre o início da fase não vinculante referente à venda de sua subsidiária, a Petrobras Biocombustível (PBIO). Aos potenciais compradores habilitados, será encaminhado um memorando descritivo contendo as informações detalhadas sobre a nova fase do processo. Além disso, será repassado aos interessados instruções sobre o processo de desinvestimento, incluindo as orientações para elaboração e envio das propostas não vinculantes. 03/08/2020

M & A  - COMPRA


  • Oi (OIBR3) recebe proposta da Enel por rede de fibra ótica da operadora - A Oi (OIBR3) recebeu proposta da italiana Enel que pretende comprar a rede de fibra da operadora brasileira. De acordo com a Exame, a Enel quer o controle da Infra Co, empresa de rede de transporte e passagem da qual a Oi será minoritária e cliente. A Enel atua no Brasil com distribuição de energia em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Ceará. A Oi recebeu proposta de dez interessados, entre os quais estão também a Highline, que concorre ainda pela Oi Móvel, além de fundos de infraestrutura geridos pelo BTG Pactual. O investimento na Infra Co. demanda um aporte mínimo de entrada de R$ 11,5 bilhões. Esse valor é dividido em R$ 6,5 bilhões por 51% das ações ordinárias da companhia de fibra. 05/08/2020
  • Laboratórios fazem aquisições de R$ 360 milhões em sete meses - Alguns negócios sofreram atrasos por causa da pademia no país. A pandemia atrasou algumas negociações no setor farmacêutico brasileiro. Nos meses em que as medidas para diminuir a contaminação eram mais restritivas, muitas transações foram adiadas. Agora, entretanto, alguns ativos foram colocados no balcão. Em julho, quatro marcas foram colocadas à venda e podem render R$ 360 milhões..05/08/2020
  • Brookfield, CPPIB avaliam unidade de fibra da Oi - A Brookfield Asset Management Inc e o Canada Pension Plan Investment Board estão avaliando fazer uma oferta pela unidade de fibra ótica da empresa brasileira de telecomunicações Oi SA, disseram duas pessoas a par do assunto.   A chamada InfraCo também atraiu interesse do Highline do Brasil II Infraestrutura de Telecomunicações, unidade local do Digital Colony, disseram as pessoas, pedindo para não serem identificadas porque as discussões não são públicas. Um fundo de private equity gerido por uma unidade do Banco BTG Pactual fez uma oferta não-vinculante pelo ativo, segundo comunicado de 28 de junho.  A Oi planeja vender até 51% das ações da subsidiária e agendou um leilão para isso no primeiro semestre do próximo ano, de acordo com uma apresentação da empresa.... 05/08/2020
  • Com mais de R$ 1 bilhão em caixa, área de fusões e aquisições do Fleury está “mais ativa do que nunca” - Presidente e diretor financeiro do grupo participaram de uma live do InfoMoney nesta segunda-feira para comentar os resultados e falar sobre perspectivas. Com caixa de mais de R$ 1 bilhão, a área de fusões e aquisições do Fleury (FLRY3) está “mais ativa do que nunca”, nas palavras do CFO do grupo, Fernando Leão. Já o CEO da rede de laboratórios, Carlos Marinelli, afirmou que a pandemia do coronavírus é só mais um evento na longa trajetória de 94 anos da companhia, e que os investimentos em tecnologia colocam o Fleury em uma posição confortável 03/08/2020
  • Grupo Soma vê cinco ou seis aquisições no curto prazo - Há interesse em marcas como Osklen, Amaro e Reserva, segundo fontes. O grupo Soma, dono de Animale e Farm, tem 33 marcas de moda consideradas como oportunidades de aquisição, mas apenas 5 ou 6, cerca de 20%, realmente são consideradas estratégicas pela empresa no curto prazo, apurou o Valor.  A companhia pretende gastar em aquisições 47% dos recursos líquidos captados para o caixa do grupo na oferta pública inicial de ações .  04/08/2020

PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL


  • EB Capital se prepara para investir R$ 3 bi até fim do ano - Gestora vai criar holdings de fibra óptica e ensino técnico. Pedro Parente (esq.), Luciana Ribeiro, Duda Melzer e Fernando Iunes, sócios na EB: foco de atuação nos gaps estruturais do país. A gestora de private equity EB Capital nasceu há três anos e veio discretamente estruturando suas teses de investimentos e sua sociedade com nomes e experiências robustas. O período silencioso, agora, vai ficar para trás - pelo volume de negócios em andamento.03/08/2020

OFERTA DE AÇÕES


  • Companhia Sulamericana de Distribuição (CSD) registra pedido de IPO na CVM - Rede varejista opera as marcas Cidade Canção, São Francisco, Amigão e Stock Atacadista, com 56 lojas distribuídas em 26 cidades A Companhia Sulamericana de Distribuição (CSD) registrou hoje seu pedido de oferta pública inicial de ações (IPO) na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), plano antecipado pelo Valor na semana passada. A oferta será primária e secundária, sendo os acionistas vendedores os fundos de participações Actis, DVA e MMC. Os coordenadores da oferta são Itaú BBA, J.P. Morgan e Bradesco BBI. No primeiro semestre deste ano, a companhia faturou R$ 1,3 bilhão, ante R$ 1,14 bilhão no mesmo período do ano passado. A margem Ebitda no primeiro semestre de 2020 foi de 6% e relação entre dívida líquida e Ebitda ficou em 1,2 vez. A receita líquida anual de 2019 foi de R$ 2,41 bilhões. 06/08/2020
  • Incorporadora paulista Yuny pede registro de companhia aberta - Incorporadora paulista Yuny pede registro de companhia aberta. A incorporadora imobiliária paulista Yuni, especializada em projetos residenciais e comerciais de alto padrão em São Paulo, pediu registro de companhia aberta, segundo dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) divulgados nesta sexta-feira. A companhia diz que também realiza projetos residenciais econômicos por meio da joint venture chamada Atua Incorporadora. 07/08/2020
  • Paraná Banco retoma planos de IPO - Em fato relevante, o banco afirmou que a operação envolverá ofertas primária e secundária de certificados de units. O Paraná Banco anunciou nesta quarta-feira a retomada de sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), no momento em que o mercado de capitais doméstico dá sinais de recuperação da crise provocada pela pandemia do coronavírus. Em fato relevante, o banco afirmou que a operação envolverá ofertas primária e secundária de certificados de units, cada uma representando oito ações ordinárias e oito preferenciais, sob a coordenação do JPMorgan, Goldman Sachs, Bradesco BBI e XP. 05/08/2020
  • Grupo CBO confirma intenção de realizar IPO da Oceana Offshore - O Grupo CBO confirmou a intenção de realizar uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da Oceana Offshore, conforme havia sido antecipado ontem pelo Valor. Segundo o Grupo CBO, foi aprovada em assembleia geral a realização de uma oferta pública primária e secundária, bem como a submissão do pedido de adesão ao Novo Mercado da B3. “Não obstante, a efetiva realização da oferta está sujeita, entre outros fatores, às condições dos mercados de capitais nacional e internacional, e uma vez realizada, será conduzida em conformidade com a legislação e regulamentação aplicáveis”. Assim, diz o CBO, ainda não há qualquer decisão quanto à efetiva realização da oferta, bem como quanto à sua estrutura e volume. 05/08/2020
  • Dona da Coperalcool tem novo CEO e estuda IPO para acelerar expansão no varejo - Foco de novo presidente do grupo é acelerar o crescimento da companhia. O grupo MPR, dono das marcas de álcool Coperalcool, Zulu e Zumbi, tem um novo comando e uma nova estratégia. José Vicente Marino, executivo que ajudou a vender a Avon para a Natura, é desde ontem o novo presidente do grupo, que no ano passado faturou R$ 500 milhões e neste ano deve chegar a R$ 850 milhões... 06/08/2020
  • Incorporadoras Kallas e Patrimar registram pedidos de IPO - Companhias são de menor porte e com receita em torno de R$ 150 milhões. As incorporadoras Kallas e Patrimar registram hoje seus pedidos de ofertas iniciais de ações (IPOs) na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O Valor antecipou na semana passada o plano da mineira Patrimar. As duas operações terão tranches primárias e secundárias. .. 06/08/2020
  • Pernambucanas cede e decide fazer IPO - A rede de varejo Pernambucanas começou a contratar bancos para sua oferta pública inicial de ações (IPO), apurou o Valor. Os primeiros na composição são Goldman Sachs e BTG Pactual, de acordo com duas fontes. A disputa para entrar no sindicato tem sido acirrada, dados os anos de resistência à ideia de listagem em bolsa e o entendimento dos bancos de que pode ser uma oferta atrativa para os investidores. O caminho para a bolsa foi pavimentado pela reestruturação do negócio nos últimos anos e pelo fim de uma arrastada disputa societária, dizem as fontes. 05/08/2020
  • You Inc cancela IPO devido à fraca demanda, diz fonte - A construtora You Inc decidiu cancelar uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) devido à fraca demanda, disse uma fonte familiarizada com o assunto nesta segunda-feira.  A empresa, que devia fixar o preço da oferta nesta noite, planejava levantar cerca de 1 bilhão de reais e usar os recursos para continuar projetos habitacionais em desenvolvimento.  Na semana passada, outra construtora, Riva 9, subsidiária da Direcional Engenharia decidiu cancelar seu IPO. Reuters (Por Carolina Mandl) L03/08/2020
  • JSL anuncia oferta de ações após reorganização societária para acelerar crescimento - A oferta, segundo a empresa, terá por objetivo levantar recursos para a companhia, para fortalecer sua estrutura de capital. A JSL (JSLG3) comunicou nesta segunda-feira que tem a intenção de realizar uma oferta pública de ações ordinárias com esforços restritos após a conclusão da reorganização societária, quando passará a ser uma subsidiária da Simpar S.A. 03/08/2020

TOP TRENDS 


  • Número de oferta de ação pode bater recorde de 2007, diz Citi - Com o número de contratações de bancos e preparativos de companhias para ofertas de ações, o Citi Brasil avalia que o número de operações a caminho, se efetivadas em sua totalidade, pode bater recorde histórico.  O ano passado teve maior o volume financeiro, mas a marca de total de operações continua sendo a de 13 anos atrás. .06/08/2020
  • Com Yuni, 13 das 24 empresas brasileiras na fila do IPO são do setor imobiliário; veja prospecto - A companhia diz que também realiza projetos residenciais econômicos por meio da joint venture chamada Atua Incorporadora. A Yuni pediu nesta sexta-feira aval da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), aumentando a onda do setor imobiliário brasileiro rumo ao mercado de capitais. Com ela, agora 13 das 24 empresas do país à espera de autorização para listagem na bolsa são ligados à construção civil, movimento que se intensificou nas últimas semanas, mesmo diante da crise econômica provocada pela pandemia da Covid-19. O movimento remete a 2007, quando cerca de duas dezenas de empresas do setor imobiliário estrearam na bolsa paulista, quase um terço do total de estreias daquele ano no mercado de capitais doméstico. Desta vez, no entanto, as construtoras têm como pano de fundo o juro básico da economia na mínima histórica de 2%, com o Banco Central tentando combater os efeitos recessivos da pandemia. Muitos economistas avaliam que a Selic deve ficar em níveis muito baixos por alguns anos, o que pode dar grande impulso a empréstimos de longo prazo. Assim como suas rivais, a Yuni fará simultaneamente oferta primária e secundária de ações, ou seja, que servirão tanto para dar saída parcial a atuais sócios quanto para levantar recursos para financiar o crescimento. 07/08/2020

RELAÇÃO DAS TRANSAÇÕES


  • Fundador da Folhamatic tem nova empresa - Maurício Frizzarin projeta investir R$ 100 milhões até o final de 2021. Maurício Frizzarin, empresário que fundou a Folhamatic com 17 anos em 1990 e vendeu a empresa para a gigante inglesa Sage em 32 anos depois por quase R$ 400 milhões, está de volta com um novo negócio. A nova empresa se chama Qyon Tecnologia e atua em um mercado similar ao que a Folhamatic atua, com um novo produto e planos ambiciosos, que incluem um investimento de R$ 100 milhões no Brasil até 2021. O investimento será feito em conjunto com o Eight Sharp Capital LLC, um fundo de investimento baseado em Miami. “Estamos construindo a melhor empresa de software com inteligência artificial do Brasil. Esse tempo afastado do mercado permitiu-me estudar profundamente a aplicação de inteligência artificial em softwares e fintechs”, afirma Frizzarin. Frizzarin vendeu 75% da Folhamatic para a Sage em 2012, por R$ 398 milhões, uma venda parcial que já foi na época o segundo maior negócio do setor de software do país, só atrás da compra da Datasul pela Totvs em 2008, uma operação de R$ 700 milhões. O empresário ficou ainda com os 25% restantes até 2015, quando o vendeu essa parte por um valor que não divulgado. Se o preço foi proporcional ao pago em 2012, ficaria em mais R$ 132 milhões. 09/08/2020
  • Sodecia compra uma empresa no Brasil e outra na Alemanha - A Sodecia, multinacional portuense ligada a componentes do sector automóvel, adquiriu recentemente duas empresas, uma no Brasil, a Scorpios Manaus, e outra na Alemanha, a Braun CarTec. A Sodecia está a crescer apesar da crise que está a afetar o sector. A empresa nortenha adquiriu duas empresas, uma no Brasil, a Scorpios Manaus, e outra na Alemanha, a Braun CarTec. Com estas compras, o grupo aumenta o seu portfólio para 49 empresas, espalhadas pelo mundo. Trata-se de duas empresas de estruturas metálicas de automóveis, um dos segmentos de negócio da Sodecia. As aquisições foram concluídas em julho. É este o tipo de compras que a Sodecia, um dos candidatos à privatização da Efacec, têm feito nos últimos anos. A Scorpios Manaus é uma fábrica que trabalha para a marca Honda, um dos clientes da Sodecia. A Braun Cartec tem como grande cliente a Wolkswagen, outra das marcas para as quais a Sodecia trabalha. A Sodecia é das candidatas à compra da Efacec, cujo processo de privatização deverá ocorrer até ao final deste ano. É uma oferta global, para todas as áreas de negócio, feita uns dias antes de o Estado ter nacionalizado os 72,3% de Isabel dos Santos. 07/08/2020
  • Fintech de investimentos alternativos Hurst compra Orla DTVM - Criada em 2017, a Hurst distribui seus produtos por meio da crowdfunding. A fintech de investimentos alternativos para pessoas físicas Hurst Capital anunciou nesta sexta-feira acordo para compra de 100% da Orla DTVM. Em comunicado, a Hurst, que opera com ativos como precatórios, recebíveis, imóveis e royalties de música, informou que aguarda aval do Banco Central para o negócio, que envolve distribuição de valores mobiliários. “A operação visa a ampliar o volume de colocação privada e oferta pública dos ativos hoje já originados pela Hurst para family offices, gestoras e estrangeiros e, de varejo, via crowdfunding de investimento regulado pela CVM“, afirmou a companhia em comunicado.07/08/2020
  • Ser Educacional compra faculdade de medicina por R$ 150 mi, em Rondônia. - Aquisição da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal agrega mais uma marca ao maior grupo de ensino superior do Norte e Nordeste brasileiro. O grupo Ser Educacional, um dos maiores grupos privados de educação do Brasil, anunciou nesta quinta-feira (06), a aquisição da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal - FACIMED, em Rondônia. A negociação faz parte da estratégia de crescimento da Companhia, buscando ainda mais relevância nas regiões Norte e Nordeste do país, e com presença significativa nas demais regiões do Brasil. Destacam-se os cursos de Medicina, Medicina Veterinária, Enfermagem, Psicologia, Odontologia e Farmácia. Atualmente, a Faculdade conta com 2,7 mil alunos matriculados, em 26 opções de cursos de graduação presenciais em dois campi, além de cursos de pós-graduação, extensão e projetos de pesquisa, sendo referência na área de Medicina. A aquisição, cujo valor nominal será de R$ 150 milhões, está sujeita ao cumprimento de determinadas condições precedentes usuais em operações similares, incluindo a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), e será concluída tão logo referidas condições sejam cumpridas. 06/08/2020
  • Wiz compra 40% de corretora de seguro do BMG por R$ 89,8 milhões - O valor da transação envolve parcela fixa de 44,8 milhões de reais e um variável estimado em 45 milhões. A Wiz anunciou nesta quinta-feira a compra de 40% da CMG, corretora de seguros do Banco BMG, por 89,8 milhões de reais. O acordo envolve a concessão de uma opção de compra de fatia adicional de 9% do capital social da CMG, a ser exercida em 2024, dependendo do atingimento de determinadas metas. O valor da transação envolve parcela fixa de 44,8 milhões de reais e um variável estimado em 45 milhões. O acordo também envolve uma garantia para que a venda com exclusividade na rede do BMG produtos de seguros, consórcio, capitalização e previdência privada por 20 anos.. 06/08/2020
  • Rede D’Or compra Hospital São Carlos, de Fortaleza, pelo montante de R$ 157 milhões - Rede D’Or adquiriu 75% do Hospital São Carlos S.A.de Fortaleza/CE,  pelo montante aproximado de R$ 157 milhões. REDE D’OR SÃO LUIZ informa que  por meio de sua subsidiária integral Hospital Esperança S.A., adquiriu 75% (setenta e cinco por cento) do capital social do Hospital São Carlos S.A., empresa com sede na Cidade de Fortaleza/CE, pelo montante aproximado de R$ 157 milhões de reais. 06/08/2020
  • D1000 precifica ação em R$ 17 e capta R$ 400,2 milhões em IPO, diz fonte - A companhia D1000, dona das redes de farmácias Drogasmil, Farmalife, Drogarias Tamoio e Rosário, fixou há pouco preço de R$ 17 por ação em sua oferta pública inicial (IPO), apurou o Valor.  O preço ficou no piso da faixa indicativa, que ia até R$ 20,32. Para esse patamar fixado, a demanda foi de 3,5 vezes, disseram as fontes.  A companhia captou R$ 400,2 milhões no total, com a oferta base que era de 23,54 milhões de ações, e não houve alocação do lote adicional.  06/08/2020
  • IPO da Quero-Quero sai no centro da faixa estimada, movimenta R$2,2 bi - A rede de varejo de material de construção e artigos para o lar Quero-Quero precificou sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) a 12,65 cada, no centro da faixa indicativa de 11,30 a 14 por ação, segundo informações publicadas no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta quinta-feira. Na oferta secundária foram vendidas 154.300.318 ações, movimentando 1,95 bilhão de reais. A gestora norte-americana de fundos de private equity Advent International é vendedora. Na oferta primária --cujos recursos vão para o caixa da empresa-- foram vendidas 22.123.894 ações, com volume financeiro de 280 milhões de reais. Com isso, a operação movimentou pouco mais de 2,2 bilhões de reais.  06/08/2020
  • Koknox plataforma de serviços para condomínios recebe aporte de R$ 1 milhão - A Noknox, plataforma que conecta moradores e seus celulares aos síndicos, porteiros e prestadores de serviços, comemora mais um momento importante de sua trajetória. A startup anunciou um aporte de R$ 1 milhão, estruturado e liderado pelo Kria, rede de investimentos baseada na construção de comunidades. Os recursos serão destinados para a expansão do negócio e para a ampliação do quadro de colaboradores, principalmente nas áreas de tecnologia, produto, vendas e marketing, com o intuito de aprimorar a ferramenta e fidelizar clientes. 06/08/2020
  • Logicalis compra 30% da Kumulus startup de nuvem - A Logicalis, multinacional de serviços de tecnologia da informação e comunicação, comprou 30% na Kumulus, uma startup paulista especializada em serviços de nuvem e gerenciamento de dados. Fundada em 2017, a Kumulus tem 80 funcionários, é sediada em Campinas e trabalha com as nuvens da AWS e Microsoft.  “A expertise da Kumulus em migrações de dados para a nuvem de sistemas como ERP, CRM e sistemas legados, reforçam a proposta de valor da Logicalis de acelerar a transformação digital dos seus clientes e cujo elemento central é exatamente a transição para a nuvem”, diz Rodrigo Parreira, CEO da Logicalis Latin America.07/08/2020
  • Investimento sem rugas? XP aposta no botox - O fundo de private equity da XP acaba de fazer sua segunda aquisição — comprando a maior rede de clínicas de botox do Brasil e colocando um pé num mercado extremamente pulverizado e que deve dobrar de tamanho nos próximos anos.  A XP comprou o controle da Botoclinic, injetando R$ 100 milhões na empresa e dando liquidez parcial aos fundadores, o casal de gaúchos Rafael Estevez e Cristina Bohre, que continuam como acionistas minoritários e executivos.  O investimento foi feito pelo FIP XP Private Equity, que tem R$ 1,3 bilhão e é gerido por Chu Kong, um veterano que fundou o TMG Capital nos anos 90 e passou mais de uma década na Actis.  Fundada em janeiro do ano passado, a Botoclinic cresceu num ritmo impressionante: abriu uma loja a cada 3,7 dias em 2019 e chegou a mais de 100 clínicas em 19 Estados.  A empresa faturou cerca de R$ 110 milhões no ano passado.  06/08/2020
  • FindUP recebe aporte da DOMO Invest - A gestora de venture capital DOMO Invest, através do fundo DOMO Enterprise, focado em empresas B2B, acaba de anunciar um investimento de R$ 5 na FindUP, startup que oferece serviços de técnicos de informática por meio de um aplicativo. O aporte será utilizado pela startup para o crescimento da máquina de vendas e outras áreas. “A DOMO Invest é uma das principais gestoras de VC no Brasil e também sempre esteve em nosso radar. Isso porquê seus founders possuem ampla experiência em mercados variados e competências complementares para nos ajudar na gestão, além de atuarem de maneira exemplar nesse ecossistema, respeitando seus players, terem redes de networking muito fortes e trabalharem com um modelo de gestão soft com foco no apoio ao nosso crescimento”, destaca o CEO da FindUP, Fábio Freire. Além de Fábio, também são sócios-fundadores da startup Tiago Lira, head comercial, e Gustavo Ferreira, head de Operações. Em 2016, um ano depois de sua fundação, a FindUP recebeu seu primeiro investimento, ainda como anjo, de R$ 600 mil. Em termos de crescimento para este ano, o mesmo deve ocorrer na ordem de 40% na comparação com 2019 e a pandemia da covid-19 acelerou esse processo. 07/08/202
  • Startup de benefícios Caju recebe aporte de R$ 13 milhões - Durante a pandemia, a empresa deu um salto de 150 clientes em abril para 400 hoje; serviço reúne diferentes benefícios para o funcionário em um só cartão. A startup Caju, dona de uma plataforma para gerenciar benefícios a funcionários, acaba de receber um aporte de R$ 13 milhões liderado pelo fundo Valor Capital Group, pela Canary e também com a participação de Ariel Lambrecht, fundador da 99 e da Yellow. Com crescimento acelerado durante a pandemia, a startup, que atendia cerca de 150 empresas em abril, já tem hoje 400 companhias clientes, entre eles startups como Loft e Pipefy — ao todo, a Caju atinge indiretamente 15 mil funcionários atualmente. 06/08/2020
  • AES Tietê faz acordo com J.Malucelli para comprar parques eólicos no RN por R$650 mi - A elétrica AES Tietê assinou contrato nesta quarta-feira para compra da participação total da J. Malucelli Energia em três parques eólicos no Rio Grande do Norte, em negócio de até 650 milhões de reais, informou a empresa em comunicado. Segundo a AES Tietê, o acordo envolve os parques Brasventos Eolo (antigo Rei dos Ventos 1), Rei dos Ventos 3 e Miassaba 3, no Complexo Eólico Ventus. As unidades somam capacidade instalada de 187 megawatts (MW), com operação 100% contratada no mercado regulado de energia. A companhia afirmou que pagará 449 milhões de reais em duas parcelas, sendo 51% do montante no fechamento da operação e 49% cinco meses depois, e assumirá a dívida líquida do projeto, com saldo estimado em 201 milhões de reais. 05/08/2020
  • Minerva adquire frigorífico colombiano por US$ 14 milhões - Negócio amplia presença da empresa no país, que tem potencial para ampliar exportações. Maior exportadora de carne bovina da América do Sul, a brasileira Minerva Foods deu mais um passo para expandir a atuação na região.  O grupo fechou hoje um acordo para a aquisição do frigorífico colombiano Vijagual, apurou o Valor. A compra sairá por US$ 14 milhões. Com isso, a companhia brasileira dobra a capacidade no país. 05/08/2020
  • Duratex anuncia aquisição integral da Viva Decora - A plataforma da Viva Decora conta com mais de 120 mil arquitetos e designers cadastrados. A Duratex (DTEX3) anunciou nesta quarta-feira (5) que celebrou um contrato para a aquisição integral da Viva Decora, plataforma de inspiração para decoração e reforma de interiores. A companhia já havia adquirido em 2017 uma participação de 28,57% na empresa. Desde então, a Duratex fez aportes adicionais. A aquisição não requer nenhum desembolso financeiro por parte da Duratex, pois o pagamento aos quotistas será realizado por meio do caixa disponível na Viva Decora. 05/08/2020
  • Margui Engenharia adquire a Plamex - O valor da transação não foi divulgado. Para a Margui, o negócio fechado com a Plamex (foto) significa verticalizar parte de sua operação e ampliar, de forma significativa, a oferta no mercado Road Building. Enquanto companhias pelo mundo afora ainda discutem formas de voltar à normalidade e de competir em um ambiente pós-pandemia, duas empresas gaúchas decidiram agir rapidamente para manter as altas taxas de crescimento que vinham experimentando no pré-crise e a liderança em seus respectivos mercados.  Na sexta-feira (31) o Grupo Fagundes vendeu à Margui Engenharia de Equipamentos 100% de sua participação na Plamex Soluções para Abastecimento, em uma operação estruturada pela Bateleur Assessoria Financeira. O valor da transação não foi divulgado. 05/08/2020
  • Magalu compra site Canaltech e plataforma da Inloco - Com aquisições, gigante do varejo faz movimento para explorar mercado da publicidade on-line. Anúncio acontece uma semana após a compra da startup HubSales pela empresa. A Magazine Luiza anunciou a aquisição do Canaltech, site de tecnologia com foco em reviews de gadgets, e da plataforma de mídia on-line desenvolvida pela Inloco, startup especializada em geolocalização. O valor pago pelas empresas não foi detalhado pela Magalu que, com as compras, faz um duplo movimento para aumentar a audiência e eficácia de sua ferramenta de anúncios, o Magalu Ads. O Canaltech tem uma audiência de 24 milhões de visitantes, 2,49 milhões de inscritos no canal do Youtube e 792 mil seguidores em suas redes sociais. Já a Inloco foi fundada em 2014 por André Ferraz, que atua como CEO da empresa sediada em Recife. A startup também tem equipes em São Paulo, Nova York e na área da Baía de São Francisco, nos Estados Unidos. Investida pela Valor Capital Group, Prosus & Naspers e Unbux Capital — empresa da família Trajano, fundadora do Magazine Luiza — a startup já captou um total de US$ 20 milhões. A empresa tem uma série de soluções além da recém adquirida pela varejista. “Ano passado captamos R$ 5 bilhões para fazer M&A. Essa estratégia estava em stand by pela pandemia, mas agora que passamos bem pela crise vamos fazer o que prometemos”, disse Frederico Trajano.06/08/2020
  • Stefanini compra empresa de serviços financeiros LogBank e mantém ritmo de aquisições - Companhia deve trazer outras empresas ao grupo neste semestre, especialmente nas áreas de segurança cibernética e finanças. Mesmo com os altos e baixos provocados pela pandemia a Stefanini não reduziu o ritmo de aquisições. Disposta a complementar sua área de serviços financeiros, a empresa fechou a compra da brasileira LogBank, fornecedora de soluções de pagamentos – de conta digital a máquinas de cartões – no modelo de personalização (“white label”) para outras marcas .. 06/08/2020
  • BRQ investe na fintech Certdox - Startup conecta operações, contratos e garantias com entidades oficiais de registro, como cartórios. A Certdox, fintech especializada na integração de operações financeiras com entidades oficiais de registro, recebeu um investimento da BRQ Digital Solutions, uma das maiores empresas de serviços de TI do país. As companhias não revelaram o valor do aporte. O negócio da Certdox é prover serviços que integram novas operações financeiras com as entidades oficiais de registro, como cartórios e centrais registradoras, sem necessidade de alterações no ambiente de tecnologia das empresas. Isto inclui a digitalização de todo o fluxo de contratação de crédito, desde a formalização e controle do processamento eletrônico dos registros dos contratos e gravames das garantias até a geração eletrônica de ajuizamento de inadimplentes e protesto. 06/08/202
  • A startup Oico capta US$ 1,5 milhão para digitalizar compra de materiais de construção - A construtech Oico é um marketplace de compra de materiais de construção. Negócio captou novo aporte com anjos e os fundos FJ Labs e Maya Capital, divulgado com exclusividade para PEGN. Por mais que imóveis continuem sendo feitos com argamassa e tijolos, as atividades que rodeiam cada prédio se tornam cada vez mais digitais. A pandemia só acelerou a necessidade de transformação no setor...06/08/2020
  • Startup de combustíveis CombuData recebe aporte de R$ 2,8 milhões - A empresa curitibana é dona de uma plataforma que dá a compradores de combustível uma visão geral de como está o preço da commodity e quais são as opções de compra. Criada para ajudar empresas a economizarem em compras de combustível, a startup curitibana CombuData acertou, ainda durante a pandemia, um investimento de R$ 2,8 milhões, liderado pelo fundo Canary e com participação dos fundadores da empresa Mobly, que vende móveis pela internet. Com os novos recursos, que representam .06/08/2020
  • HGLG11 comunica aquisição de ativos logísticos - O Credit Suisse, administrador do FII CSHG Logística (HGLG11), comunicou a compra da totalidade das ações de duas sociedades de propósito específico (SPEs). Desse modo, um dos imóveis logísticos recém-adquirido é um ativo multiusuário com área de aproximadamente 60.000,00 m². Segundo o comunicado, o preço de aquisição foi de R$ 150 milhões. Já o outro ativo logístico é monousuário, com área bruta locável de aproximadamente 63.000,00 m². A administradora do fundo pagou R$ 192,2 milhões pelo ativo. Com a assinatura do contrato de compra e venda, o fundo transferiu ao vendedor, a título de sinal e princípio de pagamento, o valor de R$ 60 milhões, fazendo uso dos recursos disponíveis em caixa.06/08/3030
  • Servtec e fundo Darby fecham aquisição de parque eólico e hidrelétrica - A geradora de energia Servtec e o fundo de private equity Darby, da gestora norte-americana Franklin Templeton, fecharam a aquisição de um parque eólico no Ceará e uma pequena hidrelétrica no Mato Grosso, disse à Reuters nesta quinta-feira o presidente da elétrica brasileira. A operação, cujo valor não foi revelado, foi acertada junto ao grupo espanhol Inveravante. O parque eólico Dunas do Paracuru tem 42 megawatts em capacidade, enquanto a PCH Inxú tem 22 megawatts, e ambos os ativos estão em operação comercial. "São ativos pequenos, que ficam fora do radar dos grandes compradores, das grandes transações de M&A (fusões e aquisições). Temos visto mais transações maiores, de 300 megawatts a 400 megawatts, então esses ativos não despertam tanto interesse dos grandes players, mas para nós faz todo sentido", disse o CEO da Servtec, Pedro Fiúza. Com o negócio, a carteira de empreendimentos eólicos e pequenas hidrelétricas da Servtec em operação alcançará 173 megawatts. A companhia também possui participação em termelétricas e ativos de geração solar distribuída, como são conhecidas usinas fotovoltaicas de menor porte que vendem a produção diretamente a empresas ou grupos de clientes. 06/08/2020
  • Notre Dame Intermédica compra Climepe, de Minas Gerais, por R$168 milhões - A Notre Dame Intermédica anunciou nesta terça-feira que fechou acordo para compra de 100% da operadora mineira de saúde Climepe por 168 milhões de reais. A Climepe atua em Poços de Caldas e o sul de Minas Gerais, e tem uma carteira com 33 mil beneficiários de saúde, 6 mil de dental e um hospital com 119 leitos (16 de UTI), uma unidade especializada em procedimentos de baixa complexidade e um Centro de diagnóstico por imagem. Em 2019, a Climepe teve receita líquida de 74,4 milhões de reais, e Ebitda de 10 milhões de reais (margem de 13,6%). "O plano de integração prevê relevantes sinergias administrativas e operacionais", afirmou a Notre Dame no fato relevante. 04/08/2020
  • Em sua décima aquisição desde o IPO, Sinqia compra Itaú Soluções Previdenciárias - Com o acordo, fechado por R$ 82 milhões, a Sinqia incorpora a operação de soluções financeiras de tecnologia e serviços voltada para previdência complementar do Itaú Unibanco. Desde que fez sua oferta pública inicial de ações (IPO) na B3, em 2013, a Sinqia, companhia brasileira de tecnologia com foco no mercado financeiro, abriu os cofres e passou a ampliar seu investimento em aquisições. Nesta terça-feira, a empresa está reforçando esse seu apetite por consolidação. A Sinqia acaba de anunciar a compra da Itaú Soluções Previdenciárias (ISP), empresa do Itaú Unibanco especializada em soluções financeiras de tecnologia e serviços para Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC). Pelos termos da transação, a aquisição foi fechada pelo valor de R$ 82 milhões, o que representa o maior acordo já realizado pela Sinqia. Com a compra da ISP, a Sinqia incorpora mais de 130 funcionários, além de uma carteira de mais de 30 clientes e escritórios em São Paulo e no Rio de Janeiro. No período de 12 meses encerrado em 30 de junho, a ISP apurou uma receita bruta de R$ 50 milhões.  04/08/2020 
  • Lawtech’ Sem Processo recebe investimento e prevê crescer 200% em 2020 - A startup Sem Processo, do Rio de Janeiro, é a mais nova aposta do fundo de investimentos Primatec, focado em empresas de tecnologia e inovação. A startup que atua no setor jurídico acaba de receber um aporte do fundo que hoje tem 100 milhões de reais em administração na carteira. Com o novo investimento, a Sem Processo se torna a mais recente startup a crescer no segmento das “ lawtechs”, como são chamadas as empresas de tecnologia que desenvolvem soluções para facilitar o trabalho de advogados e o andamento de ações judiciais. O valor do investimento não foi revelado. Fundada em 2016 pelo advogado Bruno Feigelson e outros quatro sócios, a Sem Processo desenvolveu um sistema digital que tem como objetivo resolver uma grande dor de cabeça de empresas que lidam com grandes volumes de ações. 05/08/2020
  • Startup Equlibrium recebe aporte de R$ 1 milhão  - Na contramão da crise, a Invisto, maior hub de investimentos em venture capital da região sul do Brasil, é a prova de que a pandemia não está atrapalhando as rodadas de investimento das startups. Referência para investidores que buscam oportunidades em scale-ups localizadas em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, a gestora acaba de anunciar o aporte de R$ 1 milhão na Equilibrium, empresa de Florianópolis que otimiza e gerencia o processo logístico de mercadorias no país. 05/08/2020
  • JSL compra 75% da empresa  Fadel por R$ 159,4 milhões - A JSL assinou contrato para compra de 75% das ações da empresa de logística Fadel, pelo preço de R$ 159,4 milhões, sendo metade paga à vista e a outra metade em 6 meses. A JSL disse ainda que o preço poderá ser aumentado em R$ 13,7 milhões caso a Fadel atinja determinadas metas neste ano. A Fadel atua nos setores de bebida, alimentos, bens de consumo e iniciou atividades no comércio eletrônico (e-commerce), contando com uma frota de mais de 1.600 ativos operacionais próprios (entre caminhões, cavalos mecânicos, carretas e veículos comerciais leves) e tendo 25 filiais no Brasil e 4 unidades no Paraguai. Em 2019, a Fadel apresentou receita líquida de R$372 milhões, EBITDA de R$60 milhões, Lucro Líquido de R$31 milhões e um índice de alavancagem de Dívida Líquida/EBTIDA de 2,2 vezes. Vale ressaltar que em função da característica de seus segmentos de atuação e de seus serviços, a Fadel vem apresentando crescimento de sua receita em 2020.  04/08/202
  • Claranet compra Corpflex - Multinacional inglesa faz sua segunda compra no Brasil, visando aumentar presença local. A Claranet, multinacional inglesa de serviços gerenciados de nuvem, comprou 92,5% da CorpFlex, uma empresa paulista que atua no mesmo segmento. Não foi revelado o valor do negócio. Fundada em 1992, a Corpflex tem uma carteira 550 contratos, com cerca de 30 mil usuários finais. No começo de 2016, a empresa anunciou a entrada do fundo de investimento 2bCapital como seu acionista minoritário. No site europeu Channel Partner Insight, Ferrreira revelou que com a compra a Claranet chega a 200 funcionários no Brasil, onde faturou US$ 128 milhões no último ano. A Claranet atua com soluções de cloud pública, trabalhando com tecnologias AWS, Azure e Google Cloud, desde infraestrutura, automação, big data e machine learning.  A empresa tem 2,5 mil funcionários, a maioria na Europa, e fatura na casa dos R$ 2,5 bilhões anuais atendendo 6,5 mil clientes...  04/08/2020
  • GP Investments faz aporte de R$ 15 milhões na central de recebíveis Cerc - A Cerc fornece infraestrutura para o mercado financeiro de crédito, com serviços de validação, registro e compensação de recebíveis. A GP Investments informou que realizou um investimento de R$ 15 milhões na Cerc Central de Recebíveis, que fornece infraestrutura para o mercado financeiro de crédito, com serviços de validação, registro e compensação de recebíveis. .04/08/2020
  • Globant adquire gA (Grupo Assa) - A aquisição reforça a experiência da Globant em fornecer transformação em nuvem e permite à Companhia expandir seu portfólio de Assistência Médica e Ciências da Vida. A Globant (NYSE: GLOB ), uma empresa de serviços de tecnologia nativa digitalmente, anunciou hoje a aquisição da gA , uma empresa líder em serviços de transformação digital e em nuvem com presença nos Estados Unidos , Argentina , Brasil , Chile , Colômbia , México e Espanha . A aquisição causou surpresa no mercado argentino, embora tenha havido coincidência o avanço de uma empresa que agregará novo valor a um dos cinco unicórnios argentinos. A operação atingiu US $ 45 milhões. Com esta operação, a Globant adicionará cerca de 1.500 funcionários do Grupo Assa , com alto nível de profissionalização, e também um portfólio de clientes atraente em um momento da história da humanidade, onde as empresas precisam aprofundar suas estratégias de transformação digital para manter saudável na nova dinâmica dos negócios. 03/08/2020
  • BNDES vende R$ 8 bi de Vale no maior block trade da história do Brasil - Ontem à noite, com o mercado já fechado, o BNDES pediu propostas a cinco bancos para vender sua participação na Vale: um caminhão de ações equivalente a 2,5% do capital da mineradora.  Goldman Sachs, JP Morgan, Bank of America, Credit Suisse e Bradesco tinham que fazer uma oferta firme com o menor desconto possível em relação ao preço do fechamento do papel. (Qualquer upside em relação ao preço ofertado seria dividido entre o BNDES e o vencedor numa razão pré-definida.) Os bancos tinham pouco tempo para responder: o leilão começaria na abertura do mercado. O Bank of America levou o negócio, oferecendo o preço de R$ 58,76, um desconto de apenas 2,5% em relação ao fechamento de R$ 60,26.  O BNDES levantou R$ 8,14 bilhões no que foi o maior block trade do mercado de capitais brasileiro. (O segundo maior foi a venda de R$ 2,7 bilhões em ações da Sul América pela Swiss Re no ano passado, executada pelo JP Morgan). 04/08/2020
  • Viasoft investe na Market4u - Startup curitibana é especializada em mini mercados autônomos para condomínios residenciais. Empresa pretende chegar a 5 mil franquias em 2021.  A Market4u, startup curitibana especializada em mini mercados autônomos instalados em condomínios residenciais, recebeu um investimento da empresa Viasoft, voltada para o desenvolvimento de softwares de gestão. As empresas não revelaram o valor do aporte, mas informaram que, com esse investimento, a Market4u passa a ter avaliação de mercado de mais de R$ 60 milhões, valor que esperam subir rapidamente devido aos novos hábitos de consumo. 04/08/2020
  • Mottu plataforma que aluga motos recebe aporte de US$ 2 milhões - A Mottu, plataforma que aluga motos para entregadores de aplicativo, acaba de fechar sua segunda rodada de investimentos, liderada pela Caravela Capital, fundo de venture capital com foco em startups tecnológicas early stage. A rodada de investimento, no valor de US$ 2 milhões, contou também com a participação de Elie Horn, fundador da Cyrella, José Galló, ex-CEO da Renner e da Fundação Estudar Alumni Partners. Apesar da crise mundial causada pela pandemia de coronavírus, há quem ainda consiga encontrar boas oportunidades de negócio. E esse é o caso da Mottu, startup que aluga motos para quem quer trabalhar com aplicativos de delivery, setor que cresceu bastante com a necessidade de isolamento social. De fevereiro, quando foi criada, até agora, a Mottu recebeu o cadastro de mais de 15 mil pessoas interessadas no aluguel de motos. 31/07/2020
  • Acesso Digital compra Meerkat - Startup gaúcha desenvolve tecnologia na área de biometria facial, um campo quente. A Acesso Digital, um dos destaques no mercado brasileiro de biometria facial, comprou a Meerkat, empresa de Porto Alegre que desenvolve algoritmos para reconhecimento facial. O negócio não teve o valor revelado e foi divulgado em primeira mão pelo NeoFeed. O mercado de identificação, ou biometria, é quente, devendo chegar a R$ 1 bilhão até o fim do ano até o final do ano segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital (Abrid).A Unike Technologies, uma startup de biometria facial, captou na semana passada um aporte de R$ 3 milhões, em uma transação liderada pela Reussite, fundo liderado por Isaac Lazera, sócio da Extrafarma. Em junho, a Payface, uma startup de pagamentos por reconhecimento facial, captou R$ 3 milhões em rodada seed liderada pela empresa BRQ Digital Solutions, o fundo Next A&M e a aceleradora Darwin Startups. 03/08/2020
  • Canadense Jiulian Resources adquire projeto de ouro Pedra Branca da Jaguar - Jiulian Resources assinou contrato de opção definitiva com a Jaguar Mining para aquisição de até 100% do projeto de ouro Pedra Branca, no Ceará. Pelo acordo, a Jiulian assume inicialmente 75% de participação no projeto por um valor mínimo de US$ 1 milhão destinados à exploração do ativo. De acordo com o contrato assinado no último dia 29, a Jiulian tem opção de adquirir os 25% restantes com o investimento necessário para apresentação de um.. 03/08/2020

RELATÓRIOS - DESTAQUES DA SEMANA


QUEM, O QUÊ, QUANDO, QUANTO, COMO e POR QUÊ

 A pesquisa FUSÕES E AQUISIÇÕES - DESTAQUES DA SEMANA tem o propósito de captar o “clima” do mercado das operações de Fusões e Aquisições bem como sinalizar suas principais tendências. Trata-se da compilacão semanal das notícias visando tornar mais acessíveis e conhecidos os negócios de fusão, aquisição e venda realizados entre empresas com atuação no Brasil. Todas as informações sobre os negócios citados no presente relatório são obtidos a partir de notícias publicadas pela imprensa e divulgadas no “estado" pelo blog FUSOESAQUISICOES.BLOGSPOT http://fusoesaquisicoes.blogspot.com, não sendo feita qualquer verificação quanto à sua veracidade, precisão ou integridade do conteúdo. Sempre que possível, serão mencionados os nomes dos compradores – investidor estratégico ou fundos de private equity, dos vendedores, a tese de investimento e principais “value drivers”, o valor da transação, forma de pagamento, múltiplos praticados (Valor da Empresa/EBITDA, Valor da Empresa/Receita) etc. Muitas vezes a notícia não é clara a respeito dos valores/forma de pagamentos e respectivos múltiplos. É bem-vinda toda e qualquer contribuição para tornar as informações mais precisas e transparentes. Caso o conteúdo estiver em desacordo, nos contate que estaremos retirando o mesmo ou corrigindo a respectiva  informação. Blog FUSÕES & AQUISIÇÕES



O jeito diplomático de investir (e de encontrar unicórnios) do Valor Capital

Fundado pelo ex-embaixador no Brasil Clifford Sobel e seu filho Scott, o Valor Capital tem US$ 500 milhões de ativos sob gestão e duas startups bilionárias no portfólio: a Gympass e a Loft. O sócio Michael Nicklas conta como caça bons negócios no Brasil

Em 2008, o americano Michael Nicklas leu uma notícia sobre dois hackers que haviam desbloqueado o iPhone 3G no Brasil e pensou: onde existem bons hackers, há bons desenvolvedores.

Os dois hackers eram Henrique Dubugras e Pedro Franceschi, que depois criaram a Pagar.me, comprada pela Stone, e hoje são os fundadores da Brex, a startup que vale US$ 3 bilhões e é uma das sensações do Vale do Silício por criar um cartão de crédito para empresas iniciantes.

Investidor-anjo nos Estados Unidos, Nicklas fez as malas e veio ao Brasil conhecer o ecossistema de empreendedorismo local. E nunca mais voltou. Hoje, ele é sócio do Valor Capital, fundo de venture capital fundado pelo ex-embaixador no Brasil Clifford Sobel e seu filho Scott, em 2014.

Com 55 startups no portfólio e US$ 500 milhões de ativos sob gestão, o Valor Capital é um fundo cross border, que investe tanto em startups no Brasil como globalmente.

Mas o foco é o Brasil, onde estão 75% do portfólio do Valor Capital. “A nossa estratégia é investir em empresas early stages indo até a série B”, diz Nicklas, ao CAFÉ COM INVESTIDOR, programa do NeoFeed que entrevista os principais gestores de venture capital e de private equity do Brasil.

O Valor Capital foi o fundo que investiu no começo da Stone, empresa de meios de pagamentos que abriu o capital na Nasdaq e vale US$ 14,5 bilhões. Ele conta atualmente com dois unicórnios no portfólio, como são chamadas as startups que atingem uma valorização bilionária: a Gympass e a Loft.

E há outras que são candidatas a chegarem a esse patamar, como a CargoX, uma espécie de Uber dos caminhoneiros, o GuiaBolso, de finanças pessoais, e o Descomplica, um site de educação que prepara para o Enem.

A tese do Valor Capital é bem simples: apostar em serviços nos quais a classe média quer consumir, desde financeiros até educacionais. Mas sem esquecer as tendências tecnológicas, como chatbots e inteligência artificial. “Precisamos entender para onde as coisas vão.”

Nesta entrevista, que você assiste no vídeo acima, Nicklas explica o que ele observa nos empreendedores na hora de investir e conta sua análise nos diferentes estágios de investimento, desde o early stage passando por séries A e B.

Apesar de ter vindo para o Brasil como investidor apenas em 2008, Nicklas tem uma longa relação com o País e com a língua portuguesa. Ele morou por aqui quando era criança, pois seus pais trabalhavam em São Paulo.

Ao voltar para os Estados Unidos, perdeu o contato com a língua. Mas, depois de formado em economia, resolveu fazer mestrado em antropologia em Coimbra, em Portugal.

No Brasil, quando retornou, ele fundou o blog Startupi, que vendeu posteriormente, e foi conselheiro da IdeiasNet, uma holding de investimento em empresas de internet, que abriu o capital nos anos 2000 – na época em que esteve na empresa, ela estava no estágio de desinvestimentos de uma série de negócios... Leia mais em neofeed 11/08/2020




BR Properties vende ativos a fundo Vinci Offices por R$ 120,2 milhões

Empresa vai vender participação em imóveis nas cidades de São Paulo, Porto Alegre e Brasília

A BR Properties anunciou nesta quarta-feira que fechou acordo de exclusividade com o fundo de investimentos Vinci Offices para venda de participação em imóveis nas cidades de São Paulo, Porto Alegre (RS) e Brasília por R$ 120,2 milhões.

A companhia pretende vender integralmente sua participação nos Edifícios Souza Aranha I e Souza Aranha II, em são Paulo e no ...Leia mais em valoreconomicoo 12/089/2020