17 outubro 2019

Cade aprova compra de 10% da Qualicorp pela Rede D’Or

Dona de hospitais e administradora de planos de saúde anunciaram transação em agosto A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a compra, pela Rede D’Or, de uma participação na Qualicorp, maior administradora de planos de saúde por adesão do país.

A transação foi anunciada em agosto. Ao todo, a Rede D´Or — maior grupo hospitalar do Brasil — levou cerca de 10% da Qualicorp.

Dona de 45 hospitais em sete Estados, a Rede D’Or está diversificando suas atividades. Além da entrada na Qualicorp como acionista minoritária, a empresa é dona de cerca de 35 clínicas oncológicas, mais de 10 laboratórios de medicina diagnóstica e unidades de diálise. Sua receita no ano passado somou R$ 11 bilhões, crescimento de 16% sobre 2017.

A Qualicorp apurou receita líquida de R$ 1,9 bilhão em 2018, uma queda de 2,1% sobre um ano antes. Valor Econômico  Juliano Basile .. Leia mais em yahoo 17/10/2019

17 outubro 2019



Fábrica de startups de São Carlos recebe aporte de meio milhão

A Liven, desenvolvedora de startups de alto impacto, acaba de receber um aporte de meio milhão de reais de oito investidores paulistas, entre eles, Denise Soares dos Santos, CEO da Beneficência Portuguesa de São Paulo, e Horst Lindner, diretor sênior de engenharia do Grupo GEA.

Com o investimento, a empresa, situada em São Carlos, muda seu modelo de negócio. De software house, ela se reposiciona como uma Fábrica de Startups com o objetivo de alavancar novos empreendimentos na área de tecnologia.

O aporte também possibilitou a expansão da empresa, garantindo conhecimento de ponta em tecnologia para as novas startups, e auxílio em captação de investimento, infraestrutura, marketing, jurídico, contábil, entre outros.

“Nossa principal missão é encontrar empreendedores ambiciosos que estejam dispostos a melhorar o mundo junto com a gente. Nós realmente acreditamos que unir tecnologia e empreendedorismo seja o melhor caminho para contribuir com uma sociedade melhor. O investimento abriu uma porta de novas oportunidades, possibilitando a transição do modelo de trabalho e nossa consolidação como Venture Builder", ressalta Eduardo Lima Donato, um dos fundadores da Liven.

Além de Denise e Horst, a Liven conquistou outros investidores-anjos: Martin Kerkhoff, vice-Presidente executivo de finanças do setor de Terapias; Raphael Pinho, fundador e codiretor-Geral da Spark; Renato Coluci, especialista em soluções para cadeia de suprimentos e manufatura; Riccardo Jorgen Mollerstrand, founder CookieLab. Leia mais em saocarlosagora 17/10/2019



Startup de rastreamento de frotas, Cobli levanta US$ 10 milhões

Rodada de aportes foi liderada pelos fundos Fifth Wall Ventures e Valor Capital, que já apostaram em unicórnios brasileiros como Loggi, Gympass e Stone; empresa usa sensores em caminhões para ajudar gestores a se tornar mais eficientes.

O setor de startups de transporte e logística continua atraindo a atenção de investidores estrangeiros ao Brasil em 2019. Depois de Buser, Volanty e Loggi, agora é a vez da startup paulistana Cobli entrar na lista de empresas do setor a levantar aportes externos. Dona de um sistema que usa sensores para rastrear frotas, com uso de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), a empresa levantou uma rodada de US$ 10 milhões, liderada pelo fundo americano Fifth Wall Ventures – que já investiu na Loggi e na empresa de reformas de apartamentos Loft.

Fundada há dois anos e meio pelo matemático americano Parker Treacy, a Cobli tem uma tecnologia que permite a gestores de frotas monitorar os veículos em tempo real. Para isso, a empresa instala sensores e localizadores em caminhões.

Do tamanho de um pendrive, os aparelhos trazem informações sobre localização, movimentação e também as condições para rodagem dos veículos, permitindo que as empresas pratiquem manutenção preditiva. “Nossa solução dá espaço para que empresas menores concorram contra os grandes nomes do mercado. Quanto mais rápido uma empresa de logística adotar inteligente, melhor ela consegue competir”, diz Tracey ao Estado.

Filho de um professor do Massachusetts Institute of Technology (MIT), Treacy frequentou a Universidade de Duke e teve seu primeiro contato com o Brasil ao abrir a First Help Financial, uma financeira de veículos para imigrantes em Boston, região com forte presença de brasileiros. A partir disso, a curiosidade sobre o mercado nacional cresceu e levou à criação da Cobli.

O aporte também teve participação do Valor Capital (investidor de Gympass e Stone), do NXTP Ventures e dos investidores Hans Tung e Sheel Tyle. Na visão de Michael Nicklas, sócio do Valor Capital, a capacidade de “equalizar” o mercado é justamente a grande força da Cobli. “É uma das startups mais promissoras do momento, ajudando toda a cadeia a ser mais eficiente”, diz, em nota.

Na estrada
Com os recursos, a empresa espera ampliar as ferramentas de sua plataforma. A meta é que, no futuro, seja possível enviar dados de temperatura do veículo e vídeos em tempo real, ampliando a precisão do monitoramento. A Cobli também deve dobrar de tamanho: hoje com 100 funcionários, pretende abrir cerca de 100 vagas nos próximos meses, em áreas como software, ciência de dados, engenharia elétrica e parcerias.

Além disso, a startup também quer ampliar sua área de atendimento: hoje, tem presença em cerca de 100 cidades do Brasil, com 45% delas no Estado de São Paulo. Nos próximos meses, quer atingir mais municípios e também começar a atender o mercado latino. “O setor de logística local é excelente e que está se abrindo para o mundo”, afirma o americano. Para ampliar o crescimento, o executivo não descarta que uma nova rodada de aportes pode acontecer já no ano que vem. Fonte:O Estado de S.Paulo Online Leia mais em portalnewsnet.glp 17/10/2019




Alicerce leva a educação onde o Estado não chega

Turbinado por uma rodada de capital, o Alicerce  agora vai escalar seu negócio: uma rede que oferece reforço escolar na periferia das cidades, diminuindo a distância que separa jovens nascidos em CEPs diferentes.

A startup, que hoje tem 12 polos, acaba de levantar R$ 20 milhões para abrir mais 70 unidades até meados do ano que vem.

Por enquanto, o Alicerce está presente no Estado de São Paulo, em lugares como Osasco, Brasilândia e Rio Pequeno, e em Belo Horizonte e Curi... Leia mais em braziljournal 17/10/2109



Duas em cada três pessoas confiam mais em um algoritmo do que no seu gestor

Estudo realizado pela Oracle analisa os impactos da inteligência artificial nas relações dentro do mercado de trabalho

Um estudo realizado pela Oracle, empresa de soluções em nuvem, em parceria com a Future Workplace, de recursos humanos, analisa os impactos da inteligência artificial nas relações dentro do mercado de trabalho. Entre os principais levantamentos da pesquisa, destaca-se que 64% dos entrevistados confia mais nas decisões tomadas por um algoritmo do que pelo seu gestor ou chefe.

Este número é um indicador da crescente normalização dos robôs no ambiente empresarial. “As pessoas não estão mais com medo dos robôs. Elas experienciaram as melhorias que IA e machine learning trouxeram ao trabalho de uma forma bastante pragmática. E, quanto mais usam as tecnologias, mais empolgados ficam em relação a elas”, afirma Emily He, VP de marketing da Oracle.

O estudo, intitulado “From Fear to Enthusiasm” (Do medo ao entusiasmo), aponta ainda que 36% dos trabalhadores acreditam que um algoritmo de inteligência artificial dá informações menos enviesadas que seus gestores. Por outro lado, 45% acreditam que humanos ainda são melhores em entender os sentimentos dos empregados.

“O estudo de 2019 mostra que a IA está redefinindo não apenas o relacionamento entre trabalhador e gerente, mas também o papel de um gerente em um local de trabalho orientado pela IA”, afirma Dan Schawbel, diretor de pesquisa da Future Workplace. “Com base nas descobertas, os gerentes permanecerão relevantes no futuro caso se concentrem em ser humanos e usarem suas habilidades pessoais, deixando as habilidades técnicas e tarefas de rotina para os robôs”.

IA no mundo
A Índia, entre os países que participaram do estudo, é onde a inteligência artificial impacta mais organizações. Mais de 78% dos respondentes do país afirmaram que suas empresas adotaram a tecnologia em algum processo. Na China, o número fica bem próximo: 77%. Depois, aparecem os Emirados Árabes (62%) e, em seguida, o Brasil (60%).

Em relação à confiança dos funcionários em robôs, o Brasil também apresenta resultados relevantes, que apontam para uma alta descrença nos empregadores. Por aqui, 79% dos entrevistados confia mais em um algoritmo do que em seu gestor. Vale lembrar que a média mundial é de 64%.

O otimismo a respeito da crescente adoção da IA no mercado de trabalho varia de acordo com idade e gênero. Enquanto 31% dos millenials se dizem empolgados com a tecnologia, esta visão atinge apenas 24% da Geração Z, 22% da Geração X e 14% das pessoas com mais de 55 anos. Além disso, 32% dos homens estão otimistas em relação à inteligência artificial, contra só 23% das mulheres. Leia mais em starse 17/10/2019



Mubadala vende fatia em dona do Burger King por US$ 1,2 bi

O fundo soberano de Abu Dhabi vendeu sua participação na Restaurant Brands International no mercado aberto em meados do ano

A Mubadala Investment vendeu sua participação na empresa que controla o Burger King por US$ 1,2 bilhão, depois de ter recebido as ações durante a reestruturação da EBX, fundada por Eike Batista.

O fundo soberano de Abu Dhabi vendeu sua participação na Restaurant Brands International, com sede em Oakville, Ontário, no mercado aberto em meados do ano, segundo comunicado divulgado na quinta-feira, sem dizer exatamente quando.

A Mubadala recebeu as ações durante a primeira fase da restruturação multibilionária da EBX em 2013, quando as ações valiam cerca de US$ 300 milhões.

“Uma das considerações que fazemos em nossos investimentos não é apenas a entrada no mercado, mas também a estrutura de um acordo”, disse Waleed Al Mokarrab Al Muhairi, vice-presidente da Mubadala, em comunicado. “Como parte da reestruturação do negócio no Brasil, adquirimos as ações, que monetizamos para obter um ganho significativo.”

A Mubadala investiu na holding de Eike no início de 2012, quando o boom de commodities estimulou a demanda por suas empresas de petróleo, mineração e logística, tornando-o o homem mais rico do Brasil.

No final daquele ano, resultados decepcionantes nos primeiros poços de petróleo de Eike afetaram o desempenho das empresas de capital aberto do empresário.

Eike, que mais tarde se transformou em um “bilionário negativo”, vendeu uma participação de US$ 2 bilhões em seu império de commodities em 2012.

A Mubadala ainda é um “investidor muito ativo no Brasil” e tem cerca de 25 funcionários em s... Leia mais em infomoney 17/10/2019



State Grid não descarta participar de privatização da Eletrobras, diz presidente

Chang Zhongjiao ressaltou, contudo, que é preciso aguardar o modelo do negócio para decidir se de fato fará sentido para a empresa chinesa

O grupo chinês State Grid não descarta participar do processo de privatização da Eletrobras, afirmou o presidente da empresa no Brasil, Chang Zhongjiao, nesta quinta-feira.

Segundo ele, porém, é preciso aguardar o modelo do negócio para decidir se de fato fará sentido para a chinesa.

“Temos interesse em aquisições, se tiverem em conformidade com os planos do grupo.

Não temos muitos detalhes [sobre o plano de privatização da Eletrobras]. Se for em conformidade com o nosso plano de expansão, por que não?”, disse o executivo, em entrevista coletiva, no Rio... Leia mais em valoreconomico 17/10/2019



SoftBank planeja injetar US$ 5 bilhões na WeWork

Transação daria ao grupo de bilionário japonês uma participação maior na controladora da empresa de compartilhamento de escritórios, mas não a maioria em direitos de voto

O SoftBank Group oferecerá cerca de US$ 5 bilhões em financiamento para a controladora do unicórnio WeWork, de compartilhamento de escritórios, para reforçar o caixa da empresa, informou o jornal Nikkei Asian Review nesta quarta-feira.... leia mais em valoreconomico 17/10/2019



State Grid diz que Brasil representa 60% dos investimentos do grupo fora da China

Empresa chinesa também não descarta participar da privatização da Eletrobras

A elétrica chinesa State Grid continuará a avaliar oportunidades de expansão no Brasil, onde o grupo já investiu 12,4 bilhões de dólares desde 2010, o que representa cerca de 60% dos aportes da companhia fora da China no período, disse nesta quinta-feira o presidente da State Grid Brazil Holding, Chang Zhongjiao.

O executivo afirmou que a empresa buscará negócios tanto em leilões do governo, como um certame de concessões para linhas de transmissão em dezembro, do qual a companhia pretende participar, quanto por meio de eventuais aquisições.

Durante conversa com jornalistas, executivos da State Grid também não descartaram interesse em participar de alguma maneira da privatização da Eletrobras, que o governo brasileiro pretende efetivar por meio de uma capitalização que deve reduzir a União a uma posição minoritária da companhia.

"Sobre Eletrobras não existem informações (detalhadas), mas se estiver em conformidade com nosso plano de expansão, por que não?", disse Zhongjiao.

"Continuo dizendo que não existe um modelo ideal e único que aceitaríamos. Precisamos de mais detalhes para começar a pensar", acrescentou... Leia mais em epocanegocios 17/10/2019





Os R$ 200 bilhões que deixam Ricardo Lacerda, do BR Parters, otimista

Em entrevista ao NeoFeed, Ricardo Lacerda, fundador e presidente do banco de investimento do BR Partners, diz que há muito interesse de investidores estrangeiros pelos ativos brasileiros e acredita que as privatizações e a redução do tamanho do Estado serão o novo motor da economia

O banqueiro Ricardo Lacerda, presidente e fundador do BR Partners, está otimista. E não se trata de um otimismo moderado. Ele acredita que a agenda liberal da equipe econômica do governo Bolsonaro, focada na redução do tamanho do Estado e nas privatizações, será o novo motor de crescimento da economia brasileira.

“Acredito que, com a agenda reformista e de privatizações do governo atual, possamos estar crescendo ao fim do mandato do Bolsonaro num ritmo de 3% a 4%”, disse Lacerda, nesta entrevista exclusiva ao NeoFeed.

Com as privatizações, Lacerda, que foi ex-presidente do Goldman Sachs no Brasil e do Citigroup na América Latina, prevê que o governo deve arrecadar entre R$ 150 bilhões e R$ 200 bilhões até o fim da mandato de Bolsonaro. E, segundo ele, há muito apetite dos investidores estrangeiros com o pacote, em especial com os ativos de aeroportos, de infraestrutura e de saneamento.

Mas Lacerda faz um alerta, em especial por conta da experiência liberal da Argentina. “Entendo que essa política liberal precisa mostrar um benefício tangível para a população em termos de criação de emprego, aumento de renda e de crescimento econômico”, afirmou. “Se não, ela não se justifica. Acho que essa é a lição que fica para o governo brasileiro.”

Ele também está otimista com o mercado de fusões e aquisições e prevê ainda que, em 2020, muitas empresas vão buscar o mercado de capitais.

O BR Partners lidera o ranking brasileiro de fusões e aquisições da Bloomberg e da Thomson Reuters até setembro. Neste ano, esteve envolvido na venda da TAG, da Petrobras, à francesa Engie e da fatia do Grupo Pão de Açúcar na Via Varejo ao empresário Michael Klein. No total, são 10 negócios que movimentaram US$ 16,9 bilhões.

Confira os principais trechos da entrevista:

Você acabou de voltar da Europa e dos Estados Unidos, onde conversou com diversos investidores estrangeiros. Qual o interesse deles pelas privatizações no Brasil?
Temos focado muito no programa de privatização dos governos federal e estaduais. Temos participado de várias licitações para assessorar essas empresas na venda. E temos feito road shows pelo mundo todo para conversar com potenciais compradores. Estivemos recentemente na Europa e nos EUA em várias rodadas de conversas para avaliar o interesse dos diferentes setores. E o interesse está muito alto.

Para quais setores há interesse?
Há um enorme interesse para a área de infraestrutura, de aeroportos e de saneamento. E também para a parte de óleo e gás. Achamos que esse leilão que está vindo do pré-sal (previsto para novembro) vai ter um enorme sucesso. Então, acredito que é um momento positivo para essa agenda de redução do tamanho do Estado que está sendo implementada pelo Paulo Guedes (ministro da Economia) e sua equipe.

Quanto as privatizações podem trazer de recursos?
Excluindo a parte do pré-sal e considerando apenas ativos e transações que envolvem participação societária, estamos estimando entre R$ 150 bilhões e R$ 200 bilhões até o fim do mandato de Bolsonaro.
“Os aeroportos são, sem dúvida, a joia da coroa”

E qual é a joia da coroa desse programa de privatizações?
Há muitas empresas que atraem o investidor. Mas acredito que os aeroportos são, sem dúvida, a joia da coroa. As empresas de saneamento também têm trazido enorme interesse. Falta ainda um pouco de definição tanto na parte regulatória, como na parte do modelo de privatização dos diferentes Estados, mas o interesse dos investidores estrangeiros, tanto estratégicos, quanto fundos soberanos, está muito alto.

Você acredita que o governo consegue implementar essa agenda na velocidade que pretende?
Eles estão surpreendendo na determinação. Não vimos em nenhuma equipe econômica recente uma determinação tão grande para reduzir o tamanho do Estado. Hoje, há uma orientação clara e uma afinidade dos diferentes membros da equipe com esse propósito. Agora, o Brasil é Brasil. Tem toda a burocracia, todo trâmite e toda a questão dos Tribunais de Conta, que tem de serem feitos. Mas eles estão seguindo. A máquina está rodando. E ela tende a acelerar esse processo ao longo do tempo.

O que você acredita que deve ser vendido até o fim do ano?
Já estamos vendo licitação de empresas de energia no Sul. Estamos vendo esse leilão do pré-sal. Até o fim do ano, vamos conseguir um volume expressivo basicamente em função disso. Mas a agenda de mais ritmo começa a partir do ano que vem.

“Acredito que se deveria privatizar tudo porque estatal no Brasil só serviu para gerar ineficiência, privilégio e corrupção”.... Leia m ais em neofeed 17/10/2019



Startup que traz resultados pela pré-venda capta R$ 15 milhões com Astella

A Exact Sales, fundada em Florianópolis (Santa Catarina) para ajudar empresas em seus processos de pré-venda, captou um investimento 15 milhões de reais. O aporte, que será divulgado hoje (17) no evento Vendas B2B Summit 2019, foi feito pelo Astella. O fundo de investimentos já aportou em negócios como Qulture Rocks, Omie, Resultados Digitais e Sallve.

Os recursos serão usados para expandir a solução de inteligência em pré-venda da Exact Sales. A startup irá adquirir players complementares, oferecer mais serviços de marketing e vendas a clientes maiores e se adequar à nova regulamentação de proteção de dados dos usuários.

A Exact Sales foi fundada pelos empreendedores Felipe Roman e Théo Orosco em 2015. Orosco tinha um empreendimento de design e como gerente de processos na empresa de tecnologia de laser Welle. Nas duas experiências, passou pelo desafio de fazer contatos se transformarem mais em contratações de produtos e serviços.

“Começamos a colocar engenheiros para atender e ouvir mais o cliente antes de partir para a venda. Os números melhoraram, mas não havia como escalar esse processo”, diz Orosco. Para transformar os consultores e planilhas em uma tecnologia, Orosco se uniu ao programador Roman.

O empreendimento tem sede em Florianópolis, região conhecida por sua densidade de startups que atendem outras empresas (B2B). Uma das principais startups no setor de marketing e vendas, a Resultados Digitais, também tem sua sede em Florianópolis.

Mas a Exact Sales atua em uma etapa de venda diferente, antes das mais atendidas pelos sistemas de relacionamento com o consumidor (CRMs): a de pré-venda. Por meio do software Exact Spotter, a startup ajuda a equipe de vendas a estabelecer um padrão e escolher quais potenciais clientes devem ser endereçados (gestão de leads). Com isso, gera dados que afinam as próximas decisões de contato.

Segundo Orosco, a taxa média de conversão de vendas no mercado vai de 6 a 8%. Na Exact Sales, seria de 13%. O negócio gera mais eficiência na vida do vendedor, sem substitui-lo. “Imagine visitar diversas empresas, não obter vendas e depois preencher tabelas que só servem para o gestor. O vendedor aprova nossa solução”, diz o cofundador... Leia mais em exame 17/10/2019



16 outubro 2019

Novo portal de SP agiliza abertura, alteração e baixa de empresas

A Junta Comercial de São Paulo (Jucesp), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, lançou o portal Integrador Estadual, que permitirá ao empreendedor realizar em um único ambiente as principais interações para seu negócio, desde a viabilidade locacional e registro mercantil até a legalização de funcionamento e exercício de atividades econômicas.

Desenvolvido pela Prodesp, em parceria com a empresa G&P, a plataforma ficou mais moderna e funcional para facilitar o acesso aos serviços disponíveis para abertura, alteração e baixa de empresas.  É por meio dele que é feita a troca de informações com os órgãos e entidades federais, estaduais e municipais que são responsáveis pelo processo de registro e legalização de todas as empresas do Estado de São Paulo.

"A grande vantagem é que o site promove a integração entre os sistemas de diversos órgãos do Governo e traz mais agilidade e simplificação na tramitação de processos e na transparência pública", afirma Ernesto Mascellani Neto, Superintendente da Prodesp.

Com o Integrador Estadual todo o processo será feito em um único portal, on-line, de maneira simples e prática, não sendo mais necessários inúmeros comparecimentos presenciais às Prefeituras, Receita Federal, Corpo de Bombeiros, CETESB, entre outros órgãos.

Todas as informações sobre o Integrador Estadual e as etapas do registro empresarial estão disponíveis no site da Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp)... Leia mais em tiinside 16/10/2019

16 outubro 2019



Empresa de private equity faz oferta para comprar Tech Data por US$ 5 bilhões

A empresa de private equity Apollo Global Management LLC fez uma oferta para adquirir o distribuidor de equipamentos de TI Tech Data por cerca de US$ 5 bilhões, disseram pessoas familiarizadas para agência Reuters nesta terça-feira,15.

A ação da Apollo ocorre quando as ações da Tech Data já estão atingindo o máximo histórico, em meio ao otimismo dos investidores que a demanda de pequenas e médias empresas por suas ofertas permanecerá forte, apesar das preocupações com o arrefecimento da economia dos EUA.

A Apollo se ofereceu para pagar cerca de US$ 130 por ação em dinheiro pela Tech Data, disse uma das fontes. As ações da Tech Data terminaram as negociações na terça-feira a US$ 111,34.

Nem a Tech Data nem a Apollo comentaram o assunto, informou a Reuters... Leia mais em tiinsiâe 16/10/2019




BR Properties prepara oferta; CCP vai ganhar liquidez

A BR Properties está conversando com bancos para uma oferta de ações de pelo menos R$ 1 bilhão para aumentar seu portfólio de propriedades triple-A num momento de recuperação do mercado corporativo de São Paulo.

A oferta deve aumentar a liquidez da ação.

Hoje, 70% da empresa está nas mãos do fundo soberano ADIA, que não negocia a posição, administrada pela GP Investimentos. Leia mais em braziljournal 15/10/2019



BR Properties faz acordo para compra de 50% de edifício em São Paulo por R$ 310,7 mi

A administradora de imóveis comerciais BR Properties (BRPR3) anunciou nesta quarta-feira a compra de participação de 50% do edifício Faria Lima 4440, na cidade de São Paulo, por preço total de 310,67 milhões de reais.

“A aquisição desta propriedade vai ao encontro da estratégia da companhia de consolidar seu portfólio em ativos “Triple A”, localizados nas regiões centrais da cidade de São Paulo”, disse a companhia em comunicado ao mercado.

Na segunda-feira, a BR Properties anunciou a compra de empreendimentos dentro do Condomínio Parque da Cidade, na capital paulista, por 766 milhões de reais... Leia mais em moneytimes 16/10/2019
===

BR PROPERTIES S.A. FATO RELEVANTE

BR PROPERTIES S.A. (“Companhia”), vem a público informar, nos termos do disposto na Instrução CVM 358/02, conforme alterada, que mantém tratativas com BTG PACTUAL SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. DTVM (“Administradora”), inscrito no CNPJ/MF sob no 59.281.253/0001-23, na qualidade de instituição administradora do FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO VBI FL 4440, inscrito no CNPJ no 30.629.603/0001-18 (“Fundo”), visando a aquisição do único imóvel de titularidade do Fundo, correspondente a 50% do imóvel denominado “Edifício Faria Lima 4440”, localizado na Avenida Brigadeiro Faria Lima no 4440, na Cidade e Estado de São Paulo, pelo preço total de R$ 310.674.000,00 (trezentos e dez milhões seiscentos e setenta e quatro mil reais).

A conclusão da transação está sujeita, dentre outras condições, a (i) aprovação pelos cotistas do fundo via Assembleia Geral Extraordinária de Cotistas, e (ii) conclusão satisfatória das diligências a serem realizadas e aprovadas pelos administradores da Companhia.

A aquisição desta propriedade vai ao encontro da estratégia da Companhia de consolidar seu portfólio em ativos “Triple A”, localizados nas regiões centrais da cidade de São Paulo, identificando oportunidades onde, através de sua gestão ativa das locações e da propriedade, a Companhia captura o potencial de seus ativos, gerando valor ao seu acionista.

A Companhia manterá o mercado informado sobre a evolução desta transação. São Paulo, 16 de outubro de 2019.. Leia mais em brproperties 16/10/2019




Ibovespa tem 6ª alta seguida e se aproxima de máxima histórica com caminho aberto para Previdência

Bolsa comemora a aprovação da cessão onerosa e os acenos feitos pelo presidente do Senado à votação da reforma

O Ibovespa fechou em alta nesta quarta-feira (16) e agora falta pouco para a máxima histórica, atingida no dia 10 de julho. Quem mexeu nos mercados hoje foi a percepção de que finalmente os obstáculos foram retirados do caminho da reforma da Previdência.

Já o câmbio foi impactado pela perspectiva de que o Federal Reserve terá que cortar juros nos Estados Unidos após os dados fracos de varejo em setembro.

Hoje, o principal índice da B3 registrou alta de 0,89% a 105.422 pontos com o volume financeiro negociado, de R$ 31,532 bilhões, turbinado pelo vencimento do Ibovespa Futuro para outubro. A máxima histórica do Ibovespa é de 105.817 pontos.

Após a aprovação unânime da cessão onerosa na véspera, o caminho está livre para a votação da reforma da Previdência no dia 22. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), garantiu nesta quarta que há entendimento para a votação da Previdência na data prevista.

O plenário da Casa realiza nesta quarta a última sessão de debates antes da votação final da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que muda o regime de aposentadorias no País.

Já o dólar comercial teve queda de 0,27% a R$ 4,1535 na compra e a R$ 4,1542 na venda, fazendo com que o real tivesse o melhor desempenho entre as 16 principais moedas do mundo. O dólar futuro para novembro registra perdas de 0,48% a R$ 4,1655.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2021 cai 12 pontos-base a 4,50% e o DI para janeiro de 2023 tem queda de 15 pontos-base a 5,49%.... Leia mais em InfoMoney 16/10/2019




Visualizando a ascensão da tecnologia de investimento

Os investidores e os gerentes de patrimônio estão sempre procurando capitalizar seus investimentos - e as últimas inovações os estão munindo de ferramentas mais eficientes para chegar lá.

As soluções Fintech estão sendo adotadas cada vez mais entre a população digitalmente ativa, pois 64% dos gerentes de patrimônio pesquisados ​​consideram a digitalização essencial em 2019.

O gráfico de hoje da Raconteur destaca os benefícios da tecnologia de investimento e aborda os sentimentos de mudança nas interações humanas versus interações digitais. Onde os investidores e gestores de patrimônio vêem a próxima época de investimentos em fintech?...Leia mais em visualcapitalist 16/10/2019




JHSF contrata BTG Pactual e Bradesco BBI para possível oferta de ações

Na semana passada, a companhia havia anunciado que assinou contratos para abrir, em Manhattan,

A JHSF (JHSF3) anunciou nesta quarta-feira que estuda fazer uma oferta pública primária de ações e que contratou trabalhos preparatórios em conjunto com BTG Pactual e Bradesco BBI... Leia mais moneytimes 17/10/2019




Fusões e Aquisições - destaques da semana 07 a 13/out/2019

Divulgadas 19 operações de Fusões e Aquisições com destaque pela imprensa na semana de   07 a 13/out/2019.  Envolvem direta ou indiretamente empresas brasileiras de 9 setores.

ANÁLISE DA SEMANA

Principais transações



NEGÓCIOS DA SEMANA

"Market Movers" - Brasil

  • Vivara sai a R$ 24 por ação em IPO e estreia valendo R$ 5,7 bi  - A ação da Vivara saiu a R$ 24 no IPO, um pouco acima do ponto médio da faixa indicativa, segundo fontes ouvidas pelo Brazil Journal.  08/10/2019

"Market Movers” - Exterior

  • Uber compra aplicativo de entregas de compras chileno - Além do Chile, a Cornershop tem atuação no México, Peru e Canadá. A Uber chegou a um acordo para a compra de uma participação majoritária no aplicativo chileno Cornershop, uma plataforma de compra e entrega de alimentos e medicamentos com atuação no México, no Chile, no Peru e no Canadá. Os termos financeiros da transação não foram revelados. Em 2018, a varejista americana Walmart anunciou que compraria o aplicativo por US$ 225 milhões. O negócio, no entanto, não foi fechado porque as autoridades que regulam a concorrência no México não concederam a autorização....11/10/2019
  • Ion, com sede em Dublin, compra o antigo Mergermarket em um negócio de mais de £ 1 bilhão - O Acuris é um serviço de informações financeiras com cerca de 115.000 usuários diários. A Ion Investment Group, sediada em Dublin, adquiriu uma participação majoritária no serviço de informações financeiras Acuris, em um acordo avaliado em mais de £ 1 bilhão (€ 1,15 bilhão). Os serviços da Acuris, cujos serviços incluem Mergermarket e Debtwire, fornecem insights e análises em seis áreas financeiras principais: renda fixa, transações, ações, conformidade, infraestrutura e pesquisa. Alega 115.000 usuários diários e quase 5.000 empresas assinantes. O grupo, anteriormente conhecido como Mergermarket, foi adquirido pela empresa BC Partners por 382 milhões de libras esterlinas (440 milhões de euros) da Pearson no final de 2013. A BC Partners manterá uma participação minoritária de 25% na Acuris como parte da transação. 14/05/2019
  • AT&T vende ativos na América Latina por US$ 1,95 bi - A AT&T comunicou nesta quarta-feira, 9, acordo para vender suas operações fixas e móveis em Porto Rico e nas Ilhas Virgens por US$ 1,95 bilhão em dinheiro para a Liberty Latin America. No montante total, estão incluídos ativos de espectro, infraestrutura de rede, base de clientes e contratos, além do quadro de funcionários. A expectativa é que o contrato seja fechado entre seis e nove meses, após as aprovações regulatórias necessárias. O acordo com a Liberty prevê que a AT&T mantenha as responsabilidades e relacionamentos com a rede de comunicações de emergência e missão crítica da FirstNet, além de relacionamentos de cliente da DirecTV e certos outros clientes globais. O core e serviço dedicado da FirstNet também permanecerá com a norte-americana.09/10/2019
  • Next Insurance, startup de seguros online, levanta U$ 250 mi e vira unicórnio - Com o investimento, realizado pela companhia alemã Munich Re, a empresa norte-americana planeja expandir seu portfólio de produtos. A lista de unicórnios — startups avaliadas em US$ 1 bilhão ou mais — ganhou mais uma integrante. A Next Insurance, que oferece seguros para pequenas empresas em uma plataforma online, conquistou o título levantando US$ 250 milhões em uma rodada da série C. Criada há três anos em Palo Alto, a startup já arrecadou US$ 381 milhões ao todo.A Next Insurance atende hoje mais de mil tipos de pequenas empresas, oferecendo diversos tipos de seguros. Para contratar os serviços, os empreendedores entram no site, informam sua profissão e fazem um orçamento online de acordo com suas necessidades. 07/10/2019
  • Indra avança no segmento de Open Banking com a aquisição da plataforma Afterbanks - Companhia adquiriu recentemente a startup focada em extração e uso de dados para pagamentos. A Minsait, empresa de tecnologias avançadas da Indra, adquiriu recentemente 100% da startup Afterbanks, uma Fintech que possui mecanismos diferenciados para extrair e agregar dados de diferentes bancos em tempo real e iniciar pagamentos de forma instantânea e completa. Com a aquisição, a companhia poderá ofrecer a seus clientes novas alternativas em meios de pagamento, facilitar o financiamento digital por meio de perfis avançados de clientes em tempo real ou gerar novos modelos de negócios a partir de produtos que auxiliam na gestão financeira de pessoas físicas e jurídicas.07/10/2019

HUMORES & RUMORES

M & A - VENDA

  • Para governo, empresas de saneamento valem até R$ 140 bi se privatizadas - Governo afirma que universalização de água e esgoto não será atingida sem venda de companhias para o setor privado. Na tentativa de estimular governadores a vender companhias estaduais de saneamento, o Ministério da Economia fez um estudo para detalhar o potencial de ganho aos cofres públicos com as privatizações. Se a opção for pela venda de 100% do capital, essas empresas podem atingir um valor próximo a R$ 140 bilhões. No documento obtido pela Folha, o ministério liderado por Paulo Guedes conclui que a meta de universalizar o saneamento básico no país até 2033 não será cumprida sem privatizações. 13/10/2019
  • Privatizações devem começar com venda de ações nas mãos de União e BNDESpar - Objetivo do governo é arrecadar R$ 100 bi. Técnicos da equipe econômica dizem que processo será feito com cuidado para não afetar mercado. Depois de contabilizar o que detém de participação em empresas privadas, chegando a 637, a equipe econômica está disposta a fazer o programa de privatizações deslanchar por meio da venda de ações. A equipe econômica afirmam que o governo irá focar, neste momento, na venda das participações que a União e o BNDESPar, braço de investimento do BNDES, detêm nas empresas. O banco pretende levantar, ao todo, mais de R$ 100 bilhões com as operações. O BNDES e a União têm, juntos, participação em 145 companhias. Esse processo será feito com cuidado, garantem técnicos, para não afetar o mercado e o governo não ter prejuízos. A venda de participações detidas pela União ajuda a reduzir a dívida pública, mas não interfere no resultado primário do governo federal.12/10/2019
  • Venda da Biotoscana pode ser fechada por R$ 1,3 bi - Valor da transação equivale a um prêmio de 30% sobre a cotação do papel da farmacêutica negociado na B3. Pelas propostas que estão na mesa neste momento, a Biotoscana pode ser vendida por até R$ 1,3 bilhão, ou R$ 12 por BDR (do inglês Brazilian Depositary Receipt), o equivalente a prêmio de quase 30% frente à cotação atual de suas ações .. 10/10/2019
  • Copasa e Sabesp podem disparar mais de 40% com privatizações, diz Credit Suisse - Diante da aprovação da nova proposta de legislação do setor de saneamento básico, o Credit Suisse publicou relatório avaliando as alterações regulatórias, bem como listando prognósticos para as ações de Sabesp (SBSP3), Copasa (CSMG3) e Sanepar (SAPR11). “Acreditamos que a nova versão da lei pode atrair investimentos pela melhora na regulação, incentivando privatizações e finalmente impondo prazos finais a contratos existentes – e obsoletos”, afirmam os analistas Luis Lima e Carolina Carneiro. A nova lei permite uma extensão única de 5 anos para os contratos de concessão e requere uma cobertura mínima no saneamento básico e no provimento de água potável. 10/10/2019
  • Governador de Minas anuncia plano para privatizar Codemig - Intenção é privatizar também Cemig, Copasa e Gasmig, segundo Zema. O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), anunciou nesta quarta-feira que enviará à Assembleia Legislativa um projeto para privatizar a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e afirmou que a intenção é vender também a Cemig (energia), a Gasmig (distribuição de gás) e Copasa (saneamento). A privatização de todas ela..  09/10/2019
  • Boehringer coloca à venda o Buscopan - A Boehringer Ingelheim colocou à venda a família de medicamentos Buscopan, negócio que pode chegar a R$ 1 bilhão. Segundo comunicado aos funcionários, ao qual o Valor teve acesso, a empresa deixou claro que irá se desfazer somente da marca. A fábrica de Itapecerica da Serra, na grande São Paulo, onde são fabricados os medicamentos, e a Fazenda Solana, em Arapongas, no Paraná, não estão no negócio. De acordo com duas fontes ouvidas pelo Valor, a transação seria em torno de R$ 750 milhões a R$ 1 bilhão, visto que as vendas líquidas dos medicamentos da família Buscopan chegam em cerca de R$ 300 milhões. O Citi está coordenando a operação, conforme comunicado da Boehringer. 09/10/2019
  • Marubeni coloca à venda terminal portuário Terlogs, em SC, dizem fontes - A japonesa Marubeni colocou à venda o terminal portuário Terlogs, em São Francisco do Sul (SC), de acordo com quatro fontes familiarizadas ao assunto, visando repassar um ativo que enfrentou forte competição junto a portos rivais no Sul. A Marubeni, no Japão, não respondeu de imediato a um pedido por comentários. Em fevereiro, 09/10/2019
  • Controlador da Via Varejo avança em processo para vender R$ 2 bi em galpões - O pacote envolve quase 1 milhão de metros quadrados, divididos em 13 galpões. Controlador da Via Varejo (VVAR3), Michael Klein está na reta final para concluir a venda de um portfólio de galpões, que está avaliado em cerca de R$ 2 bilhões e representa um dos maiores negócios imobiliários do país. As informações foram publicadas nesta quarta-feira no site Brazil Journal. A publicação destaca que o número candidatos foi reduzido a seis depois de uma primeira rodada de propostas que atraiu 12 interessados. O pacote envolve quase 1 milhão de metros quadrados, divididos em 13 galpões. 09/10/2019
  • Petrobras pretende vender 8 refinarias e usar recursos para investir no pré-sal - “Vender a Petrobras desvalorizada pela metade, na bacia das almas, seria um crime de lesa-pátria” - Refinaria da Petrobras no Rio de Janeiro (Crédito: Arquivo Petrobras). O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou nesta terça-feira, 8, que a companhia pretende usar os recursos levantados com a venda de oito refinarias para acelerar os investimentos na exploração do pré-sal que, segundo ele, trará mais retorno à empresa. “Refinaria não é um negócio tão bom assim, porque exige um custo baixo e o custo de pessoal da Petrobras é alto. As maiores petroleiras do mundo inclusive venderam 30% da sua capacidade de refino nos últimos anos”, afirmou o presidente da estatal, em audiência pública na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados. 08/10/2019
  • Claro, Tim e Vivo estariam negociando compra da Oi, diz jornal espanhol. A informação, dada pelo Expansión, é de que a Telefónica/Vivo estaria liderando as tratativas para comprar a marca e dividi-la depois. O jornal espanhol Expansión publicou nesta segunda (7) uma reportagem informando que a Tefónica/Vivo estaria negociando com TIM e América Móvil (Claro) a compra de ativos da Oi. De acordo com o texto, a Vivo seria a maior interessa na compra porque, com ela, poderia alcançar clientes nas regiões do Nordeste e Rio de Janeiro, locais em que sua adesão é baixa. Também poderia usar a infraestrutura da operadora para diminuir custos e gastos com a implementação de aparelhos em regiões nas quais a Oi já opera. Segundo a notícia, o cenário ideal seria que Claro e TIM juntassem esforços com a Vivo para a compra dos ativos, que depois seriam divididos entre elas. 07/10/2019
  • Governo de Minas diz que pode ganhar mais de R$ 10 bi com ações da Cemig -  O secretário de Planejamento e Gestão de Minas Gerais, Otto Levy, acredita que a venda de ações da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) pode render mais de R$ 10 bilhões aos cofres públicos. O tema surgiu durante sabatina da qual ele participou nesta segunda-feira na Assembleia Legislativa do estado. A conta estimada na conversa com os deputados partiu de um valor contábil dos ativos da empresa (o chamado book value, na expressão inglesa), que ele citou em R$ 4 bilhões arredondados. Otto Levy chegou à cifra total informada ao Legislativo mineiro, segundo o secretário, quando se considera o valor adicional que o governo de Minas vai auferir com a venda das ações ordinárias da companhia (os papéis CMIG3, com direito a voto), das quais detém 51%. A participação do Estado no capital total da concessionária é de 17%.07/10/2019
  • Mapa das privatizações: governo tem 119 projetos anunciados e prevê realizar mais 22 leilões até fim do ano - Em 9 meses, foram concluídos 29 projetos nas áreas de transportes, energia e óleo e gás. Megaleilão da cessão onerosa, o mais aguardado do ano, está previsto para novembro. Já a venda de estatais ainda aguarda modelagem e depende de aval do Congresso. Apesar das persistentes incertezas sobre o processo de venda de estatais, a agenda de privatizações e concessões avançou em 2019 e foi ampliada. Somados os projetos iniciados ainda no governo Michel Temer e os anunciados na gestão do presidente Jair Bolsonaro, o número atual de ativos listados para serem oferecidos em leilões para a iniciativa privada está em 119, contra 69 no começo do ano. Levantamento do G1 a partir dos dados disponibilizados pelo Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) mostra que 29 leilões já foram realizados em 2019 e que outros 22 estão previstos para ocorrer até o final do ano.... 08/10/2019
  • Concessões de infraestrutura só ajudarão o PIB de 2021 em diante, diz Itaú - Cálculo considera uma lista de 32 projetos, com investimentos previstos em R$ 159 bilhões. As concessões de infraestrutura planejadas pelas diversas esferas da administração pública só deverão ter impacto sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 e 2022.  E, mesmo assim, este impulso será moderado, avalia o Itaú em relatório. A análise do banco considera uma lista de 32 concessões de infraestrutura previstas — entre rodovias federais e estaduais, aeroportos, portos, ferrovias e mobilidade urbana, sem a inclusão de concessões de petróleo e gás e utilidade pública — com investimentos estimados em R$ 159 bilhões e pagamento de outorga de R$ 12,4 bilhões...07/10/2019
M & A  - COMPRA

  • Siemens tem interesse em ser sócia de mais termelétricas a gás no Brasil, diz CEO -  O grupo alemão de engenharia Siemens tem interesse em participar como sócio em novos projetos de termelétricas a gás no Brasil, onde já trabalha no momento junto à empresa local Prumo Logística e a petroleira BP para implementação de usinas a Gás Natural Liquefeito (GNL) no Porto do Açu (RJ). O presidente da Siemens no Brasil, André Clark, disse à Reuters nesta quinta-feira que a companhia está animada com o mercado de gás natural no país e que o apetite por ativos térmicos está associado a essa expectativa, embalada ainda pelo lançamento neste ano pelo governo de um programa para incentivar o setor, o chamado Novo Mercado de Gás. "A gente está interessado nesse segmento desde antes do novo programa", afirmou Clark, citando como exemplo os projetos no Rio de Janeiro, por meio da joint venture Gás Natural Açu (GNA). 10/10/2019
  • AES Tietê encerra negociação para compra de ativos da Renova Energia - A AES Tietê (TIET11) encerrou as negociações para a compra de ativos da Renova Energia (RNEW3) devido o descumprimento das condições prévias do contrato de compra e venda de ações (CCVA) firmado no dia 09 de abril, informou a empresa por meio de fato relevante divulgado nesta quinta-feira (10).10/10/2019
  • Após subir 170% na bolsa, Sinqia mira 12 novas aquisições com recursos de oferta de ações - Com os R$ 360 milhões captados de investidores, empresa de software para o setor financeiro atingiu R$ 1 bilhão em valor de mercado. Com plano de aquisições, o sonho é alcançar outro bilhão: o de faturamento, afirma Bernardo Gomes, presidente e fundador da Sinqia. Enquanto esperava por mais um voo no aeroporto, Bernardo Gomes foi abordado por um funcionário da companhia aérea. O diretor-presidente e fundador da Sinqia estava no meio da corrida fase de apresentações a investidores da oferta de ações de R$ 360 milhões da companhia, concluída no mês passado. 10/10/2019
  • Iberdrola investe e pode crescer por aquisições - A perspectiva de efetivação da Reforma da Previdência e as estimativas de crescimento da economia brasileira no ano que vem reforçam o otimismo do presidente da Iberdrola, Ignacio Galán, com os negócios no Brasil. Em entrevista ao ‘Estadão/Broadcast’, ele disse que os planos para a controlada Neoenergia são “muito atrativos”. Estão previstos investimentos de R$ 30 bilhões em cinco anos para garantir o crescimento orgânico do grupo em suas diferentes áreas de negócios: geração, transmissão e distribuição. Mas Galán também mostrou apetite por novas oportunidades, inclusive em aquisições. 10/10/2019
  • Ágio do leilão reforça entendimento do interesse no Brasil, diz Shell - Empresa conseguiu levar em consórcio com a Chevron (EUA) e a QPI (Catar) dois dos três blocos para os quais fez oferta no leilão da ANP. A Shell conseguiu levar em consórcio com a Chevron (EUA) e a QPI (Catar) dois dos três blocos para os quais fez oferta na 16ª Rodada de Licitações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), realizada nesta quinta-feira, 10, no Rio de Janeiro. De acordo com o presidente da Shell Brasil, André Araújo, os lances da empresa “foram firmes” e por isso conseguiram sucesso nos dois blocos. “Foi um ágio bastante ativo (o leilão), mas para nós reforça o entendimento, algo que a gente já vem dizendo, de que a Shell tem interesse no País e esse resultado demonstra isso”, afirmou o executivo. A 16ª Rodada teve arrecadação recorde para um leilão de concessão, R$ 8,9 bilhões, e obteve ágio de 322,74%. A maior arrecadação até então tinha sido registrada na 15ª Rodada: R$ 8 014 bilhões. 10/10/2019
  • Quem vai casar com a BlueFit?  Em busca de escala — e do ‘fit’ perfeito. A SmartFit e a Selfit — duas das maiores redes de academia do País — estão disputando a Bluefit, a segunda maior rede de academias low cost do mercado. A rede deve fechar este ano com 80 lojas (cerca de 30% das quais são franquias) e, com o ramp up das lojas abertas este ano, deve chegar a uma geração de caixa de R$ 40 milhões em 2020. ..  10/10/2019
  • Dona da antiga Eletropaulo, Enel quer comprar distribuidoras estaduais - A multinacional de energia Enel, que em 2018 adquiriu a AES Eletropaulo, tem a intenção de comprar as distribuidoras estaduais Cemig (Minas Gerais), Light (Rio de Janeiro) e GDF (Distrito Federal), segundo o principal executivo da empresa, Francesco Starace. Starace afirmou que a companhia de origem italiana está em avançado processo de integração da antiga AES Eletropaulo (hoje Enel SP) e que poderá olhar para outros ativos em 2020. A empresa adquiriu 70% da distribuidora paulista em maio do ano passado por R$ 5,5 bilhões. 09/10/2019
  • Eurofarma negocia a compra da Biotoscana - Depois de comprar duas farmacêuticas na América Latina nos últimos 90 dias, a brasileira Eurofarma, uma das maiores farmacêuticas de capital nacional, está na disputa para levar o grupo Biotoscana. Além da companhia brasileira, a canadense Knight Therapeutics e a argentina Mega Pharma teriam interesse em comprar o grupo, segundo fontes ouvidas pelo Valor. O negócio pode ultrapassar R$ 1 bilhão, considerando um prêmio de uma vez e meia o faturamento anual da companhia. Ainda não há definição sobre data da venda da holding, segundo fontes próximas às negociações. A informação foi publicada inicialmente pelo site ? Brazil Journal ?. 08/10/2019
  • GLP planeja ofertas para 15 leilões de infraestrutura - Maior operadora de galpões do país planeja entrar nos setores de rodovias, aeroportos e portos. Marcondes, diretor de infraestrutura, à esq., e Dias, presidente da GLP: “Haverá muitas oportunidades nesse setor no país”. A Global Logistic Properties (GLP), maior grupo de galpões logísticos do Brasil, planeja entrar no setor de infraestrutura nos próximos anos.  07/102/2019

PRIVATE EQUITY

  • Softbank promete anunciar em breve investimento no setor B2B no Brasil - O grupo japonês Softbank, que investe em startups brasileiras como Banco Inter, Loggi, Gympass e QuintoAndar, entre outras, pretende anunciar em breve um novo investimento no Brasil, agora no setor de serviços do tipo 'empresa para empresa' (chamado de B2B no jargão corporativo). A informação foi antecipada pelo sócio-gestor do Softbank no País, André Maciel, durante painel no Fórum de Investimentos Brasil 2019."No Brasil, há uma cultura muito voltada para serviços. Tudo nesse segmento é um sucesso", comentou Maciel. A afirmação foi uma resposta à pergunta sobre quais setores o grupo considera mais atrativos para investimentos no País. Na sua resposta, ele mencionou também que um outro setor promissor é o de cuidados médicos, que, para ele, ainda é pouco explorado. No começo deste mês, o conglomerado japonês já havia anunciado participação em uma nova rodada de investimentos na startup Buser, espécie de "Uber dos ônibus" - que conecta empresas de fretamento com passageiros em viagens intermunicipais, prometendo desconto de até 60% com relação a uma passagem convencional. 11/10/2019
  • SoftBank investirá US$500 mi em fundos de venture capital na América Latina - Grupo já investiu em 10 companhias da região, como o aplicativo colombiano de entregas Rappi e o banco brasileiro Inter. O SoftBank Group vai investir 500 milhões de dólares em fundos de capital de risco na América Latina, dentro da estratégia do recém-lançado fundo de 5 bilhões de dólares na região, afirmou o sócio-diretor da companhia no Brasil, Andre Maciel, nesta sexta-feira. A Reuters publicou anteriormente que o SoftBank estava negociando com fundos de capital de risco na América Latina para investir em seus ativos, uma estratégia para provavelmente acelerar o investimento do fundo latino-americano, lançado em março. 11/10/2019
  • Falconi abre gestora e busca empresas médias - A consultoria Falconi finalmente tirou do papel o plano de ter sua gestora de private equity. Em gestação há um ano e meio, a Falconi Capital começou há dois meses a operar .. 07/10/2019

IPO

  • Emissões de ações podem chegar a R$ 30 bilhões no 4º trimestre, diz Estadão - O último trimestre do ano deve ser, mais uma vez, de bastante movimento no mercado brasileiro de ações, principalmente no que diz respeito às emissões esperadas para o período. Na visão de bancos de investimentos, as ofertas subsequentes e as iniciais de ações devem movimentar R$ 30 bilhões até o final do ano. O montante não considera a venda das ações detidas pelo BNDES. As informações são da edição desta sexta-feira, da Coluna do Broadcast, do jornal O Estado de S.Paulo. O pontapé inicial foi dado nesta semana pela Vivara (VIVA3), com um IPO que movimentou R$ 2,3 bilhões. Ainda estão previstos para este ano os IPOs do banco BMG e também da rede varejista de moda C&A. 11/10/2019 
  • Captação em ofertas públicas em 2019 já supera volume de todo o ano passado - Juro baixo e perspectiva de recuperação econômica estimula empresas a buscarem recursos no mercado de capitais e investidores a buscarem investimentos que possam render mais. O mercado de capitais brasileiro está, sem dúvida, agitado neste ano. Com a taxa de juros mais baixa da história, as perspectivas de recuperação da economia e a progressiva saída do Estado do financiamento às empresas, as companhias têm buscado mais recursos no mercado de capitais e os investidores têm recorrido a investimentos que possam render mais do que a renda fixa conservadora. Até o final de setembro, o volume de recursos captado em ofertas públicas de renda fixa e variável já superou a captação de todo o ano de 2018, constituindo o maior volume da série histórica iniciada em 2013. Destaque para o volume captado em ofertas de ações, que só ficou atrás dos volumes de 2007 e 2010. De janeiro a setembro de 2019, foram captados R$ 335,1 bilhões em todas as ofertas públicas, sendo R$ 57,6 bilhões em renda variável, R$ 211,3 bilhões em renda fixa e híbridos e R$ 66,2 bilhões em ofertas no mercado externo. Quantidade e volume de IPOs ainda são baixos. Apesar do volume recorde, a maior parte dos recursos captados na renda variável veio de ofertas subsequentes (follow-ons) e não de ofertas iniciais (IPOs). Foram apenas dois IPOs (Centauro e Neoenergia) contra 22 follow-ons na bolsa neste ano. O IPO da Vivara, realizado nesta quinta-feira (10) ficou de fora porque só entra na conta do quarto trimestre. As ofertas subsequentes, responsáveis por uma captação de R$ 53,1 bilhões de janeiro a setembro de 2019, são aquelas ofertas de ações efetuadas por companhias que já tem ações negociadas na bolsa; já os IPOs, responsáveis pela captação de R$ 4,5 bilhões em 2019, são as ofertas realizadas quando as companhias abrem o capital e estreiam na bolsa. A captação de R$ 57,6 bilhões em ofertas de ações nos três primeiros trimestres de 2019 ficou atrás apenas das captações de R$ 70,4 bilhões em 2010 e R$ 75,5 bilhões em 2007. O título de ano com mais ofertas em geral e IPOs em particular continua com 2007, quando foram efetuadas 76 ofertas de ações, sendo 64 IPOs e 12 follow-ons. A quantidade de 24 ofertas realizadas em 2019 por enquanto está em linha com outros anos bons em termos de ofertas de ações. 10/10/2019
  • Log fará oferta primária de até 28,35 milhões de ações; define preço em 22/10 - O conselho de administração da Log Commercial Properties aprovou na véspera oferta primária com esforços restritos de até 28,35 milhões de ações ordinárias, com precificação estimada para 22 de outubro, de acordo com fato relevante da companhia disponível na Comissão de Valores Mobiliários (CVM)nesta sexta-feira. A operação, que tem como coordenadores Banco BTG Pactual, Bradesco BBI, Itaú BBA e XP Investimentos, prevê distribuição inicialmente de 21 milhões de ações, que poderá ser acrescida em até 35% para atender eventual excesso de demanda (ações adicionais). Não será admitida distribuição parcial, assim, se não houver demanda para o lote inicial, a oferta será cancelada. Considerando a colocação da totalidade das ações, incluindo o lote adicional, e o preço de fechamento do papel na véspera, de 23,80 reais, a oferta da empresa de galpões logísticos soma 674,73 milhões de reais.11/10/2019
  • Volume de ofertas de empresas brasileiras é o maior da série histórica, diz Anbima - Segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais volume de janeiro a setembro deste ano alcançou R$ 335,1 bilhões. O volume total de ofertas de empresas brasileiras no mercado de capitais de janeiro a setembro deste ano alcançou R$ 335,1 bilhões, informou a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Em relação aos R$ 237,7 bilhões alcançados em igual intervalo de 2018, o crescimento foi de 41%. “Esse valor é o maior já registrado na série histórica da associação, o que só reforça o nosso entendimento da força do mercado de capitais para o financiamento das companhias”, afirmou José Eduardo Laloni, vice-presidente da Anbima. A principal razão para o crescimento foi a retomada das ofertas de ações. Elas passaram de R$ 6,9 bilhões, de janeiro a setembro de 2018, para R$ 57,6 bilhões, volume cerca de 8 vezes superior, no mesmo período deste ano. Esse total é o terceiro maior volume já registrado pela Anbima, perdendo só para os R$ 75,5 bilhões de 2007, ano do boom de ofertas iniciais de ações no mercado brasileiro, e para os R$ 70,4 bilhões de 2010. 10/10/2019
  • Locaweb define bancos para oferta de ações - Bancos ainda não foram contratados mas já fizeram apresentações de estratégias para a oferta a pedido da companhia. A Locaweb, empresa brasileira de serviços de tecnologia e hospedagem de sites, começou a montar o sindicato de bancos de investimento para fazer sua oferta pública inicial de ações (IPO), de acordo com três fontes. Os bancos ainda não fora.  09/10/2019
  • Ofertas de ações e fusões no Brasil são primeiro sinal de retomada da confiança, diz Citi - País registrou até setembro, 2 operações de IPO e 22 follow-ons. O volume de ofertas de ações e de fusões e aquisições no Brasil neste ano são um indicador de confiança no país, especialmente em um cenário de poucas operações desse tipo ao redor do mundo, afirmou Eduardo Cruz, chefe da área de corporate e banco de investimento do Citi na América Latina...  08/10/2019
  • Empresas captaram R$ 50,2 bi com oferta secundária - A maior parte dos recursos captados com ofertas de ações neste ano veio de ofertas secundárias, conhecidas na linguagem técnica do mercado por follow-on. Nada menos que R$ 50,2 bilhões têm origem em operações desse tipo, segundo levantamento feito pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Trata-se de empresas já conhecidas do mercado e, portanto, para as quais já há “preço”. No total, foram R$ 54,8 bilhões captados até setembro, incluindo as ofertas iniciais de ações, ou seja, as empresas estreantes na Bolsa. A diferença de R$ 4,5 bilhões veio de captações feitas pela Centauro, rede de lojas ano até agora no Brasil. 07/10/2019
  • Investidores brasileiros garantem 90% do IPO da Vivara - Os investidores brasileiros devem abocanhar, olhando o retrato hoje, 90% da oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da rede de joalheria Vivara, cuja ação será precificada na próxima terça-feira, no dia 8. Até aqui, a demanda supera a oferta em ...  06/10/2019
  • Startup carioca de audiolivro vai abrir capital em Toronto - A Ubook recebeu na semana passada aporte de R$ 20 milhões da Confrapar, gestora de fundos para empresas de tecnologia. A startup brasileira de audiolivros Ubook prepara sua abertura de capital na Bolsa de Valores de Toronto (TSX) para a primeira quinzena de ..07/10/2019
  • Oferta de ações na Bolsa pode alcançar R$ 20 bilhões em outubro - Bolsa brasileira deverá ser palco de três estreias, com as ofertas iniciais de ações da rede de joalheria Vivara, a varejista C&A e o Banco BMG. O volume de ofertas de ações na B3, a Bolsa de São Paulo, em outubro tem potencial para alcançar R$ 20 bilhões, com o impulso da oferta subsequente (follow on) do Banco do Brasil, que deve chegar perto dos R$ 8 bilhões. Além dessa emissão "jumbo", a Bolsa brasileira deverá ser palco de três estreias, com as ofertas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês) da rede de joalheria Vivara, a varejista C&A e o Banco BMG. No mês passado, quando a janela para emissões se abriu após o fim do período de férias no Hemisfério Norte, o volume de ofertas subsequentes somou pouco mais de R$ 3,6 bilhões, com o Banco Pan, as incorporadoras Trisul e EzTec, a empresa de tecnologia Sinqia (ex-Senior Solution) e a empresa de energia Ômega. O Banrisul também fez sua tentativa, mas sofreu resistência por parte sos investidores e cancelou sua oferta. Agora, para outubro, além do BB, estão na fila as ofertas da Cyrela Commercial Properties (CCP), Positivo Tecnologia e Lopes, mas o número ainda deve crescer, dado o alto número de empresas que já contrataram o sindicato de bancos para realizarem suas ofertas. O momento bastante otimista para essas emissões tem chamado a atenção de um grupo cada vez maior de companhias. 07/10/2019
  • IPO da C&A pode movimentar até R$2,2 bi; define preço em 24/10 - A C&A, uma das maiores varejistas de moda em operação no país, definiu faixa indicativa para sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) entre 16,50 e 20 reais, de acordo com prospecto preliminar da operação, que pode movimentar até 2,2 bilhões de reais. A oferta, que prevê distribuição primária inicialmente de 49.315.068 ações e secundária inicialmente de 32.876.720 ações, está prevista para ser precificada em 24 de outubro. As ações começarão a ser negociadas na B3 em 28 de outubro, com o código CEAB3. 07/10/2019

“TOP TRENDS"

  • Horizonte das operações de M&A - "out/2008 versus out/2019” - Interessante comparar as expectativas das  atividade de fusões & aquisições sob o clima de outubro de 2008 -  quando ainda vivíamos o auge da grande crise financeira internacional com o estouro da bolha imobiliária -  e o atual cenário de oportunidades otimistas que o país está vislumbrando . Em 12/out/2008,  publiquei post sob o título " Horizonte das operações de M&A “  em que descrevia nove fatores que teriam forte  influencia no horizonte  das negociações de fusões e aquisições no mercado brasileiro. De uma economia claudicante e onze anos depois, estamos assistindo um crescimento mais lento,  mas sustentável, uma agenda colossal de privatizações, ambiciosos programas de concessões, leilões de pré-sal e cessão onerosa, taxa de juros baixas, inflação sob controle, percepção de risco país pequena. Com uma bolsa de valores na iminência de bater o recorde de volume de ofertas de ações neste mês, de R$ 70 bilhões de 2007, sendo que número de ofertas, naquele ano foi maior. Ou seja, o que antes era o viés do pessimismo agora é do otimismo. O que era postergado, atualmente é antecipado. O que era redução de IPOs, atualmente é quebra de recordes. De nível tímido, devemos  alcançar neste ano volume inédito de cerca de 1.000 negócios de M&A.  Quanto ao “valuation”, no lugar de múltiplos menores a expectativa é de múltiplos maiores. E também um maior volume de crédito à taxas mais competitivas, onde o crédito privado, o fluxo e o estoque, superam o crédito público. Vale a pena comparar aquele momento histórico, com os dias de hoje.
  • Volume de ofertas de empresas brasileiras é o maior da série histórica, diz Anbima - Segundo a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais volume de janeiro a setembro deste ano alcançou R$ 335,1 bilhões. O volume total de ofertas de empresas brasileiras no mercado de capitais de janeiro a setembro deste ano alcançou R$ 335,1 bilhões, informou (Anbima). Esse total é o terceiro maior volume já registrado pela Anbima, perdendo só para os R$ 75,5 bilhões de 2007, ano do boom de ofertas iniciais de ações no mercado brasileiro, e para os R$ 70,4 bilhões de 2010. 10/10/2019
RELAÇÃO DAS TRANSAÇÕES

  • Grupo Fleury amplia portfólio com a compra do Diagmax - Grupo comprou Diagmax por R$ 112 milhões. Adquirida recentemente por um valor de R$ 112 milhões pelo grupo Fleury – mais conhecido pelos laboratórios de análises clínicas a+ –, a rede de laboratórios Diagmax, que tem seis unidades no Recife, passa a integrar a estratégia de expansão da companhia em Pernambuco. “Queremos ampliar nossa atuação numa região importante para o Fleury. Hoje somos focados em análises clínicas e com a Diagmax passaremos a ter todos os exames de imagem, além de colonoscopia e do centro de análises 0digestivas”, disse a diretora de Negócios do Grupo Fleury, Jeane Tsutsui. A companhia pretende manter o nome Diagmax, por ter as mesmas características de atendimento. 13/10/2019
  • Empresa sueca compra a brasileira TWW por R$ 180 milhões - Sinch compra empresa brasileira, terceira maior provedora de SMS corporativo do país. A Sinch, empresa de comunicação móvel via nuvem, anunciou nesta sexta a compra da TWW do Brasil por R$180,75 milhões. O negócio deverá ser fechado até o fim de outubro. “A aquisição da TWW fortalece nossos objetivos e nos dá presença em um mercado crescente e dinâmico,” disse Oscar Werner, CEO da Sinch, em nota. A TWW trabalha com mais de três mil empresas no Brasil no mercado de engajamento móvel. Em 2018, mais de 3,4 bilhões de mensagens foram enviadas pela empresa em nome de seus clientes. Atualmente, ela é a terceira maior do Brasil no segmento, e sua receita somou mais de R$ 135 milhões ano passado.11/10/2019
  • Helbor levanta R$ 560 milhões com oferta subsequente de ações - A incorporadora precificou sua ação a R$ 2,65 na oferta, que foi totalmente primária, ou seja, quando o dinheiro vai para o caixa da empresa. A incorporadora Helbor informou, por meio de fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na noite desta quinta-feira, que o conselho de administração da companhia precificou em R$ 2,65 o valor da ação em sua oferta subsequente de ações (follow-on). 11/10/2019
  • Petrobras assina contrato para venda do Polo Lagoa Parda à Imetame por US$9,4 mi - A Petrobras assinou contrato para vender a totalidade de sua participação no Polo Lagoa Parda, no Espírito Santo, para a Imetame Energia, em negócio que envolve 9,37 milhões de dólares, informou a estatal em fato relevante nesta sexta-feira. De acordo com a petroleira, o valor da venda será pago em duas parcelas, sendo uma de 1,4 milhão de dólares, na assinatura do contrato, e outra de pouco menos de 8 milhões de dólares no fechamento da transação. O Polo Lagoa Parda, que tem a Petrobras como operadora com 100% de participação, é compreendido pelas concessões terrestres de Lagoa Parda, Lagoa Parda Norte e Lagoa Piabanha, com produção média de aproximadamente 300 barris de óleo por dia e 5,5 mil metros cúbicos diários de gás.11/10/2019
  • Startup que reivindica indenizações por problemas de passageiros com companhias aéreas recebe aporte - Se você ainda não teve um voo cancelado ou perdeu um compromisso importante em virtude de um longo atraso, sinta-se privilegiado. Segundo a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil, cerca de 11,57% dos voos são cancelados no Brasil por ano, o que equivale a um total de 112 mil voos. Com isso, cerca de 12,1 milhões sofrem problemas com voos de companhias aéreas anualmente. Já há no mercado empresas especializadas em oferecer esse serviço, porém foi a startup Resolvvi que chamou recentemente a atenção de três grupos de investimento. A empresa receberá R$2,2 milhões para acelerar seu crescimento. 11/10/2019
  • Iguatemi vende fatia em shopping em Florianópolis por R$ 110 milhões - Empresa afirmou que pagamento será feito à vista, e, a partir de 20 de outubro, administração do ativo será transferido para Lumine. A administradora de shopping centers Iguatemi informou nesta quarta-feira (9) que vendeu sua participação de 30% no Shopping Iguatemi Florianópolis por 110,25 milhões de reais. Em comunicado, a empresa afirmou que o pagamento da transação será feito à vista, e o valor equivale a um múltiplo de 12,3 vezes o resultado operacional liquido (NOI) de 2018.09/10/2019
  • Brenntag adquire Quimisa e aumenta presença no Brasil - A Brenntag, líder mundial em distribuição de produtos químicos e ingredientes, assinou o contrato para adquirir a Quimisa SA, incluindo sua subsidiária de logística Quimilog. A empresa, sediada em Brusque (SC), tem forte atuação no mercado de distribuição de produtos químicos industriais e especialidades. O portfólio inclui produtos químicos industriais, como soda cáustica e peróxido de hidrogênio, além de uma ampla gama de especialidades, como auxiliares têxteis, corantes e polímeros, fornecidos para as indústrias têxtil, de uso doméstico, papel, alimentos e bebidas, contando também com um forte modelo de logística e atendimento ao cliente. Em 2018, o negócio registrou vendas totais de aproximadamente 60,8 milhões de euros. A conclusão da transação deverá ocorrer no decorrer das próximas semanas, sujeita às condições de fechamento contratualmente acordadas, incluindo aprovação pelo CADE... 09/10/2019
  • Startup que troca limite no cartão por milhas recebe aporte de R$ 6 mi - A VirtusPay já concedeu 750 mil reais em parcelamentos a partir dos limites de donos de cartões de crédito. Startup cresce de 30 a 40% ao mês. Tanto a busca pela renda extra quanto o surgimento de startups de serviços financeiros, ou fintechs, crescem a passos largos. No caso da VirtusPay, a união desses dois movimentos acaba de render uma captação milionária de investimento. Com novos seis milhões de reais recebidos de investidores como a família Klein, dona do grupo Via Varejo, a VirtusPay busca aumentar os parcelamentos concedidos, melhorar seu processo de análise de risco e expandir sua equipe. 10/10/2019
  • Fundo de investimento imobiliário adquire Prudenshopping por R$ 199,7 milhões - Empreendimento em Presidente Prudente possui 32.216 m² de área bruta locável, distribuída em dois pisos, e, inaugurado em novembro de 1990, recebe mais de 600 mil frequentadores por mês. Em um comunicado de “Fato Relevante” divulgado nesta terça-feira (8), o Vinci Shopping Centers Fundo de Investimento Imobiliário (FII) informa que adquiriu 100% do Prudenshopping, em Presidente Prudente (SP), pelo valor de R$ 199.710.820,19. Com essa aquisição, a maior em valor realizada pelo fundo, ele passa a ter participações em 11 shoppings centers, que totalizam mais de 95 mil m² de área bruta locável (ABL), posicionando-o como o maior fundo imobiliário da B3, a Bolsa de Valores de São Paulo (SP), em número de participações diretas em shoppings. 09/10/2019
  • Statkraft conclui compra de dois projetos eólicos na BA - A companhia adquiriu os projetos da Ventos de São Vitorino e da Ventos de Santa Eugênia, nos municípios baianos de Uibaí e Ibipeba. A Statkraft Energias Renováveis informou nesta terça-feira (8) que concluiu a compra de dois projetos eólicos, a Ventos de São Vitorino Energias Renováveis e a Ventos de Santa Eugênia Energias Renováveis, que estão em estágio avançado de desenvolvimento. A empresa adquiriu os projetos da Salus – Fundo de Investimento em Participações Multiestratég.. 09/10/2019
  • Marketplace de concessão de crédito capta R$2,5 milhões para expandir operações - De olho no aumento crescente de pessoas que estão buscando crédito, inclusive aquelas que estão negativadas e quem não tem conta em banco, a EasyCrédito, marketplace que conecta pessoas físicas que precisam de dinheiro com empresas que oferecem empréstimos, cartões e financiamento, quer expandir sua atuação. Para isso, está lançando APIs (interfaces de programação de aplicações) para permitir que qualquer empresa possa oferecer, no seu canal de venda, a opção do cliente solicitar análise de crédito junto às instituições financeiras e fintechs parceiras da plataforma da startup, que hoje, são 32. A novidade faz parte da estratégia de expansão da empresa, que acabou de receber um aporte de R$ 2,5 milhões em uma rodada de investimentos do Criatec 2, fundo gerido pela Crescera Investimentos (anteriormente Bozano). 08/10/2019
  • FII Pátria Edifícios anuncia compra de conjunto comercial - Modal anuncia compra de conjunto comercial. A Modal Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, na qualidade de gestor do Pátria Edifícios Corporativos Fundo de Investimento Imobiliário – FII, anunciou que celebrou nesta data, Escritura de Compra e Venda para aquisição definitiva de dois conjuntos comerciais do Edifício Vila Olímpia Corporate, Torre B, com área total de 754 m², localizado na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua Fidêncio Ramos, nº 302, Vila Olímpia. O valor de R$ 12.280.253,00 foi integralmente pago nessa data. A transação é a terceira aquisição de ativos imobiliários do Fundo, em total alinhamento com sua tese de investimentos em imóveis de alta qualidade, localizados nos principais eixos corporativos da cidade de São Paulo e com bons inquilinos. 08/10/2019
  • Startup odontológica recebe aporte de R$ 20 milhões da Kaszek Ventures - A SouSmile, startup brasileira de aparelho invisível e clareamento dental, recebeu um aporte de R$ 20 milhões liderado pela Kaszek Ventures, com participação do Global Founders Capital e Canary. A Kaszek já investiu em empresas notáveis como Quinto Andar, Liv up, GymPass e NuBank. Há quase 1 ano no Brasil, a SouSmile já obteve mais de 5 mil agendamentos em suas duas lojas, localizadas no Shopping Eldorado e Top Center Shopping. O montante já tem destino e será aplicado na expansão de lojas, investimento em tecnologia e contratação de novos talentos. “Estamos muito felizes em ter a Kaszek como sócios e poder contar com o conhecimento que eles têm em criar e escalar marcas inovadoras”, comenta Michael Ruah, cofundador e CEO da SouSmile. 07/10/2019
  • Endividado, ex-candidato compra Diário de S.Paulo por R$ 30 mil em parcelas - O empresário Kleber Moreira, ex-candidato derrotado a deputado estadual em São Paulo pelo então PEN (hoje Patriotas), arrematou por R$ 30 mil um pacote de 32 marcas relacionadas ao jornal Diário de S.Paulo, que teve sua falência decretada em janeiro de 2018 08/10/2019
  • Cemig anuncia investimento de R$ 500 milhões em usinas de energia solar - Os empreendimentos, ao todo 32 usinas, farão parte de uma nova empresa de geração distribuída que ganhou o nome de Cemig S!M A Cemig planeja investir cerca de R$ 500 milhões até 2020 na construção de usinas solares em Minas Gerais. Os empreendimentos farão parte de uma nova empresa de geração distribuída que ganhou o nome de Cemig S!M e cuja criação foi anunciada nesta terça-feira (8) em Belo Horizonte. A elétrica tem 49% do negócio e o grupo privado Mori Energia, 51%. A previsão é de que o investimento total da Cemig S!M chegue a R$ 1 bilhão. Desse total, a Cemig aporta os R$ 200 milhões neste ano e mais quase R$ 300 milhões em 2020. Os primeiros aportes estão sendo de caixa próprio, mas a direção da Cemig.. 08/10/2019
  • Vivara sai a R$ 24 por ação em IPO e estreia valendo R$ 5,7 bi  - A ação da Vivara saiu a R$ 24 no IPO, um pouco acima do ponto médio da faixa indicativa, segundo fontes ouvidas pelo Brazil Journal. O valor ficou um pouco acima do ponto médio da faixa indicativa, que ia de R$ 21,17 a R$ 25,40. 08/10/2019
  • CSHG Logistica adquire imóveis logísticos em São José dos Campos e Vinhedo - CSHG Logistica, fundo administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores adquire  imóveis logísticos em São José dos Campos, por R$112,7 milhões,  e Vinhedo, por R$ 358,3 milhões A aquisição dos Imóveis denominados Volkswagen Vinhedo, imóvel logístico de excelente perfil técnico localizado no município de Vinhedo, e Condomínio SJC, imóvel logístico e industrial, de bom perfil técnico, localizado no município de São José dos Campos. 11/08/2019
  • SoftBank lidera rodada de investimento em startup brasileira de ônibus Buser - O SoftBank Group está liderando uma nova rodada de investimento na startup brasileira de afretamento de ônibus Buser, informou a companhia nesta segunda-feira, sem informar o valor do aporte. O grupo japonês de investimento tem participações em companhias como Uber Technologies, Didi Chuxing e Rappi. Além do SoftBank, a rodada de investimento conta com o Grupo Globo e recursos dos atuais acionistas Canary, Valor Capital e Monashees. A Buser, fundada em 2017 em Minas Gerais, traçou no final de 2018 plano para se expandir por todo o Sudeste neste ano e traçou metas para entrada em outras regiões a partir de 2020. A companhia conecta passageiros a operadoras de ônibus e afirma que viagens reservadas por sua plataforma custam até 60% menos que passagens compradas em rodoviárias. A companhia cobra do operador do ônibus uma taxa que varia de zero a 20% do valor de cada viagem, dependendo do número de passageiros por veículo. 07/10/2019
RELATÓRIOS - DESTAQUES DA SEMANA
QUEM, O QUÊ, QUANDO, QUANTO, COMO e POR QUÊ

 A pesquisa FUSÕES E AQUISIÇÕES - DESTAQUES DA SEMANA tem o propósito de captar o “clima” do mercado das operações de Fusões e Aquisições bem como sinalizar suas principais tendências. Trata-se da compilacão semanal das notícias visando tornar mais acessíveis e conhecidos os negócios de fusão, aquisição e venda realizados entre empresas com atuação no Brasil. Todas as informações sobre os negócios citados no presente relatório são obtidos a partir de notícias publicadas pela imprensa e divulgadas no “estado" pelo blog FUSOESAQUISICOES.BLOGSPOT http://fusoesaquisicoes.blogspot.com.br, não sendo feita qualquer verificação quanto à sua veracidade, precisão ou integridade do conteúdo. Sempre que possível, serão mencionados os nomes dos compradores – investidor estratégico ou fundos de private equity, dos vendedores, a tese de investimento e principais “value drivers”, o valor da transação, forma de pagamento, múltiplos praticados (Valor da Empresa/EBITDA, Valor da Empresa/Receita) etc. Muitas vezes a notícia não é clara a respeito dos valores/forma de pagamentos e respectivos múltiplos. É bem-vinda toda e qualquer contribuição para tornar as informações mais precisas e transparentes. Caso o conteúdo estiver em desacordo, nos contate que estaremos retirando o mesmo ou corrigindo a respectiva  informação. Blog FUSÕES & AQUISIÇÕES



Unicórnios brasileiros: saiba quais e o que são essas startups ‘raras'

Apelido para startups avaliadas acima de US$ 1 bilhão foi criado por investidora do Vale do Silício, em 2013; empresas podem conquistar status ao serem compradas, recebendo aportes ou abrindo capital

Nesta quarta-feira, 16, o ecossistema brasileiro de startups tem uma marca para celebrar: a Ebanx, startup curitibana que processa pagamentos, se tornou o nono unicórnio brasileiro, ao receber uma nova rodada de aportes. Unicórnio? Por que startups de sucesso recebem esse nome? E quais são as empresas brasileiras que pertencem a esse grupo? É o que você vai entender neste texto. ..
Leia mais em link.estadao. 16/10/2019



FII Hedge Brasil Shopping adquire 45% do West Plaza

A Hedge Investments Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, administradora do Hedge Brasil Shopping Fundo de Investimento Imobiliário, anunciou que firmou acordo comercial para aquisição de 45,00% do Shopping West Plaza, localizado na cidade de São Paulo, estado de São Paulo.

A Operação está sujeita à superação de condições precedentes usuais em transações desta natureza, incluindo a finalização, em termos satisfatórios para todas as partes, dos documentos da Transação e da obtenção de todas as aprovações necessárias de terceiros. Com a evolução da Transação, novas informações serão disponibilizadas ao mercado em geral.

Adicionalmente, com as premissas de projeção de resultados para os ativos do Fundo, incluindo a aquisição da participação do Shopping, assim como o plano de ação descrito nos relatórios gerenciais, que inclui a melhoria operacional da carteira e reciclagem do portfólio, a estimativa de rendimento média mensal para os próximos 12 meses permanece em aproximadamente R$ 1,40 por cota. .. Leia mais em  Investimentos e Notícias 14/10/2019