16 setembro 2014

H.I.G.: fusão da NZN com Click Jogos

A empresa paranaense de mídia digital NZN, dona de sites como Baixaki e TecMundo e o portal Click Jogos receberam aportes de valor não divulgado da gestora de fundos norte-americana H.I.G. Capital.

 O aporte será empregado na fusão das operações da NZN e Click Jogos. Segundo informação do Valor, juntas, as empresas da NZN formarão o nono maior grupo em audiência da internet brasileira. 


A participação da H.I.G. nesta nova empresa não foi divulgada, mas segundo Fernando Marques Oliveira, principal executivo da H.I.G. no país, ela será "relevante". Com os recursos do fundo, o objetivo é buscar novas áreas de conteúdos e downloads para as empresas.

 Com 14 anos de mercado, a NZN é sediada em Curitiba e tem como carro-chefe o site de downloads Baixaki e conta com outros seis portais de conteúdo especializado, como o TecMundo e MegaCurioso.

 O Click Jogos foi criado em 2004 e reúne atualmente cerca de 20 mil jogos gratuitos para PCs e dispositivos móveis, com foco no público infantil e jovem. Combinados, os sites das duas empresas contam com cerca de 40 milhões de usuários unícos por dia.

 Segundo Oliveira, Gui Barthel, fundador da NZN, como Andreas Diegues, que criou a Click Jogos, manterão seus postos no comando de suas respectivas empresas, mesmo após a fusão.

 "Ficamos abaixo apenas de gigantes da internet como Google, Facebook e Microsoft e portais ligados a grandes empresas de mídia", afirma Oliveira. Desde a abertura de sua operação no Brasil, em 2012, a H.I.G. Capital chega ao seu sexto investimento com esta operação.

O primeiro aporte da companhia norte-americana foi a compra da rede de ensino de idiomas Cel Lep. Além destas empresas, outras companhias que tem aportes da H.I.G. são a Office Total, fornecedora de serviços de impressão, Eletromidia, de publicidade em paineis eletrônicos, LG Sistemas, desenvolvedora de softwares, Creme Mel, fabricante de sorvetes. Leandro Souza Leia mais em Baguete 16/09/2014 

16 setembro 2014



Micro Focus: US$ 1,2 bi por Attachmate

A Micro Focus anunciou na segunda-feira, 15, a aquisição da norte-americana Attachmate, desenvolvedora de soluções para integração de aplicativos, por aproximadamente US$ 1,2 bilhão.

 A compra será feita através de ações da Micro Focus, que serão transferidas ao fundo de investimentos britânico Wizard Parent LLC, que controla a Attachmate. Com a mudança, a Wizard terá uma fatia de 40% na Micro Focus. A informação é do TI Inside.

 Com o acordo, a Micro Focus estima uma elevação de três vezes em tamanho para a companhia. Com a valorização, a empresa planeja retornar cerca de US$ 136 milhões aos acionistas.

 "Ao implementar essa aquisição podemos criar valor significativo e não olhar para outras aquisições por pelo menos 24 meses", disse Kevin Loosemore, em entrevista ao The Wall Street Journal.

 A incorporação da Attachmate pela Micro Focus vai resultar em uma empresa com receita de cerca de US$ 1,4 bilhão, de acordo com comunicado divulgado pela empresa. A transação está prevista para ser concluída em novembro.


 A Micro Focus não chegou a dar detalhes sobre planos futuros para outras divisões da Attachmate, como a Novell, empresa adquirida por US$ 2,2 bilhões - US$ 1 bilhão a mais do que o pago pela Attachmate toda - em 2010.

 A Novell chegou ao sucesso com seu sistema operacional NetWare, usado nos anos 90 em servidores Intel para rodar os sistemas DOS e Windows. A empresa também foi bem-sucedida no final dos anos 90 com suas aplicações para servidores de e-mail.

 Nos anos 2000, no entanto, a empresa acabou perdendo a guerra no segmento para a Microsoft e, ao tentar emplacar com o lado open source, a companhia não foi páreo para a (ainda) líder do setor, Red Hat. Segundo revelado pela Attachmate no início de 2014, uma retomada da Novell estava nos planos da companhia. Resta saber se a Micro Focus pretende apostar na marca para impulsionar negócios. Leandro  Souza Leia mais em Baguete 16/09/2014



Oracle adquire provedora de soluções para gestão de ativos de mídia digital

A Oracle anunciou nesta segunda-feira, 15, que assinou acordo para adquirir a Front Porch Digital, fornecedora de soluções de gerenciamento de armazenamento de conteúdo que ajudam as empresas a migrar, gerir e rentabilizar ativos de mídia de grande escala. O valor do negócio não foi divulgado.

Em comunicado, a Oracle afirma que, juntas, as empresas ajudarão as organizações a gerir de forma eficiente as crescentes complexidades associadas com a migração, integração, armazenamento e entrega de conteúdo de mídia.

As tecnologias de dados da Front Porch Digital ajudam as empresas a lidar facilmente com a sua rápida expansão e volumes complexos de conteúdo de mídia digital, tais como filmes de alta definição e programas de TV, imagens médicas e registros e monitoramento de segurança em tempo real. Mais de 550 organizações em todo o mundo utilizam a tecnologia da Front Porch, incluindo a A&E Television, BBC e Discovery Communications.

"Vamos continuar a construir com base no sucesso e exclusivas capacidades da Front Porch Digital, que complementam o existente portfólio de alto desempenho da Oracle e soluções de armazenamento escaláveis de engenharia", disse John Fowler, vice-presidente executivo de Sistemas da Oracle. Leia mais em tiinside 15/09/2014



Para Farm, fusão com Animale foi fundamental

Não são todas as grifes cariocas que estão fechando as portas. Há quem tenha conseguido se organizar para enfrentar períodos de retração no consumo.

É o caso da Farm, que em 2010 se uniu ao grupo Animale, comandado por Roberto Jatahy.  Leia mais em Valor Econômico 16/09/2014



15 setembro 2014

Gerdau e ArcelorMittal vendem siderúrgica nos EUA por US$770 mi para Nucor

As siderúrgicas Gerdau e ArcelorMittal anunciaram nesta segunda-feira acordo para vender suas participações na siderúrgica de aços planos laminados Gallatin Steel Company, nos Estados Unidos, para a Nucor Corporation por 770 milhões de dólares.

A Gallatin, que fica em Gallatin County, Kentucky, produz aços de baixos a altos graus de carbono, com capacidade aproximada de 1,8 milhão de toneladas curtas por ano. A Gerdau e a ArcelorMittal tinham respectivas participações de 50 por cento na companhia.

O fechamento da operação está previsto para até o fim de 2014, afirmaram as empresas.

A Nucor, que já opera quatro fábricas de laminados planos, disse que a compra deve aumentar sua capacidade anual de laminados planos em 16 por cento, para cerca de 13 milhões de toneladas, e ajudar a atender clientes no segmento de tubos.

Esse negócio tem crescido nos Estados Unidos graças à demanda do setor de petróleo e gás natural, onde os tubos são usados ​​em compressão hidráulica. Reportagem de Priscila Jordão, Robert-Jan Bartunek e James B. Kelleher) Reuters Leia mais em Yahoo 15/09/2014

15 setembro 2014



Brasil registra 166 negócios de M&A no ano até agosto

Segundo o levantamento realizado, o maior anúncio da América Latina envolve a oferta do Santander para aquisição de 25% da sua subsidiária brasileira

Nos oito primeiros meses deste ano, o Brasil registrou 166 transações de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês), que somaram US$ 28,2 bilhões, considerando os negócios anunciados, segundo dados elaborada pela consultoria Mergermarket em conjunto com a Merrill DataSite, enviados com exclusividade ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. Em número de operações, o total representa queda de 28,7% em relação ao observado no mesmo período de 2013 e em valores o recuo registrado é de 6,7%, na mesma base de comparação.

Entre os setores, o de serviços financeiros lidera em valores ao movimentar US$ 9,135 bilhões em 17 transações. Em número de operações, por outro lado, o setor industrial, químico e de engenharia totalizaram 29 transações no período analisado, na primeira colocação. Os dados, segundo a consultoria, incluem negócios acima de US$ 5 milhões.

Ao considerar os dados da América Latina, as transações de janeiro a agosto deste ano somaram US$ 74,127 bilhões, aumento de 36% ante o mesmo intervalo de 2013. Já as transações chegaram em 323, recuo de 24% em relação ao mesmo período de 2013.

Segundo o levantamento realizado, com o primeiro semestre do ano, o maior anúncio da América Latina envolve a oferta do Santander para aquisição de 25% da sua subsidiária brasileira. Em seguida está a operação da MMG South America Management para a compra da Xstrata Las Bambas.

Ainda em relação às operações na América Latina nos seis primeiros meses do ano, em valores, o Bank of America Merrill Lynch lidera o ranking dos assessores financeiros. Em número de transações, o Itaú BBA é o primeiro. Fernanda Guimarães, do  estadao Leia mais em exame 14/09/2014




Grupo norte-americano de saúde Danaher compra Nobel Biocare por US$2,2 bi

O grupo norte-americano de saúde Danaher irá comprar a suíça Nobel Biocare por acordados 2,2 bilhões de dólares para se tornar a maior empresa do mundo no mercado de implantes dentários, que se beneficia da recuperação da economia global.

A Danaher disse nesta segunda-feira que vai pagar 17,10 francos suíços por ação da Nobel Biocare em dinheiro, cerca de 23 por cento acima do preço de fechamento da Nobel Biocare em 28 de julho, um dia antes de a empresa suíça dizer que estava em negociações com potenciais compradores.

No entanto, as ações da Nobel Biocare chegaram a cair até 6 por cento nesta segunda-feira depois de analistas terem estimado que a companhia poderia obter mais de 20 francos por ação.

A Danaher é uma fornecedora líder de equipamentos odontológicos, mas uma concorrente pequena no fragmentado mercado de implantes dentários após a aquisição da fabricante de baixo custo Implant Direct.

A compra da Nobel Biocare, segunda maior fabricante de implantes dentários do mundo, dará à Danaher uma variedade de implantes dentários e impulsionará seu negócio dentário para vendas de cerca de 3 bilhões de dólares.

Analistas da Vontobel preveem que o mercado global de implantes dentários deve dobrar para 6 bilhões de dólares até 2025, com a ajuda da recuperação de economias ocidentais e aumento da renda em países em desenvolvimento.

"Essa combinação vai nos ajudar a construir uma plataforma forte para o crescimento futuro", disse Henk van Duijnhoven, vice-presidente sênior do segmento dentário da Danaher em um comunicado.
(Por Caroline Copley) Reuters Leia mais em Yahoo 19/09/2014



Fusão criará líder mundial do turismo

O grupo alemão de turismo TUI e sua filial britânica anunciaram fusão para criar a empresa número um do setor

O grupo alemão de turismo TUI e sua filial britânica TUI Travel anunciaram nesta segunda-feira uma fusão para criar a empresa número um do setor, confirmando um projeto revelado em junho.

O novo grupo, que conservará o nome alemão TUI AG, terá sede na Alemanha e valor na Bolsa de 6,5 bilhões de euros.

A empresa terá cotação principalmente na Bolsa de Londres e, de forma secundária, no mercado alemão.

O principal acionista da TUI AG, Alexey Mordashov, aprovou a fusão, que permtirá ao novo grupo acelerar o crescimento, segundo os sócios.


Os dois grupos apostam no crescimento e citaram "a aquisição de 30 hotéis e de dois navios de cruzeiro adicionais".

A fusão deve ser concluída até o fim do ano, segundo um comunicado. AFP  Leia mais em Exame 15/09/2014



Atento entra com pedido de IPO nos EUA e prevê ação precificada entre US$ 19 e US$ 22

A Atento, empresa espanhola de contact center e outsourcing de processos de negócios (BPO) , controlada pelo fundo de private equity Bain Capital Partners, entrou nesta sexta-feira, 12, com pedido na Security Exchange Commission (SEC), órgão regulador do mercado de capitais dos Estados Unidos, para uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). A solicitação foi feita por meio do formulário F-1, que configura o registro inicial para se tornar uma empresa de capital aberto.

De acordo com o documento, a Atento pretende vender 14,6 milhões de ações e espera que a oferta seja precificada entre US$ 19 e US$ 22 por ação, avaliando a companhia em até US$ 1,6 bilhão. A empresa, no entanto, não revela o quanto estima levantar com a abertura de capital.

As ações da empresa serão listadas na Bolsa de Nova York (NYSE), sob o símbolo "ATTO". Os papéis serão ofertados tanto pela Atento quanto por um de seus acionistas, a Atalaya Luxco Pikco S.C.A. (o "Acionista Vendedor"), entidade afiliada à Bain Capital, que pretende conceder aos bancos subscritores uma opção de 30 dias para comprar até 2.193.750 ações adicionais.

Segundo a Atento, os recursos recebidos com a venda de ações serão utilizados para pagar dívidas, despesas relacionadas à oferta e o restante será destinado para fins corporativos gerais.

O Morgan Stanley, a Credit Suisse Securities (USA) e a Itau BBA USA Securities atuarão como "joint book-running managers" (gerentes conjuntos de subscrição) da oferta. O Merrill Lynch, a Pierce, Fenner & Smith Incorporated, o Bradesco, o BTG Pactual — filial das Ilhas Cayman —, o Goldman Sachs, o Santander Investment Securities e a Robert W. Baird Incorporated serão os coordenadores do IPO, enquanto o BBVA Securities será o cogerente da oferta.

A Bain Capital comprou a Atento da Telefónica em 2012, por cerca de 1 bilhão de euros (US$ 1,3 bilhão), incluindo as dívidas. A Atento, que oferece também serviços de suporte técnico, back office e outros tipos de suporte, tem cerca de 153 mil funcionários, com cerca da metade deles no Brasil. A companhia foi formada em 1999 como uma cisão do negócio de call center da Telefónica na Espanha, Peru e Chile. Leia mais em tiinside 15/09/2014



Dono da MRV prepara IPO da AHS

O empresário Rubens Menin, fundador da construtora MRV, está preparando a abertura de capital de sua empresa americana, a AHS.

Fundada em 2012, a AHS constrói casas para a baixa renda americana — famílias que ganham entre 35 000 e 65 000 dólares por ano. Para isso, Menin usa a experiência de 35 anos à frente da MRV, que faz exatamente a mesma coisa no Brasil. A empresa é a maior construtora do programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal.

O objetivo da abertura de capital da AHS é financiar a expansão da empresa — que, hoje, tem terrenos para construir 2 000 imóveis no sul da Flórida. A MRV vale 4,3 bilhões de reais na Bovespa. Tiago Lethbridge   Leia mais em primeirolugaronline Exame 15/09/2014



Microsoft confirma compra da Mojang, dona do game Minecraft, por US$ 2,5 bilhões

Confirmando os rumores que circularam no mercado na última terça-feira, 9, a Microsoft anunciou nesta segunda-feira, 15, a compra da Mojang, desenvolvedora sueca do popular game Minecraft. A transação, avaliada em US$ 2,5 bilhões e confirmada pela Mojang em seu site oficial, deve ser concluída no fim do ano, de acordo com o The Wall Street Journal.

Segundo o jornal americano,  o valor potencial do jogo da Mojang para a fabricante é muito mais estratégica do que financeira. Ao se apropriar do Minecraft, a Microsoft pode atrair mais clientes a utilizar seus consoles de videogame Xbox, PCs e, principalmente, sua plataforma móvel, Windows Phone, que detém apenas 2,5% do mercado global de smartphones, e cerca de 3% do mercado de tablets, de acordo com dados da IDC.

Em comunicado, a Mojang afirma que a maior parte de sua equipe de 40 funcionários irá se juntar à Microsoft Studios, enquanto os fundadores da empresa, Mr. Persson, Carl Manneh e Jakob Porser deixarão a companhia para iniciar novos projetos, os quais não foram revelados.

Criado em 2009, o Minecraft já vendeu mais de 50 milhões de cópias para PCs, smartphones e o Xbox, rendendo à sua criadora mais de US$ 100 milhões em lucro. O jogo permite a criação de objetos e cenários em formato de blocos.Leia mais em tiinside 15/09/2014



ImovelWeb adquire concorrente de Brasília

O ImovelWeb, site de classificados de imóveis controlado pela argentina Navent, adquiriu o concorrente WImóveis, de Brasília, e agora passa a liderar o segmento na capital federal. A empresa espera um incremento de 20% em termos de clientes e receitas como resultado da aquisição.

 “É uma compra estratégica, uma vez que o mercado do Distrito Federal tem muitas barreiras de entrada”, diz Mateo Cuadros, presidente do ImovelWeb. O executivo espanhol, há um ano na liderança da empresa brasileira, estima que o WImóveis tenha até 85% do mercado on-line de classificados de casas e apartamentos em Brasília. O relacionamento da empresa com a comunidade imobiliária, sua tecnologia e a forma de comercialização dificultam a entrada de concorrentes, ele diz. “Nosso desafio é manter essa participação de mercado.

” O valor do negócio não foi divulgado, mas integra um plano de investimentos de R$ 20 milhões do ImovelWeb neste ano. Os recursos devem ser aplicados em mais aquisições e na inauguração de escritórios em cidades secundárias de Estados onde a companhia está presente.

 Cuadros espera crescer 50%, de forma orgânica, até dezembro, pela conquista de novos clientes. A meta é triplicar o faturamento no país em três anos. A empresa não divulga sua receita atual.

 A aquisição do WImóveis adiciona 1,5 mil clientes aos 8,5 mil que o ImovelWeb registrava em agosto, afirma o executivo. Não haverá sobreposição de usuários.

 O WImóveis é uma empresa com faturamento anual de R$ 10 milhões, criada em 1998, em Brasília. O portal recebe cerca 500 mil visitantes únicos a cada mês e oferece 43 mil anúncios. Os administradores da companhia ficam na gestão no médio prazo, para prestar assistência na transição. Além do Distrito Federal, o ImovelWeb tem operações em oito Estados. A empresa atua em toda a região Sul, no Rio, em São Paulo, Minas Gerais, na Bahia e no Ceará.

“O mercado de classificados imobiliários on-line tem um potencial enorme de crescimento”, diz Cuadros. No Brasil, são mais de 200 mil concorrentes, entre imobiliárias e corretoras, mas apenas 10% deles estão incluídos no mundo digital.

 Em mercados mais maduros, como os Estados Unidos, cerca de metade do orçamento das empresas do setor imobiliário americano é gasto em publicidade on-line, segundo relatório da consultoria Borrell Associates. Por lá, os gastos com anúncios digitais de imóveis subiram 17% em 2013, na comparação com um ano antes, e crescem em dois dígitos há mais uma década, informa a Borrell. 

“No setor imobiliário, ainda há um longo caminho a percorrer. Os meios de anúncio tradicional são muito fortes, mas, à medida que a população tiver mais acesso à internet, a publicidade digital tende a se desenvolver de forma automática”, afirma Cuadros.

 Com um investimento de US$ 2 milhões, a empresa prepara um novo site, que deve entrar no ar no fim do mês. “Estamos terminando a migração. Será uma plataforma mais inteligente, rápida e sem publicidade invasiva”, diz Cuadros. Ele projeta elevar em 25% a taxa de conversão em negócios dos anúncios visualizados após a mudança.  Leia mais comprenaplanta 12/09/2014