04 junho 2020

Yduqs acerta compra do grupo Athenas; transação pode movimentar até R$ 300 milhões

Segundo a Yduqs, o grupo tem nove mil alunos, tem 67 cursos de graduação, cursos técnicos superiores e programas de pós-graduação

A Yduqs (YDUQ3) informou nesta quinta-feira que acertou a compra da Athenas, grupo educacional com unidades em Rondônia, Acre e Mato Grosso.

O valor inicial da operação é de 120 milhões de reais, sendo 106 milhões de reais à vista e 14 milhões após cinco anos. Além disso, o contrato prevê um pagamento adicional de 600 mil reais se o grupo adquirido conseguir vagas para curso de medicina, o que pode elevar o valor da operação em até 180 milhões de reais.

Segundo a Yduqs, o grupo tem nove mil alunos, tem 67 cursos de graduação, cursos técnicos superiores e programas de pós-graduação, além de um potencial para 300 vagas/ano de medicina.

“A aquisição preenche 3 das 17 regiões de influência prioritárias identificadas em nosso planejamento estratégico, além de estarem localizados em regiões de maior crescimento econômico, como o Centro-Oeste e Norte do país”, afirmou a Yduqs em fato relevante.

Em 2019, o Grupo Athenas teve receita líquida de 94,5 milhões de reais e Ebitda ajustado de 15 milhões de reais. Reuters .. Leia mais em moneytimes 04/06/2020
















04 junho 2020



NetApp compra Spot para otimização de nuvem pública

A NetApp informa a aquisição da Spot, empresa que fornece gerenciamento de computação e otimização de custos em nuvens públicas.

As duas empresas estabelecerão uma infraestrutura orientada a aplicativos para permitir que os clientes implantem mais soluções em nuvens públicas rapidamente com a plataforma as a service da Spot para otimização de computação e armazenamento corporativos e cargas de trabalho nativas da nuvem e data lake. Os termos do acordo não foram divulgados.

A NetApp espera que a transação seja fechada no seu primeiro semestre do ano fiscal... Leia mais em tiinside 03/06/2020




Fundos devem ficar mais seletivos ao investir em startups do agro

Em meio ao efeitos da pandemia sobre a economia, expectativa é de que setor continue atrativo, mas dinheiro deve ir para negócios mais maduros

Em meio à pandemia de coronavírus, agro deve continuar atraindo investimentos, mas fundos devem ficar mais seletivos na hora de escolher startups onde aplicar seus recursos

Com o avanço da digitalização no campo, o aporte de fundo de investimentos em startups que comercializam soluções para a agropecuária cresceu nos últimos anos. Em meio aos efeitos da pandemia de coronavírus sobre a economia, a resistência do setor deve mantê-lo atrativo de investimentos, mas os investidores devem ser mais seletivos. Fundos deverão priorizar empresas mais maduras, onde já há uma proposta de valor concreta, ou mais testadas em relação à viabilidade econômica e operacional.

"A escassez que vai pegar a economia inteira acabará chegando às agritechs. Os negócios muito incipientes, que exigem trabalho de campo com o produtor em duas ou três safras para demonstrar eficiência, com certeza serão afetados", diz Francisco Jardim, sócio-fundador da SP Ventures, fundo de investimento em venture capital, àqueles referentes às empresas em estágio inicial. "A gente vai privilegiar negócios mais maduros."

As startups com uma linha de atuação e proposta de valor mais avançadas devem passar pela crise sem grandes problemas. "As empresas não estão perdendo clientes, pois o agro e a cadeia de fornecimento continuam operando. Mas a liberdade que o empreendedor tinha para resolver seus negócios ficou comprometida”, analisa o presidente da Associação Brasileira de Startups (Abstartup), Amure Pinho. “Por isso, negócios que estão começando no agro podem ter mais dificuldade para se desenvolver”, completa.

Mesmo com a maior seletividade em decorrência da crise econômica, há espaço para avançar. Um relatório feito pela Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (Abvcap), em parceria com a consultoria KPMG, aponta que os investimentos em Venture Capital passaram de R$ 6 bilhões para R$ 10,2 bilhões entre 2018 e 2019, crescimento de 70% em apenas um ano, ou R$ 4 bilhões. O número de empresas que receberam aportes quase dobrou entre um ano e outro, de 122 para 216... Leia mais em revistagloborural 04/06/2020



Agrofy é reconhecida como possível futuro unicórnio

O marketplace do agronegócio Agrofy foi reconhecido no prêmio Tracxn Emerging Awards 2020, no dia 28 de maio, na categoria minicorn, que compreende empresas em estágio inicial com potencial para se alcançarem o valuation de mais de US$ 1 bilhão.

O prêmio é organizado pela Tracxn, plataforma global projetada para investidores que rastreia empresas inovadoras em mais de 300 setores de tecnologia, com cerca de 800 temas emergentes em mais de 30 países. Critérios de avaliação incluem o acompanhamento das atividades das empresas em seus ecossistemas e a opinião de outros stakeholders como fundos e bancos de investimento.

A Agrofy tem o Brasil como seu principal mercado, que receberá a maioria dos US$ 23 milhões captados em seu último aporte em dezembro de 2019. No momento, a subsidiária brasileira busca sofisticar seu marketplace, onde já é possível fazer compras de até R$ 20 mil online com cartão ou boleto.

A empresa quer oferecer a possibilidade ao produtor de fazer compras de valores mais altos, conectando sua plataforma com a esteira de financiamento dos principais bancos e do BNDES (Forbes, 3/6/20) Leiam mais em brasilagro 04/06/2020

Saiba mais sobre Valuation e Modelagem Financeira





Controladores da Stone venderam 17% da posição

Controladores da Stone venderam quase US$ 400 milhões em ações da empresa na sexta-feira passada.

O bloco vendido equivale a 4,6% do capital da empresa e a 17% das ações pertencentes ao grupo de controle, que inclui os cofundadores André Street e Eduardo Pontes bem como uma série de outros investidores.

A oferta, liderada pelo Morgan Stanley, atraiu quase 70 investidores institucionais num bookbuilding acelerado, e as 13 milhões de ações foram oferecidas numa faixa entre US$ 29,25 e 29,85.

A transação foi feita sob a regra 144A da SEC, que permite a venda de ações ainda não registradas a investidores institucionais.

Como depois da venda os vendedores tem alguns dias para informar ao regulador, um anúncio deve ser feito nos próximos dias. A liquidação foi na terça, dia 2.

A oferta impõe aos vendedores um ‘lockup’ de 90 dias para mais vendas.
A ação já subiu mais de 20% desde então e hoje negocia a US$ 37 na Nasdaq... Leia mais em Brazil Journal 04/06/2020



Digibee recebe aporte de US$ 5 milhões e investe em expansão para os EUA

Receber um aporte de US$ 5 milhões, investir na expansão internacional e somar mais de 90 clientes de grande porte. A Digibee, scale-up brasileira de tecnologia que atua na integração de sistemas, está crescendo exponencialmente, em meio a um cenário em que muitas empresas ainda tentam sobreviver. Sediada no Cubo Itaú, com 50 funcionários, vem se destacando nesse momento de transformação digital, num mercado dominado por empresas americanas

Após uma rodada de investimentos que começou no fim do ano passado e foi concluída em março, em plena crise econômica, a scale-up, há apenas 3 anos no mercado, soma grandes clientes como Dasa, RedeD'Or, Santander, Makro, Assaí Atacadista, Pernambucanas, Canon, Totvs e Accenture, entre outros. A Digibee criou uma plataforma (Hybrid Integration Platform) que simplifica a integração de sistemas de ponta a ponta – uma questão sempre complexa em tecnologia –, com uma velocidade até 10 vezes mais rápida e mais eficiente que as abordagens tradicionais.

"Apesar da pandemia, tivemos em 2020 o melhor trimestre da história da Digibee e estamos mantendo a expectativa de crescer quatro vezes em faturamento este ano. Com o trabalho remoto, notamos um aumento de 25% na produtividade, resultando em maior velocidade de entrega e mais qualidade. Oferecemos uma redução significativa de custos para nossos clientes que pode chegar a 90% ", conta Rodrigo Bernardinelli, CEO da Digibee. Entre os investidores deste aporte estão o grupo GAA Investments, sediado na Flórida (EUA) e o executivo Laércio Albuquerque, com 25 anos de experiência em empresas multinacionais de TI.

"O GAA Investments apostou desde o início na Digibee, quando fizeram a primeira rodada de investimentos em nossa empresa, junto com o Paulo Veras, fundador da 99 Taxi. Já a entrada do Laércio Albuquerque como investidor é impactante, pois, como parte do conselho consultivo, ele promoverá a Digibee em ações sociais, tão essenciais hoje, além de toda a experiência e o relacionamento próximo com o setor de tecnologia B2B", pontua o Bernardinelli.

Multiplicando a aposta

Para Geraldo Neto, cofundador do GAA Investments, "aquele time que a gente apostou, há um ano e meio, atingiu um crescimento absurdo. A gente está sonhando alto com a Digibee, com essa bandeira que está sendo fincada nos Estados Unidos", ressalta.

Segundo o CEO da Digibee, a crise econômica demonstrou que a plataforma é uma alternativa viável para projetos de tecnologia que precisam ser otimizados. "Capacidade de entrega e simplicidade é o que estamos oferecendo aos clientes neste momento de turbulência. Nosso foco é em grandes empresas, com sistemas legados e ambientes complexos de TI. Trabalhamos para que saiam fortalecidas do grande desafio que vivemos hoje", conclui... leia mais em tiinside 03/06/2020



Amazon negocia compra de participação de US$ 2 bilhões da Bharti Airtel

O investimento, se concluído, significaria que a Amazon adquirirá uma participação de aproximadamente 5% com base no atual valor de mercado da Bharti, impulsionando a companhia.

A Amazon está em negociações iniciais para comprar uma participação no valor de pelo menos US$ 2 bilhões na operadora de telefonia móvel indiana Bharti Airtel, disseram três pessoas com conhecimento das conversas à agência inglesa de notícias Reuters, em um movimento que poderia turbinar a economia digital da Índia.

O investimento, se concluído, significaria que a Amazon adquirirá uma participação de aproximadamente 5% com base no atual valor de mercado da Bharti, impulsionando a companhia, que é a terceira maior empresa de telecomunicações da Índia, na tentativa de competir com a Reliance Jio, líder do setor.

“A Jio se transformou de uma operadora móvel pura em uma plataforma voltada para o consumidor, liderada pela tecnologia digital, e a Airtel pode fazer o mesmo”, disse uma das pessoas.

“A Airtel está procurando um jogo de recuperação aqui, e para a Amazon faz todo o sentido estratégico para os negócios na Índia.”

A Amazon ponderou várias opções de investimento, incluindo a compra de uma participação de 8 a 10%, disse uma segunda pessoa.

As negociações entre a Bharti e Amazon estão em estágio inicial e os termos do acordo podem mudar, ou nem ser concluído, disseram duas das três pessoas, que se recusaram a ser identificadas porque as discussões são confidenciais.

As negociações

Uma porta-voz da Amazon disse que a empresa “não oferece comentários sobre especulações sobre o que podemos ou não fazer no futuro.”

A Bharti disse que trabalha rotineiramente com todos os players digitais para levar seus produtos, conteúdo e serviços aos clientes. “Além disso, não há outra atividade a ser reportada”, afirmou em comunicado. Por Redação, com Reuters – Leia mais em correiodobrasil. 04/06/2020



Agtech recebe aporte da KPTL e mira expansão

A KPTL, gestora de investimentos em tecnologia e inovação, acaba de anunciar seu novo investimento na Agrotools, empresa de tecnologia voltada ao agronegócio. O valor da transação não foi divulgado e startup mira acelerar ainda mais seu plano de expansão no setor.

Poucos segmentos vivem e viverão uma explosão tão grande no uso de tecnologia quanto o agribusiness, e a inteligência de dados será protagonista nos próximos tempos – inclusive em meio à atual crise por conta do novo coronavírus. Por isso, a KPTL aposta no know-how e histórico da empresa fundada em 2007 e que atende as principais empresas do agronegócio nacional e internacional.

A Agrotools traduz as complexidades do campo para uma tomada de decisão instantânea das diversas verticais do mundo corporativo. Seu diferencial é conectar terras e negócios através de seu enorme banco de dados, com mais de 1.300 camadas de informações do agro e pela inovadora plataforma geográfica 100% proprietária.

Assim como Amazon, Zoom e Microsoft, segue tendência de crescimento ainda mais acelerado por atuar com tecnologia remota. Com mais de 120 clientes, hoje 15% das maiores marcas do agronegócio do País utilizam alguma solução Agrotools, como McDonald’s, Rabobank, Banco John Deere, Carrefour, Wal-Mart, Itaú BBA, Sicredi, JBS, Cargill, Frooty, Cofco, ADM, entre outros.

Atuando em mais de 12 verticais do agro, cerca de 35% das receitas da Agrotools são oriundas da exportação de tecnologia para outros países como Paraguai, Austrália e Argentina, contando com contratos recorrentes e de longo prazo, portanto com diversificação, segurança e escalabilidade. Mas para os executivos da empresa, isso ainda é pouco.

Para Sergio Rocha, fundador e CEO da Agrotools, o desafio está apenas começando e ainda há muito espaço para crescimento através dos atuais e novos clientes, além de aquisições bem planejadas. “Demoramos anos para escolher um parceiro estratégico: a KPTL traz, além do investimento, complementos importantes ao nosso modelo de negócio, como profissionais qualificados com nossa cultura de inovação e uma visão de futuro muito sinérgica que sem dúvida irão multiplicar a capacidade de crescimento da Agrotools”, explica Rocha.

Além da tecnologia em si, a Agrotools conta com uma equipe multidisciplinar muito qualificada de mais de 100 funcionários. E é justamente neste ponto que o CEO da KPTL, Renato Ramalho, acredita ser o grande diferencial. “O capital humano é muito importante para a gente pois é um ativo fundamental difícil e demorado de construir. De nada adianta tecnologia sem boas cabeças por trás. É primordial ter um time muito forte que compreenda profundamente as demandas do agronegócio. E isso a Agrotools tem de sobra. São técnicos, engenheiros, desenvolvedores e administradores incríveis, com a botina nos pés”, acredita Ramalho.

Ramalho também passa a fazer parte do conselho estratégico da empresa, com nomes de peso como Rodrigo Kede, ex-CEO Brasil e hoje um dos principais líderes da IBM na América do Norte e Pedro Paulo Campos, que já foi executivo e sócio do JP Morgan, Pátria e atualmente sócio da Arsenal Investimentos.

A KPTL acredita que soluções que agreguem inteligência de dados no agronegócio podem ser a chave para garantir o abastecimento da população mundial. Assim, a Agrotools passa a fazer parte de sua nova plataforma para investimentos em segmentos relacionados à tecnologia para o agronegócio como sistemas, dados, crédito, seguro, supply chain, entre outras.

Com mais de R$ 1,2 bilhão em ativos domiciliados no Brasil, o portfólio atual da gestora possui 50 empresas de tecnologia nas mais variadas áreas. Além disso, acredita que é preciso investir mais em agtechs que realmente tenham solidez tecnológica e humana, além de histórico e produtos comprovados pelo mercado. O CEO da KPTL também diz que em breve apresentará mais sobre sua ampla estratégia dentro do segmento... Leia mais em startupi 16/04/2020






Pedidos de falência sobem 30% em maio; de recuperação judicial, 69%, diz Boa Vista

Sob impacto de pandemia, perspectiva é de reversão da tendência de melhora que vinha sendo observada

Os pedidos de falência avançaram 30% em maio, na comparação com abril, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Mantida a base de comparação, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas aumentaram 68,6% e 61,5%, respectivamente.

Por outro lado, as falências decretadas registraram queda de 3,3% na variação mensal.

Com a paralisação das atividades de devedores e credores, os pedidos de falência vinham em queda nos meses anteriores, na comparação mensal ..leia mais em valoreconomico 04/06/2020

===
Pedidos de falência sobem 30% em maio

Os pedidos de falência avançaram 30% em maio, na comparação com abril, segundo dados com abrangência nacional da Boa Vista. Mantida a base de comparação, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas aumentaram 68,6% e 61,5%, respectivamente. Por outro lado, as falências decretadas registraram queda de 3,3% na variação mensal.

Na análise acumulada em 12 meses, os pedidos de recuperação judicial apresentaram alta de 3,7%, assim como as recuperações judiciais deferidas (2,4%). No sentido contrário, os pedidos de falência caíram 25% e as falências decretadas 21,6%, mantida a base de comparação... Leia mais em boavistaservicos  04/06/2020





Fusões e alianças para superar a crise

No Brasil, os pequenos negócios representam mais de 90% do ambiente empresarial, empregam cerca de 50% dos trabalhadores com carteira assinada e representam mais de 27% do PIB do País. Caso sejam adicionados os números da informalidade, esses dados chegam a índices impressionantes, os quais comprovam a importância dessas empresas para o Brasil. Em contrapartida, as pequenas empresas são as que mais estão sofrendo com os efeitos decorrentes da crise instaurada pela pandemia do coronavírus, uma vez que muitas não têm recursos financeiros para suportar o período de lockdown e os seus acessos a créditos são restritos e onerosos.

Somado a isso, grande parte dessas empresas iniciaram e mantém os seus negócios sem apoio jurídico, negocial, econômico e contábil, o que acontece por falta de recursos ou compreensão histórica de que alguns desses serviços são reativos e só necessários quando da existência de um contratempo. Dessa forma, o enfrentamento estratégico de crises é quase nulo nesse ambiente, e, no momento atual, o pensamento de 99% desses empresários é: vender, renegociar e manter o fluxo de caixa.

Contudo, além dessas alternativas, há maneiras estratégicas e negociais que podem ajudar as empresas e, talvez, até tornar o negócio mais robusto, com menos custos e mais serviços ou produtos. Ou seja, muitas empresas, pela essência de seus setores, têm sinergias entre si - mesmo que não atuem em conjunto. A conexão dessas ocorre por causa dos consumidores, local, fornecedores, tipos de matéria-prima consumida, maquinário entre outras questões empresariais que fazem sentido para ambas.

Dessa forma, com a intenção de maximizar resultados, a união de esforços, seja através de uma aliança estratégica contratual temporária, fusão das empresas, venda ou compartilhamento de ambientes e colaboradores com o objetivo de reduzir custos, melhorar negociações, aprimorar tecnologias e alcance dos negócios pode ser a solução mais eficiente, lógica e atrativa para essas empresas, pois as tornará mais fortes.

Assim, é importante que os empresários compreendam que, além de renegociar e focar no caixa, existem estratégias negociais e societárias que podem trazer oportunidades muito interessantes para as empresas e até possibilitar a criação de um projeto mais robusto, eficiente e rentável. Renan Boccacio Leia mais em jornaldocomercio 04/06/2020




Via Varejo: Conselho aprova oferta de ações que pode movimentar até R$ 4 bilhões

O Conselho de Administração da Via Varejo aprovou em reunião realizada nesta quarta-feira, 3 de junho, a realização de uma oferta pública de ações ordinárias, em distribuição primária com esforços restritos. Inicialmente serão oferecidas 220.000.000 ações ON, com a possibilidade de emissão de um lote adicional de até 35%, ou seja, mais 77.000.000 ações.

Baseado no valor de fechamento de quarta-feira, em R$ 13,48, a operação pode movimentar cerca de R$ 2,965 bilhões apenas com o lote principal, e R$ 4,003 bilhões, com o exercício do lote adicional. A oferta será coordenada pelo Bradesco BBI (coordenador líder), BTG Pactual, BB Investimento, Bank of America Merrill Lynch, Santander Brasil, Safra e XP Investimentos.

Os recursos da oferta serão destinados para investimentos em tecnologia e logística, inovação e desenvolvimento, bem com para otimização da estrutura de capital da companhia, incluindo reforço de capital de giro.

O período de reserva, conforme fato relevante divulgado pela empresa, termina em 10 de junho e as ações começam a ser negociadas na B3 em 17 de junho. Estadão Conteúdo Leia mais em istoedinheiro 04/06/2020



03 junho 2020

Fusões e Aquisições - destaques da semana 25 a 31/mai/2020

Divulgadas 38  operações de Fusões e Aquisições com destaque pela imprensa na semana de 25 a 31/mai/2020.  Envolvem direta ou indiretamente empresas brasileiras de 11 setores e um investimento da ordem de R$ 2,3 bilhões.

Covid-19 - Foco da semana: Mesmo nos países desenvolvidos, a expectativa é por uma recuperação mais lenta do que inicialmente imaginado, com a probabilidade de uma reação em “U” — com o freio por mais tempo— ganhando força em relação a uma volta mais rápida, em “V”. (i) PIB do 2º tri será ainda pior, prevê Secretaria de Politica Econômica. O I IBGE informa que a economia teve um recuo de 1,5% no primeiro trimestre, já com efeito parcial da paralisação das atividades a partir da segunda quinzena de março, devido à pandemia de covid-19. O resultado econômico da atividade no segundo trimestre será ainda pior. Passada a pandemia, o país terá que enfrentar quatro grandes desafios: o desemprego, o aumento da pobreza, o grande número de falências e a necessidade de um mercado de crédito mais eficiente. (ii) O Brasil vai ser um dos países mais impactados, tanto pela queda do PIB, como pelo tamanho do déficit fiscal e da relação dívida/PIB, uma vez que o país está passando por três crises: da saúde, da economia e da política, e não resolveu nenhuma delas. Esses fatores explicam por que performa tão mal no ano, caindo mais do que qualquer outro emergente.” De fato, o real segue isolado com o pior desempenho dentre as moedas mais negociadas do mundo, com desvalorização de 25%. Este quadro todo gera incertezas grandes que tendem a diminuir o apelo do Brasil junto ao investidor estrangeiro até que haja uma clareza maior dos rumos do país. (iii) Coronavírus força reinvenção no mercado de M&A - A pandemia da covid-19 arrebatou a economia mundial e agora força transformações radicais e profundas em diversos setores.  Buscar alternativas, reestruturar-se e planejar a recuperação dos negócios é fundamental – e é preciso fazer isto agora. Preparação é fundamental para se fortalecer e sair vitorioso desta fase. Processos de Fusões e Aquisições (M&A) são uma alternativa para sobreviver.  (iv) No Brasil, a Centauro é a primeira empresa a anunciar uma oferta de ações em meio à pandemia do coronavírus. (v) Queda drástica no volume de fusões e aquisições no Velho Continente segundo a Associação para os Mercados Financeiros da Europa (AFME). As avaliações entraram em colapso. No primeiro trimestre, o preço múltiplo sobre o ebitda caiu para 8,8 vezes e esse é o valor mais baixo desde a baixa na Europa durante a crise financeira. Em foi  8,5 vezes em 2012. As avaliações pagas em operações de capital de risco na Europa caíram para 10,7 vezes o EBITDA neste ano até agora, de 12 vezes em 2019. "Ninguém está disposto a vender a preços atuais, a menos que haja urgência", dizem fontes, que esperam que a contração nas fusões e aquisições persista por um tempo.

ANÁLISE DA SEMANA

Principais transações





NEGÓCIOS DA SEMANA

"Market Movers" - Brasil

  • Centauro faz oferta de ações para captar até R$ 928,8 milhões - Recursos serão usados para execução de estratégia de crescimento e expansão de negócios O conselho de administração do grupo SBF, dono da Centauro, aprovou uma oferta pública de distribuição primária de ações com esforços restritos, ou seja, exclusiva a investidores qualificados. Serão ofertadas 25 milhões de ações ordinárias, que podem ser acrescidas em até 8,75 milhões. Considerando o valor de R$ 27,52, pelo qual o ativo foi negociado no fechamento do pregão de ontem, a captação da empresa pode chegar a R$ 928,8 milhões. 26/05/2020

"Market Movers” - Exterior

  • JDE Peet's levanta US$ 2,5 bilhões no maior IPO da Europa - Companhia é dona de marcas como Peet's Coffee e as brasileiras Café do Ponto e Pilão. A JDE Peet´s levantou 2,25 bilhões de euros (US$ 2,5 bilhões) em uma das maiores ofertas públicas iniciais até o momento neste ano e a maior da Europa. D ona de marcas como a Peet´s Coffee e as brasileiras Café do Ponto e Pilão, a companhia, controlada pela JAB Holding, foi avaliada em 15,6 bilhões de euros (US$ 17,3 bilhões).  31/05/2020
  • Sanofi vai vender participação na Regeneron por US$ 11,7 bilhões - A francesa detém participação de 20,6% do capital social da companhia. A Sanofi conseguirá até US$ 11,7 bilhões com a venda da quase totalidade de sua participação na farmacêutica americana de biotecnologia Regeneron. A francesa detém participação de 20,6% do capital social da companhia... 27/05/2020
  • GE vende divisão de lâmpadas por cerca de US$ 250 milhões - Unidade de lâmpadas definiu a companhia por quase um século. A General Electric (GE) está deixando o mercado de fabricação de lâmpadas, vendendo a unidade que definiu a companhia por quase um século, mas que se tornou um dos últimos produtos voltados ao consumidor final produzidos por ela.   Savant Systems compra GE Lighting. .. 27/05/2020

HUMORES & RUMORES

M & A - VENDA

  • Eletrobras quer vender participações da Eletropar quando mercado melhorar - A retirada da Eletropar do Plano Nacional de Desestatização (PND) por decreto no mês passado tem por objetivo agilizar a venda das participações da empresa, e não utilizar a companhia para reter os ativos que não serão vendidos na capitalização da Eletrobras, esclareceu nesta sexta-feira, 29, o presidente da estatal, Wilson Ferreira Jr. “Até avaliamos essa alternativa (de usar a Eletropar para ficar com Itaipu e Eletronuclear), mas foi uma especulação do mercado. O decreto não tem nada a ver com isso, foi feito para agilizar a venda das participações”, disse Ferreira Jr. em coletiva por teleconferência com jornalistas para comentar o balanço do primeiro trimestre da empresa. Itaipu não poderá entrar na conta da capitalização por ser uma empresa binacional e a Eletronuclear por questão se segurança nacional.. A Eletropar tem participações na EDP Energias do Brasil (0,31%), Light (0,31%), CTEE (0,60%), Emae (1,4%) e Eletronet (49%). Uma participação na Eletropaulo já havia sido vendida em 2018 e na CPFL em 2017. “A saída do PND dá mais velocidade à razão de ser da companhia, que é de compra e venda de participações”, afirmou Ferreira Jr.  29/05/2020
  • Embraer atrai interesse estrangeiro depois da venda da Boeing - Fabricantes de aeronaves estão circulando no Brasil Embraer (BOV:EMBR3) após a Boeing (BOV:BA)) ditched para a aviação comercial histórico tie-up, pessoas familiarizadas com o assunto disse. A Boeing interrompeu os planos de comprar 80% da unidade comercial da Embraer em abril, encerrando uma mudança planejada para jatos regionais que espelhavam a compra da rival Airbus em 2018 de um modelo concorrente desenvolvido pela Bombardier do Canadá. O fabricante de aviões COMAC estatal da China manifestou interesse informal em cooperação com o terceiro maior fabricante de jatos do mundo, disseram duas pessoas. O fabricante russo de aeronaves Irkut também explorou a questão, disseram outros dois, apesar de a empresa negar qualquer interesse atual. A Índia, outra potência aeroespacial em ascensão focada principalmente na defesa, mas com um enorme mercado civil, transmitiu informalmente interesse ao nível do governo enquanto ainda estudava o assunto, disseram fontes. 29/05/2020
  • Estamos contratando estudos para privatização dos correios, diz secretário - Governo não abandonou seus planos de concessões e privatizações, disse o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys. O. momento não é adequado para a venda de empresas, mas o governo não abandonou seus planos de concessões e privatizações, disse nesta terça-feira, 26, o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys.27/05/2020
  • Vale (VALE3) negocia venda de sua participação na Vale Nova Caledônia - A Vale (VAEL3) informou nesta segunda-feira (22) que sua subsidiária, Vale Canada, celebrou exclusividade com a australiana New Century para negociar a venda de sua participação na empresa Vale Nouvelle-Calédonie, a Vale Nova Caledônia. “As negociações incluem um pacote financeiro com o objetivo de apoiar a continuidade das operações da New Century e a transição para a Nova Caledônia. As partes planejam também o engajamento conjunto com o Estado francês buscando assegurar a continuidade do suporte por meio de financiamento”, explica a Vale em nota. 25/05/2020
  • Ministro da Infraestrutura aposta no sucesso na venda de aeroportos - Venda de 43 terminais não será a afetada pela pandemia, disse. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse hoje (25) que aposta no sucesso do programa de concessões de aeroportos públicos à iniciativa privada. Para o ministro, o projeto de transferir os 43 terminais hoje administrados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) à iniciativa privada não será afetada pelas consequências econômicas da pandemia da covid-19. Ofertas A previsão é ofertar, na sexta rodada, 22 aeroportos agrupados em três blocos regionais com as configurações • Bloco Sul: aeroportos de Curitiba; Foz do Iguaçu (PR); Londrina (PR); Bacacheri (PR); Navegantes (SC); Joinville (SC); Pelotas (RS); Uruguaiana (RS) e Bagé/RS.  • Bloco Central: aeroportos de Goiânia; Palmas (TO); Teresina (PI); Petrolina (PE); São Luís (MA) e Imperatriz (MA).  • Bloco Norte: aeroportos de Manaus; Tabatinga (AM); Tefé (AM); Rio Branco e Cruzeiro do Sul (AC); Porto Velho e Boa Vista. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), antes da crise causada pela pandemia, esses terminais respondiam pela movimentação de 11% de usuários de transporte aéreo. Em 2019, foram 23,9 milhões de embarques e desembarques. 25/05/2020

M & A  - COMPRA

  • Entre gigantes ‘high tech’, febre é por aquisições - Neste ano, Alphabet, Amazon, Facebook, Microsoft e Apple anunciaram 19 acordos de compra. Em março, o Facebook anunciou acordo de US$ 5,7 bilhões para adquirir participação na tele indiana Reliance Jio. As grandes empresas de tecnologia estão buscando acordos em seu ritmo mais rápido em anos, acumulando aquisições e investimentos estratégicos, apesar do crescente escrutínio regulatório durante as turbulências de mercado causadas pela covid-19. Alphabet, Amazon, Apple, Facebook e Microsoft anunciaram 19 negócios este ano, segundo a empresa de informações financeiras Refinitiv, o que representa o ritmo mais acelerado de aquisições até a data do levantamento, 26 de maio, desde 2015. A onda de acordos também representa maior consolidação do poder das “Big Techs” em meio à crise da covid-19. Esse grupo tenta tirar vantagem de seu valor de mercado recorde e ressurgir como competidores dominantes em setores emergentes. Analistas preveem um aumento das fusões e aquisições tecnológicas devido ao incentivo representado pelos cofres cheios das cinco maiores empresas de tecnologia. Juntas, essas empresas tinham mais de US$ 560 bilhões em caixa e títulos negociáveis no fim do primeiro trimestre, segundo registros públicos. Consultores de fusões e aquisições afirmam que as grandes empresas de tecnologia poderão tentar consolidar áreas como a da computação na nuvem.  “Os compradores não veem motivos de pressa para fazer grandes negócios. Esses grandes acordos transformacionais exigem confiança dos executivos de cúpula e visibilidade de cenário. E considerando a recente recuperação rápida dos mercados de tecnologia, a maioria deles não está barata”, 29/05/2020

PRIVATE EQUITY & VENTURE CAPITAL

  • Arco Capital quer comprar empresas de Brasília - Apresentando como meta principal a busca por empresas nas áreas de saúde, tecnologia e logística, ambas com mercados promissores. A Arco Capital Investimentos está com foco em adquirir PME (pequenas e médias empresas) em pleno crescimento em Brasília. Apresentando como meta principal a busca por empresas nas áreas de saúde, tecnologia e logística, ambas com mercados promissores. A empresa do segmento de search fund é a única do país com foco na capital federal. Dentre os critérios para a aquisição de empresas interessadas, é necessário um faturamento anual de R$ 20 mi a R$ 100 mi, além de uma condição financeira saudável.27/05/2020
OFERTA DE AÇÕES
  • Ibovespa tem melhor maio desde 2009 com maior liquidez nos mercados, correção e alívio após fala de Trump -  O Ibovespa fechou em alta nesta sexta-feira (29), encerrando uma semana bastante positiva, com ganho acumulado de 6,36%. Assim, o principal índice da Bolsa brasileira fechou o mês de maio no azul, contrariando o ditado “sell in may and go away”, com um avanço de 8,57%, o maior para um mês de maio desde 2009, quando o índice subiu 12,49%, segundo levantamento da consultoria Economatica. Já o dólar comercial caiu 4,19% na semana e 1,79% no mês. Segundo Bruce Barbosa, analista da Nord Research, o dólar já tinha subido demais com uma busca de proteção pelos investidores. Analistas apontam como os principais drivers do otimismo na Bolsa em maio a correção da queda de 45% do principal índice da B3 do topo de 12 de fevereiro ao ponto mais baixo deste ano em 23 de março, dia em que o Ibovespa fechou cotado em 63.569 pontos..29/05/2020
  • Ambipar Pede Retomada De Análise De Oferta De Ações Na CVM - A Ambipar apresentou um pedido à CVM para a retomada de análise de oferta de ações no dia 20 de maio. A companhia trabalha na gestão ambiental para empresas, cuidando de resíduos e logística. O protocolo de oferta primária e secundária de ações ON foi realizado em fevereiro.A empresa pretende investir o dinheiro em 37 novas bases operacionais no Brasil nos próximos três anos.26/05/2020
  • FT: Empresas fazem fila para IPO nos EUA - Uma explosão de listagens no mercado de ações dos Estados Unidos é esperada para os próximos meses, depois que a covid-19 forçou a paralisação das ofertas. Nas duas últimas semanas, seis empresas encaminharam às autoridades planos de abertura de capital nos EUA, superando todos os pedidos de abril, segundo dados da empresa de informações financeiras Refinitiv. A lista inclui a concessionária on-line de automóveis Vroom e a fintech Shift4 Payments, e algumas outras grandes empresas poderão se juntar a elas em breve. 25/05/2020
  • A crise chegou, o IPO não saiu, mas o apetite digital do BV continua grande - Em entrevista ao NeoFeed, Gabriel Ferreira, o CEO do BV, fala sobre o cancelamento do IPO por conta do coronavírus, analisa o mercado, como está se preparando para a inadimplência e afirma que enxerga oportunidades para investir em startups com modelo de negócio comprovado. O executivo Gabriel Ferreira, 43 anos, tinha sido alçado ao posto de CEO do Banco Votorantim, em setembro do ano passado, com a missão de preparar a instituição financeira para os novos tempos e para uma abertura de capital. Mas a Covid-19 chegou, paralisou o mercado e, a duas semanas da listagem, o IPO foi cancelado. “Tenho brincado que, no meu caso específico, são seis anos em seis meses”, diz Ferreira ao NeoFeed sobre o tempo em que está à frente do BV. 25/05/2020
  • Albuquerque: IPO minoritário de projeto em infraestrutura por ente público é erro - O chefe do Departamento de Estruturação de Parcerias do BNDES, Guilherme Albuquerque, defendeu ser um erro a decisão de Estados e municípios de fazer abertura de capital de projetos de infraestrutura, como os da área de saneamento, sem abrir mão do controle das companhias. “IPO minoritário é um erro. Do ponto de vista de quem optou seguir nesse modelo, agora tem desculpa, diz que fracassou por causa do coronavírus”, afirmou. Albuquerque explicou que o mercado não tem recursos para entrar nesses projetos dada a insegurança de ser sócio de uma companhia pública, com diversas amarraas e sem poder para fazer mudanças. Quando eles entram, escolhe pagar pouco pelos projetos.25/05/2020

M&A - COVID-19 principais destaques

  • PIB do 2º tri será ainda pior, prevê Secretaria de Politica Econômica - Para os técnicos do Ministério da Economia, resultado do primeiro trimestre coloca fim à recuperação em curso desde 2017 Em nota informativa sobre o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia avalia que o resultado da atividade econômica será ainda pior no segundo trimestre. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou hoje que a economia teve um recuo de 1,5% no primeiro trimestre, já com efeito parcial da paralisação das atividades a partir da segunda quinzena de março, devido à pandemia de covid-19. “Os efeitos danosos sobre a saúde da população brasileira e da nossa economia ainda persistem. Dessa forma, o resultado econômico da atividade no segundo trimestre será ainda pior”, acrescenta. “Passada a pandemia, o país terá que enfrentar quatro grandes desafios: o desemprego, o aumento da pobreza, o grande número de falências e a necessidade de um mercado de crédito mais eficiente. Dessa forma, se faz premente a continuidade das reformas estruturais findo esse período”, destaca. Para tentar amenizar esses efeitos, a SPE defende que as reformas estruturais continuem através de uma legislação mais moderna de emprego, com o fortalecimento das políticas sociais , com o aprimoramento da legislação de falências e a modernização e desburocratização do mercado de crédito, de capitais e de garantias. O documento destaca que a agenda pós-pandemia precisa, além de garantir a manutenção do pilar macrofiscal da economia brasileira, endereçar os seguintes pontos: fortalecer o arcabouço de proteção social transferindo recursos de programas ineficientes para programas sociais de comprovada eficiência no combate à pobreza; melhorar a eficiência das políticas de emprego; aprimorar a legislação de falências; fortalecer e desburocratizar o mercado de crédito, de capitais e de garantias; aprovar o novo marco regulatório do setor de saneamento básico; aprovar o novo marco regulatório do setor de gás; abertura comercial; privatizações e concessões; reforma tributária; além da agenda de reforma pró-mercado.  29/05/2020
  • Maior parte das ofertas de ações ‘pré-covid’ aceitam prazo extra da CVM - A maior parte das companhias que estavam na fila para registro de ofertas públicas de ações pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no período pré-coronavírus pegou carona na ampliação extraordinária do prazo máximo de interrupção da análise desse registro, diante da pandemia da covid-19. Ofertas interrompidas. Das 27 aberturas de capital que estavam em análise na Superintendência de Registro (SRE) da autarquia, 23 pediram interrupção. Na lista, estão operações de companhias como Caixa Seguridade, em oferta secundária, Track&Field, BBM Logística e Pet Center, que fariam captações primárias para bancar investimentos. Ofertas canceladas Duas empresas cancelaram/desistiram da operação: Banco Votorantim e Banco Daycoval. Mantiveram ... 26/05/2020
  • Estrangeiro revela desconfiança com retomada do mercado local - O mercado brasileiro voltou a aproveitar o bom humor nas praças internacionais para reduzir as perdas que acumula ao longo dos últimos meses, com destaque para o real. Em um movimento respaldado pela animação dos investidores com a reabertura de algumas economias pelo mundo e notícias sobre novos tratamentos da covid-19, o dólar teve mais um dia de forte queda contra o real.Porém, entre os investidores estrangeiros, o sentimento negativo com o Brasil é unânime e já sacou R$ 77 bilhões da bolsa no ano. Foi essa a percepção que Fernando Ferreira, estrategista-chefe de pesquisa da XP Investimentos, colheu numa rodada de conversas com gestores de fundos globais ou dedicados a emergentes e à América Latina. Para Ferreira, já tem muita piora embutida nos preços. Como pano de fundo está a percepção de que com tanto ruído e sem coordenação apropriada para conter a covid-19, o Brasil pode ficar para trás na recuperação econômica pós-pandemia, além de sair da crise da saúde fiscalmente mais frágil. “O Brasil vai ser um dos países mais impactados, tanto pela queda do PIB, como pelo tamanho do déficit fiscal e da relação dívida/PIB”, afirma Ferreira. “O país está passando por três crises: da saúde, da economia e da política, e não resolveu nenhuma delas. Esses fatores explicam por que performa tão mal no ano, caindo mais do que qualquer outro emergente.” De fato, o real segue isolado com o pior desempenho dentre as moedas mais negociadas do mundo, com desvalorização de 25%. “Este quadro todo gera incertezas grandes que tendem a diminuir o apelo do Brasil junto ao investidor estrangeiro até que haja uma clareza maior dos rumos do país.” 27/05/2020
  • Coronavírus força reinvenção no mercado de M&A - A pandemia da covid-19 arrebatou a economia mundial e agora força transformações radicais e profundas em diversos setores. O setor de varejo, por exemplo, está vendo a ascensão do e-commerce em detrimento das lojas físicas; o aéreo se viu obrigado a pedir socorro ao Estado e o turismo começou a tomar linhas de crédito dia sim dia também. Bens de consumo, cada vez mais, aderem ao delivery. Buscar alternativas, reestruturar-se e planejar a recuperação dos negócios é fundamental – e é preciso fazer isto agora. Preparação é fundamental para se fortalecer e sair vitorioso desta fase. Processos de Fusões e Aquisições (M&A) são uma alternativa para sobreviver. Na esteira da atividade do país dos últimos meses de 2019, o ano de 2020 começou positivo e cercado de otimismo  para crescimento da atividade econômica, investimentos e operações de M&A. Até 2018, atividades de M&A no Brasil tinham um patamar histórico de cerca de 750 transações ao ano, saltando para 1.050 em 2019 e a expectativa era de atingir 1.350 transações em 2020. No contexto do coronavírus, a realidade ... 27/05/2020

RELAÇÃO DAS TRANSAÇÕES

  • Cortex, empresa de dados, recebe aporte de R$ 120 milhões liderado pelo Softbank - A Cortex, empresa de dados, recebeu um aporte de R$ 120 milhões em recursos liderados pelo conglomerado japonês Softbank, a gestora Redpoint eventures e a Endeavor Catalyst, informou a empresa em comunicado à imprensa. A empresa desenvolveu uma plataforma voltada a marketing e vendas que usa dados de mercado e informações internas de clientes, gerando, segundo eles, previsões e recomendações para a tomada de decisão. Segundo a Cortex, a plataforma atende clientes como Unilever, Fiat Chrysler, L'Oreal, Roche, Carrefour, Visa e Claro. "Com esse novo investimento, seremos mais fortes para continuar crescendo e buscando nosso objetivo de disseminar a cultura analítica no país por meio de nossas soluções de inteligência de dados", afirmou Pires, 01/06/2020
  • XP compra controle de hospital de olhos CBV via fundo de private equity - O fundo de private equity gerido pela plataforma digital de investimentos XP Inc. adquiriu o controle no hospital de olhos CBV por R$ 200 milhões, disseram os executivos da XP nesta segunda-feira (1). A XP planeja usar o CBV como uma plataforma de consolidação em um setor bastante pulverizado no Brasil, com 5.000 clínicas em todo o país e com receitas anuais em torno de 8 bilhões de reais, disse Chu Kong, sócio da XP, em entrevista à Reuters. O acordo é o mais recente sinal de consolidação no fragmentado setor de saúde brasileiro, seguindo uma tendência observada anteriormente em laboratórios, hospitais e clínicas oncológicas. "Clínicas oftalmológicas e hospitais são um negócio atraente porque o tratamento oftalmológico ainda tem uma penetração baixa no Brasil e também porque é um tratamento que permeia todas as fases da vida", disse Kong, que não especificou o tamanho da participação da XP na empresa.  O CBV, com sede em Brasília, é a primeira aquisição do recém-lançado fundo de private equity da XP, que levantou R$ 1,3 bilhão com mais de 5 mil investidores em fevereiro para investir em empresas de médio porte.  01/06/2020
  • Grupo Mafra adquire Grupo Byogene - Grupo Mafra adquire 100% das participações do Grupo Byogene. A Byogene, é uma das maiores distribuidoras de produtos na área de medicina diagnóstica do Brasil e hoje é maior distribuidora da Roche Diagnóstica no Brasil. Se destaca nas áreas de bioquímica, hematologia, imunologia, alergia, biologia molecular e coleta.O Grupo Mafra é composto pela Distribuidora Mafra Hospitalar, Operador Logístico HealthLog, Tecnocold Vacinas e Cremer. Grupo Mafra adquire Biogenetix - Gupo Mafra adquire 100% das participações da empresa Biogenetix.  é uma das maiores distribuidoras de produtos na área de medicina diagnóstica do Estado de São Paulo, e a 3º maior distribuidora da Roche Diagnóstica do Brasil Grupo Mafra adquire Vitalab- O Grupo Mafra 100% das participações da empresa Vitalab . A Vitalab, se destaca nas áreas de bioquímica, hematologia, imunologia, alergia, biologia molecular e coleta.16/03/2020
  • Startup que centraliza vida bancária das PMEs capta novo investimento - Celero recebeu aporte do Honey Island, fundo de investimentos criado pelos fundadores do unicórnio de pagamentos Ebanx. Fintech já atende 500 pequenas e médias empresas. O Brasil tem 20 milhões de empreendimentos, 70% deles pequenas empresas. Um desafio é comum para todos: fazer a gestão financeira. Durante a pandemia, que provocou o fechamento temporário de muitos estabelecimentos, administrar as contas ficou ainda mais difícil. Enquanto isso, uma fintech aumenta seu volume de vendas em 15% a 20% mensalmente. A Celero ajuda pequenas e médias empresas a fazer sua gestão financeira, centralizando a vida bancária desses negócios. O valor do aporte não foi revelado, mas a fintech foi avaliada em R$ 10 milhões. 01/06/2020
  • Canadense Valterra adquire projeto de ouro Lima, no Mato Grosso - A canadense Valterra Resource Corporation anunciou a aquisição do projeto de ouro Lima, no Mato Grosso, pelo equivalente a US$ 1,94 milhão. Em comunicado, a empresa do Manex Resource Group informou que vai emitir ações para captação de US$ 2,9 milhões destinados ao negócio.Lima é uma propriedade de 172 ha em Poconé.  01/06/2020
  • Logcomex recebe investimento de R$3 milhões, liderado pela Invest Tech - A Logtech de inteligência para comércio exterior pretende usar o aporte para duplicar o quadro de funcionários e investir em tecnologia. A LogComex, startup especializada em inteligência de importação e exportação, recebeu investimento de R$3 milhões dos fundos de Venture Capital Invest Tech e Caravela Capital, no mês de abril. A startup oferece uma plataforma de inteligência para empresas que atuam no comércio exterior. Seus clientes são portos, aeroportos, terminais, agentes de carga, transportadoras, importadores, exportadores, entre outros. 28/05/2020
  • SourceLevel levanta US$ 45 mil - Startup já investida pela Liga Ventures recebeu o valor da Poli Angels. A SourceLevel, focada em automatização do processo de revisão de código para desenvolvedores e equipes de TI, recebeu um aporte de US$ 45 mil da Poli Angels, composta predominantemente por alunos e ex-alunos da Escola Politécnica da USP. Fundada em 2019, a startup está incorporada nos Estados Unidos e já havia recebido um aporte de valor não revelado da aceleradora Liga Ventures e de outros executivos individuais. A empresa é uma spin-off da Plataformatec, empresa de José Valim, criador da linguagem de programação Elixir. George Guimarães, CEO da SourceLevel, também é cofundador da Plataformatec.“A SourceLevel foi escolhida por apresentar uma solução em SaaS, altamente escalável e que atende duas dores que toda empresa e/ou time de desenvolvimento tem, que é a qualidade do software e a produtividade do time de desenvolvedores, já que são profissionais valiosos e escassos”, ressalta Claudio Cohen, cofundador da Poli Angels.01/06/2020
  • Startups anunciam fusão e criam plataforma brasileira de gestão da experiência do consumidor com reputação online  - Startups da Região Sul  anunciam fusão para criar a primeira plataforma brasileira de gestão da experiência do consumidor com reputação online. A Harmo surge da união da catarinense Reviewr e da gaúcha Gorila. A companhia nasce com 60 clientes e pretende alcançar 200 até o final de 2021. A nova companhia, batizada de Harmo Feedback Intelligence, irá unificar as soluções das startups, dando origem à primeira plataforma do Brasil que permite que negócios de médio e grande porte possam gerir a experiência do consumidor e medir sua reputação online.   As duas empresas, até então, já captaram mais de R$ 1,3 milhão em investimentos, sendo que a operação de fusão foi acompanhada por investidores da Hi Partners - que aporta capital e inteligência em startups e negócios focados no novo varejo e nas retail techs. Até final de 2021 estima alcançar um faturamento anual de R$ 2 milhões e  que suas soluções alcancem mais de 200 empresas, de médio a grande porte.  01/06/2020
  • BrasilAgro vende área de 105 hectares úteis da Fazenda Alto Taquari por R$ 11 milhões -Adquirida pela companhia em 2007, a fazenda já teve duas vendas antes, uma de 103 hectares em novembro de 2018 e outra de 85 hectares em outubro de 2019 (Imagem: Divulgação/BrasilAgro). A BrasilAgro (AGRO3) anunciou nesta segunda-feira (1°) a venda de uma área de 105 hectares úteis da Fazenda Alto Taquari, localizada no Município de Alto Taquari (MT), no valor de 1.100 sacas de soja por hectare útil – ou R$ 11 milhões. O comprador já pagou 22 mil sacas de soja, totalizando R$ 1,7 milhão. O saldo remanescente será quitado em cinco parcelas anuais. Adquirida pela companhia em 2007, a fazenda já teve duas vendas antes, uma de 103 hectares em novembro de 2018 e outra de 85 hectares em outubro de 2019. Todas as operações foram pagas em valor de sacas de soja por hectare útil.01/06/2020 
  • Fundo vai transformar Hotel Glória em prédio residencial, diz jornal - O Opportunity Fundo de Investimento Imobiliário informou ontem ter fechado acordo para compra do prédio histórico do Hotel Glória, no Rio de Janeiro. Abandonado desde 2013, o imóvel é conhecido por ter abrigado o primeiro cinco estrelas do país, que hospedou 19 presidentes da República. Há mais de seis meses o grupo árabe Mubadala buscava investidores para o local.  O imóvel foi arrematado em 2008 pelo empresário Eike Batista. Sob a gestão do novo dono, o Glória vai virar edifício residencial e os primeiros desenhos do projeto deverão ser entregues à prefeitura e órgão de patrimônio nos próximos meses. 01/06/2020
  • Fundo de private equity IG4 compra dois hospitais em meio à pandemia - O fundo de private equity IG4 comprou por meio de sua recentemente criada empresa de saúde OPY Health, dois hospitais por 200 milhões de reais em meio à pandemia de coronavirus, segundo fontes com conhecimento do assunto. A última compra, do hospital Delphina Rinaldi Abdel Aziz, foi fechada na sexta-feira. O hospital Metropolitano, em Belo Horizonte, foi comprado pela OPY em março. Ambos servem prioritariamente pacientes do sistema público de saúde, que não tem planos privados de saúde. O hospital de Manaus foi adquirido do grupo espanhol Abengoa SA , em recuperação judicial. O de Belo Horizonte pertencia ao conglomerado Andrade Gutierrez.. 30/05/2020
  • Vertex adquire participação na brasileira Systax e assume a liderança em automação fiscal no Brasil - A Vertex, americana líder mundial em automação fiscal adquiriu participação na Systax, empresa líder no segmento no Brasil. Com a aquisição, a Vertex assume a liderança em automação fiscal no Brasil, considerado o país mais complexo do mundo em regras fiscais. A Vertex é pioneira em automação fiscal no mundo com mais de 1.000 funcionários, atendendo 60% das empresas da lista Fortune 500 e aproximadamente 5.000 clientes globais com maior concentração nos EUA e Europa, no Brasil, a presença da gigante fiscal ainda era tímida. 30/05/2020
  • GPA conclui venda de cinco imóveis por R$ 190,5 milhões - TRX Gestora de Recursos pagou à vista quatro imóveis da bandeira Assaí e um da bandeira Pão de Açúcar. O Grupo Pão de Açúcar (GPA) informou que concluiu a venda de cinco imóveis para a TRX Gestora de Recursos, que pagou R$ 190,5 milhões à vista. ..29/05/2020
  • Seidor incorpora Exakta e passa a oferta soluções de HCM - Nesta quinta-feira, 28, a Seidor Brasil anuncia a consolidação de sua área de negócio voltada para oferta de soluções de Gestão de Capital Humano (HCM) com a Exakta, empresa de implementação do software de gestão SAP HCM com mais de 13 anos de atuação no mercado. Com o acordo, a Seidor Exakta passa a conduzir o negócio de venda e implementação da solução de recursos humanos baseado na nuvem SAP SucessFactors. A Exakta é uma das principais empresas provedoras de soluções para gestão de recursos humanos do mercado com o SAP SucessFactors. "Neste momento, a empresa busca não somente apoio financeiro para crescer, mas também capacidade tecnológica e ofertas para complementar nossas soluções", explica Ysse Herchani, diretor comercial da Exakta. A empresa conta hoje com uma carteira de 100 clientes e aproximadamente 40 funcionários experientes, que farão parte da Seidor Exakta. 28/05/2020
  • Meu Tudo capta R$ 12 milhões - Marketplace de crédito consignado recebeu investimento da Domo Invest e dos próprios sócios. Com a pandemia, startup saltou de 28 mil clientes para 97 mil. A Meu Tudo, startup cearense de crédito consignado on-line, recebeu um aporte de R$ 12 milhões em sua segunda rodada de investimentos, liderada pela Domo Invest, gestora de venture capital. Segundo o site NeoFeed, o valor inclui capital dos próprios sócios, além dos recursos da Domo. Anteriormente, a empresa já tinha captado R$ 3 milhões em 2017, seu ano de fundação.  29/05/2020
  • Antiga sede do Atacado Liderança é vendida e abrigará empresa de energia solar - O prédio era avaliado em R$ 44,66 milhões e foi arrematado por R$ 19,385 milhões. Há exatamente um ano foi decretada a falência do Atacado Liderança. Por coincidência, hoje (28) foi expedida a carta de arrematação que formaliza a venda do principal bem que a empresa tinha para pagar os credores: A sede da BR-277 foi leiloada por R$ 19,385 milhões para DFR Administradora de Bens Ltda, empresa que tem a Ilumisol Energia Solar Eireli no quadro societário. O prédio era avaliado em R$ 44,664 milhões e foram várias tentativas de leilão sem atrair interessados. Na última tentativa o imóvel foi oferecido por 40% do valor de avaliação. A proposta da Ilumisol foi R$ 263,22 acima desse lance mínimo. A empresa que arrematou o imóvel pagou 25% de entrada (R$ 4,846 milhões) e o restante será quitado em 30 parcelas mensais consecutivas de R$ 484,625. 26/05/2020
  • Atlantica Hotels anuncia aquisição da Vert Hotéis - A Atlantica Hotels aunciou a aquisição de 100% da Vert Hotéis, assumindo definitivamente a gestão dos 23 hotéis da rede mineira no Brasil. Com o negócio, a Atlantica passa a deter um portfólio de 22 marcas, mais de 130 hotéis em operação e 23 mil quartos no Brasil. O valor do negócio não foi divulgado. “Esta aquisição é, sem dúvida, um importante passo na história da Atlantica Hotels no País, renovando nossos votos de confiança no turismo brasileiro, onde somos líderes e pioneiros desde a nossa fundação, há mais de 20 anos. Além disso, consolida ainda mais a nossa condição de maior rede hoteleira multimarcas da América Latina, com hotéis que são referências em seus destinos e uma oferta muito consistente de bandeiras em todos os segmentos de mercado”, afirma Eduardo Giestas, presidente da Atlantica Hotels. 28/05/2020
  • Fintech recebe aporte de mais de US$5 milhões da Santander InnoVentures - A Santander InnoVentures, fundo de capital de risco do Grupo Santander, anunciou hoje um aporte na a55, uma fintech brasileira que oferece crédito a pequenas e médias empresas usando as receitas como garantia. A Santander InnoVentures já investiu em mais de 30 fintechs desde seu lançamento, há seis anos, e este é seu quarto aporte na América Latina. A a55 já havia levantado US$ 3 milhões em capital de pequenos investidores brasileiros e internacionais. A Santander InnoVentures está liderando essa nova rodada, com um investimento total de mais de US$ 5 milhões, vindos de diversos investidores. 28/05/2020
  • Redpoint e HDI Seguros investem US$ 6,5 milhões em startup Accountfy - A empresa de tecnologia é focada na digitalização da área financeira das empresas. A gestora Redpoint eventures e a HDI Seguros investiram US$ 6,5 milhões na startup Accountfy, focada na digitalização da área financeira das empresas. Com o aporte, a empresa deve acelerar a expansão internacional e diversificar os serviços de sua plataforma, incluindo produtos financeiros.28/05/2020
  • Stone compra Vitta e entra no mercado de saúde - A empresa de meios de pagamento Stone anunciou nesta terça-feira em sua divulgação de resultados a aquisição da startup de saúde Vitta. Com 160 funcionários e sede em São Paulo, a Vitta faz gestão de planos de saúde corporativos, além de oferecer planos próprios em parceria com seguradoras com foco no público empreendedor...  26/05/2020 
  • Marfrig cria PlantPlus Foods, joint venture com ADM, para fabricar produtos de base vegetal - A Marfrig anunciou a criação da joint venture PlantPlus Foods com a ADM Archer-Daniels-Midland Company, para fabricação e venda de carne e outros produtos com base vegetal nas Américas do Sul e do Norte. A Marfrig terá 70% da nova companhia e a ADM deterá 30%. A Marfrig será responsável pela produção, venda e distribuição da PlantPlus Foods, utilizando suas instalações em Várzea Grande, estado do Mato Grosso, e em Ohio, nos Estados Unidos. A ADM fornecerá conhecimento técnico, desenvolvimento de aplicação e uma gama de ingredientes de base vegetal a partir do seu complexo especial de proteína em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, bem como sua rede de unidades de proteína localizadas nos EUA, incluindo sua nova fábrica de proteína de ervilha em Enderlin, no estado de North Dakota. 26/05/2020
  • Francesa EDF tem aval para compra de projetos eólicos no Nordeste do Brasil - O acordo prevê que os franceses irão comprar projetos para os quais a EDF fechará contratos de venda da produção no mercado livre de eletricidade. A elétrica francesa EDF recebeu aval do órgão brasileiro de defesa da concorrência para transação que envolve a compra de direitos sobre um projeto de geração eólica na Paraíba, em negócio fechado com a local PEC Energia, do grupo Engeform. Os parques eólicos envolvidos no negócio ficam nos municípios paraibanos de Junco do Seridó, Santa Luzia, São Mamede, Salgadinho e Assunção. 27/05/2020
  • Gabriel Jesus vira sócio de Ronaldo Fenômeno em empresa de gestão financeira - “Abracei a oportunidade de me tornar sócio vendo, na minha própria rotina, o quão essencial é poder contar com todas essas linhas de serviço em um só lugar” Além do contrato de gestão de imagem com a Octagon Brasil – agência de marketing esportivo e entretenimento controlada pelo ex-centroavante -, assinou em 2018 com a R9 na gestão de seu patrimônio, finanças e família e agora, nesta semana, se tornou sócio da empresa. O serviço de gestão patrimonial e financeira, fundamental na carreira de um atleta, é o que oferece a R9 Family Office, que conta com escritórios no Rio de Janeiro e em São Paulo. No cargo de CEO está Viviane Leal, que trabalha com Ronaldo desde 2003 e, com ele, transformou seu escritório pessoal em modelo de negócio 27/05/2020
  • Centauro faz oferta de ações para captar até R$ 928,8 milhões - Recursos serão usados para execução de estratégia de crescimento e expansão de negócios O conselho de administração do grupo SBF, dono da Centauro, aprovou uma oferta pública de distribuição primária de ações com esforços restritos, ou seja, exclusiva a investidores qualificados. Serão ofertadas 25 milhões de ações ordinárias, que podem ser acrescidas em até 8,75 milhões. Considerando o valor de R$ 27,52, pelo qual o ativo foi negociado no fechamento do pregão de ontem, a captação da empresa pode chegar a R$ 928,8 milhões. 26/05/2020
  • “Nova Magazine Luiza”, Via Varejo compra fintech de criptomoedas - VVAR3 disparou na bolsa de valores, ganhando 15% na última segunda (25)!. A Via Varejo é, de acordo com alguns, a empresa candidata a nova Magazine Luiza, e anunciou a compra de uma fintech de criptomoedas para melhorar seu e-commerce. Na última segunda, as ações da empresa dispararam na B3, sendo o destaque de valorização na data. A Via Varejo é, de fato, dona das Casas Bahia, Bartira, Extra e PontoFrio, com pelo menos 50 mil funcionários no Brasil. Com sede em São Caetano do Sul, em São Paulo, muitos investidores acreditam no potencial da Via Varejo, que tem repercutido no preço de suas ações na bolsa, B3. Um anúncio que pode ter ajudado na valorização das ações da Via Varejo é o de compra de uma fintech. A AirToken, empresa fundada por um brasileiro com sede em Boston nos EUA, foi adquirida pela Via Varejo na última semana. O AirToken ainda não é listado em grandes corretoras e, por isso, aparece no CoinMarketCap como “Listagem não rastreada”. Isso pode significar que ainda não entrou em corretoras ou não tem grande volume de negociações, não sendo possível verificar seu preço de mercado e liquidez no momento da escrita desse.  26/05/2020
  • Dextra e CINQ Technologies anunciam fusão - Empresas agora passam a operar sob mesma marca Dextra e sob o guarda-chuva do grupo Mutant. A Dextra e CINQ Technologies anunciaram que irão atuar sob a mesma marca Dextra e que suas operações seguem agora sob o guarda-chuva do grupo Mutant, empresa especializada em soluções Customer Experience para plataformas digitais. A integração passa a valer já em junho próximo, informou a Dextra. Segundo a companhia, a fusão tem sido executada desde janeiro e prevê "inúmeras vantagens", como ampliação da capacidade de entrega, maior presença no mercado brasileiro e internacional. Pelas companhias terem culturas e ofertas semelhantes, além de carteira complementar de clientes, a união foi facilitada, diz a Dextra que adianta abertura de novo escritório no Rio de Janeiro. "A junção cria um time profissional tecnicamente poderoso, com quase mil pessoas distribuídas em escritórios em Campinas (SP), Curitiba (PR), São Paulo (SP), Ponta Grossa (PR), Florianópolis (SC) e Miami (EUA) – e, em breve, Rio de Janeiro (RJ)". 25/05/2020
  • AbbVie conclui processo de aquisição da Allergan - Portfólio robusto de produtos já consolidados no mercado e moléculas em pesquisa bem posicionadas para crescimento sustentado por longo prazo. A AbbVie (NYSE: ABBV), companhia biofarmacêutica global baseada em pesquisa, anunciou que concluiu processo de aquisição da Allergan PLC após a aprovação regulatória de todas as autoridades governamentais para o acordo de compra, incluindo a Suprema Corte da Irlanda, país de origem da Allergan. “Esta aquisição nos consolida como uma das principais companhias biofarmacêuticas no Brasil e reforça nossa liderança local em áreas terapêuticas-chave. A empresa combinada amplia nosso compromisso com os pacientes e a saúde dos brasileiros, por meio do desenvolvimento de novas opções de tratamento, investimento contínuo em educação médica e soluções para a sustentabilidade de nossos sistemas de saúde”, afirma Camilo Gomez, Vice-Presidente e Gerente Geral da AbbVie no Brasil… Allergan no Brasil. A empresa chegou ao Brasil em 1973, após a aquisição dos laboratórios LOK, especializado em produtos oftálmicos. A atual fábrica da Allergan em Guarulhos, veio após a aquisição, em 1995, da Frumtost, na época, empresa líder em unidades do mercado oftalmológico brasileiro. 26/05/2020
  • Mindminers recebe investimento milionário - BR Angels vai escolher startups mensalmente para aportes de até R$ 1,5 milhão. A Mindminers, startup paulistana de human analytics, recebeu um aporte que pode chegar a R$ 1,5 milhão da BR Angels Smart Network, associação formada por mais de 50 investidores C-level. Ela é a primeira escolhida para receber o investimento dos executivos, que vão avaliar startups mensalmente, passando-as por um rigoroso filtro de acordo com a tese de investimento do grupo. O fundo informou que o valor investido nessas startups será de até R$ 1,5 milhão mas, em relação à Mindminers apenas disse que o aporte será milionário. Sua plataforma realiza pesquisas de opinião de forma automatizada para marcas. Entre seus clientes, estão empresas como Samsung, McDonald’s, Nestlé e Ambev. 26/05/2020
  • Bancos médios dão largada em central de registro de ativos que vai concorrer com B3 - Os bancos médios deram o ponta pé em uma central própria de registro de títulos e ativos, que vai concorrer com a B3, até então única dona deste mercado no País. A CRT4 – Central Eletrônica de Títulos e Ativos – começa a operar a partir desta semana após obter aval do Banco Central. Os primeiros ativos a serem registrados são Certificados de Depósito Bancário (CDBs), cujo estoque na B3 é de mais de R$ 1,2 trilhão, mas a ideia é ir além e contemplar toda a base de títulos relacionados aos bancos. A central nasce com capital de cerca de R$ 15 milhões, a partir de um projeto da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), que representa 90 instituições financeiras de pequeno e médio porte no País. Com 31 sócios que incluem nomes como Citi, Safra, ABC e BMG, seu objetivo é  26/05/2020
  • Scor compra corretora especializada AgroBrasil - A resseguradora francesa SCOR anunciou a aquisição da corretora voltada para a agricultura familiar, da AgroBrasil Administração e Participações Ltda (AgroBrasil), informa o grupo para agências de notícias internacionais. A aquisição de uma participação majoritária na empresa marca um passo significativo no desenvolvimento contínuo da estratégia de Seguros Especiais da Scor e fornece à resseguradora acesso a um mercado crescente e lucrativo para suas operações de resseguro e operações especializadas de P&C. “Através dessa aquisição, a SCOR está construindo ainda mais seu knowhow em seguros especializados e a plataforma MGA. A Scor também fortalecerá sua experiência em seguros agrícolas, uma especialidade altamente complexa: estar na vanguarda do conhecimento técnico de riscos e promover a inovação de produtos para o benefício de nossos clientes em todo o mundo é parte integrante de nosso DNA. ” 19/02/2020
  • Vita Participações compra Hemolad Serviços de Hemoterapia e Hematologia  - Azevedo Sette assessorou à Vita Participações S/A na aquisição de ações representativas de 100% do capital social votante da Hemolad Serviços de Hemoterapia e Hematologia Ltda. O valor envolvido é confidencial. 31/01/2020
  • DaVita acelera expansão com aquisições no Nordeste - Em São Paulo, a companhia, que tem sede nos Estados Unidos, já alcançou 30% de participação de mercado de diálise para o SUS. Somando 55 operações desde que estreou no Brasil em 2015, a rede de clínicas de diálise DaVita está acelerando a sua expansão pelas capitais no Nordeste durante a pandemia. Desde abril, a empresa já fechou duas aquisições na região, em Recife e Natal. O presidente da companhia, Bruno Haddad, disse ao Valor que está negociando no momento a compra de mais um clínica em Natal, além de unidades em João Pessoa, Maceió. Autor: Marina Falcão Referência:  25/05/2020
  • Escale, que atua com vendas para terceiros, compra a Cobmax - Operação está sendo financiada com recursos de uma rodada de investimento de R$ 87 milhões feita pela Escale. A Escale, startup que atua como uma força de vendas para empresas, fechou a aquisição da Cobmax, também especializada em vendas. A operação não teve valor revelado, mas ficou na casa de “algumas dezenas de milhões de reais”, segundo Matthew Kligerman, cofundador da Escale.. 25/05/2020
  • Fashiontec recebe aporte de R$ 12 milhões e quer se tornar ‘iFood das roupas’ - A fashiontec houpa, uma startup de compra e venda de roupas em atacado, recebeu R$ 12 milhões em investimentos para aprimoramento de serviços e ampliação do negócio no Brasil. Com mais de 20 mil usuários ativos, a meta da empresa é ambiciosa: alcançar 1 milhão de usuários até o fim do ano e se tornar o “iFood das roupas”. A empresa não quis revelar quem são os investidores. A sede da startup fica no bairro do Bom Retiro, São Paulo, e tem conquistado marcas atacadistas e varejistas de todo o País. A marca também já movimentou mais de R$ 10 milhões em compra e venda de roupas e conta com uma rede de mil atacadistas e 12 mil varejistas.  25/05/2020
  • Frutarom adquire participação remanescente na SDFLC Brasil  - Azevedo Sette assessora SDFLC na venda para Frutarom. Azevedo Sette Advogados assessorou a SDFLC Brasil Indústria e Comércio Ltda., na venda de 20% das ações da empresa para Frutarom do Brasil Indústria e Comércio Ltda. Valor envolvido cerca de R$ 5 milhões. Operação concluída em maio de 2020... 27/05/2020
RELATÓRIOS - DESTAQUES DA SEMANA

QUEM, O QUÊ, QUANDO, QUANTO, COMO e POR QUÊ
 A pesquisa FUSÕES E AQUISIÇÕES - DESTAQUES DA SEMANA tem o propósito de captar o “clima” do mercado das operações de Fusões e Aquisições bem como sinalizar suas principais tendências. Trata-se da compilacão semanal das notícias visando tornar mais acessíveis e conhecidos os negócios de fusão, aquisição e venda realizados entre empresas com atuação no Brasil. Todas as informações sobre os negócios citados no presente relatório são obtidos a partir de notícias publicadas pela imprensa e divulgadas no “estado" pelo blog FUSOESAQUISICOES.BLOGSPOT http://fusoesaquisicoes.blogspot.com, não sendo feita qualquer verificação quanto à sua veracidade, precisão ou integridade do conteúdo. Sempre que possível, serão mencionados os nomes dos compradores – investidor estratégico ou fundos de private equity, dos vendedores, a tese de investimento e principais “value drivers”, o valor da transação, forma de pagamento, múltiplos praticados (Valor da Empresa/EBITDA, Valor da Empresa/Receita) etc. Muitas vezes a notícia não é clara a respeito dos valores/forma de pagamentos e respectivos múltiplos. É bem-vinda toda e qualquer contribuição para tornar as informações mais precisas e transparentes. Caso o conteúdo estiver em desacordo, nos contate que estaremos retirando o mesmo ou corrigindo a respectiva  informação. Blog FUSÕES & AQUISIÇÕES


03 junho 2020