25 novembro 2018

TI - RADAR de Fusões e Aquisições, em outubro/2018

   Crescimento significativo dos negócios de fusões e aquisições de empresas de Tecnologia da Informação – TI e Telecom no Brasil, no mês de outubro de 2018.  Foram realizadas  31 transações, um aumento de 138%, correspondendo a um montante de  R$ 8,39 bilhões, com crescimento  de 3.414%  em relação ao mês de outubro/17. O acumulado do ano  alcançou 218 transações, com um crescimento de 4,3%, e um montante dos negócios no total de R$  32 bilhões, representando um aumento de 328%.
    Os segmentos de maior volume de operações, no mês e no ano,  foram os de SOFTWARE  e MÍDIA.
    Em outubro, os investidores estratégicos foram  mais ativos em volume, como também os de capital estrangeiro.
     No acumulado do ano,  os Investidores Financeiros realizaram 117 operações, enquanto os Investidores Estratégicos alcançaram 101 negócios.
     Os Investidores Estrangeiros responderam, nesse mesmo período,  por 94,1%, com montante estimado em R$ 30 bilhões, enquanto os Nacionais foram responsáveis por 5,9%, com um valor de R$ 1,9 bilhão.
     Em  outubro/18, seis países foram responsáveis por 16 operações. No acumulado do ano, foram 65 operações com investidores estrangeiros. Os EUA foram responsáveis por cerca de 52,3% desses negócios.
     O Indicador de Volume de Transações de M&A do mês sinaliza retomada do crescimento.
     A maior transação no mês de outubro/18, com valores divulgados, foi o IPO da Stone, na Nasdaq.   A Processadora de cartões brasileira levantou US$ 1,5 bilhão ( cerca de R$ 5,7 bilhões)  em IPO.

Operações de Fusões e Aquisições de Tecnologia da Informação – TI e Telecom, noticiadas com destaque na imprensa brasileira ao longo do mês corrente As informações deste relatório, elaborado pelo Blog FUSÕES & AQUISIÇÕES (http://fusoesaquisicoes.blogspot.com.br) estão apresentadas em blocos, detalhando as transações por Volumes e Valores, Segmentos, Racional do Investimento, Porte das empresas, Perfil do Investidor, Destaques do mês, etc.

ANÁLISE DO MÊS

Principais constatações.

No acumulado dos primeiros dez meses de 2018, com 218 transações, verificou-se um crescimento de 4,3% comparativamente ao mesmo período de 2017. No mês de outubro/18, foram realizadas 31 transações,  um crescimento de 138,5%  em relação ao mesmo mês do ano  anterior (24 transações).


No fluxo de transações realizadas mês a mês, verificou-se uma queda significativa de 29,2% em relação ao mês anterior.



O objetivo do Indicador de Volume de Transações de M&A é sinalizar uma expectativa de tendência, com base na análise do verificado nos períodos semestrais móveis. O período móvel findo em outubro/18, sinaliza uma retomada do crescimento .


Os segmentos de maior volume de operações em out/18, foram os de SOFTWARE  e MÍDIA,representando uma concentração de 84%.

Na classificação entre os Segmentos de TI no mês de outubro, os subsegmentos de Finanças, Comunicações, Educação, Saúde, Energia e Meio ambiente, Setor público.. Recursos Humanos.. (Verticais App) de SOFTWARE  e os subsegmento de MÍDIA foram os mais ativo. No acumulado dos primeiros dez meses do ano, SOFTWARE  vem liderando o número de transações, seguido por MÍDIA.


O montante das transações no acumulado de 2018, alcançou   R$ 31,9 bilhões, representando um crescimento de 328,3 % sobre igual período do ano anterior. No mês de outubro, o total das transações, incluindo as operações que divulgaram os valores (91%) e as não divulgadas (estimados) 9%, alcançaram cerca de R$  R$ 8,3 bilhões, representando um  astronômico crescimento de 3.414%  em relação ao mês de outubro/17.


Comparando-se o número de transações do acumulado dos primeiros dez meses do ano, por segmentos, compiladas nos últimos três anos,  verifica-se  o significativo crescimento dos segmentos de SOFTWARE. De outro lado, queda do segmento de  SERVIÇOS DE TI e SERVIÇOS DE INTERNET.


RACIONAL DO INVESTIMENTO
A intenção é distinguir as transações de M&A na área de TI, Telecom e Mídia, em função da Tese de Investimento, ou seja, os conceitos que prevaleceram para a aquisição da empresa-alvo. Na maior parte das vezes a notícia não é muito clara a respeito dos direcionadores de valor que levaram à aquisição. Mesmo assim, procurou-se identificar as premissas sobre o Racional da transação para segregar em 4 grandes grupos, de modo a permitir o entendimento das principais vetores que estão orientando os investidores estratégicos e financeiros.
No acumulado do ano, as operações com o racional do investimento direcionado para Escala prevaleceram - voltadas para ampliar a participação de mercado em alguns segmentos ou geografias.


(1) Aumentar a atual capacidade ou faturamento; penetrar em novos mercados geográficos
(2) Aumentar ofertas de novos produtos e serviços – expansão/ complemento do mix, ampliar competências
(3)Aumentar market-share, aproveitar sinergias e economias de escala, geralmente entre duas companhias com negócios similares
(4) Empresa brasileira adquire empresa de capital estrangeiro – acesso a mercados globais seja no âmbito do escopo, seja de escala;

PORTE DAS EMPRESAS
O objetivo é proporcionar uma visão das transações classificadas em função do porte das empresas. Utilizou-se o critério adotado pelo BNDES e aplicável a todos os setores para a classificação do porte em função da Receita Bruta anual (informada ou estimada).
Em relação ao porte, os investidores deram preferência para empresas de pequeno e médios portes no presente mês.

 • Microempresa <= R$ 2,4 milhões
 • Pequena empresa > R$ 2,4 milhões e <= R$ 16 milhões
 • Média empresa > R$ 16 milhões e <= R$ 90 milhões
 • Média-grande empresa > R$ 90 milhões e <= R$ 300 milhões
 • Grande empresa > R$ 300 milhões

PERFIL DO INVESTIDOR
Em relação ao perfil do investidor das 31 operações destacadas, os Investidores Estratégicos foram responsáveis por 16 negócios em out/18. Desse volume, 10 operações foram realizadas por empresas de capital nacional e 6 de capital estrangeiro. Os investidores Financeiros realizaram  15 negócios, sendo somente 5 de capital nacional.
No acumulado dos dez primeiros meses de 2018, o Investidor Financeiro se destaca com maior número de operações - 117.
Por sua vez,  o Investidor de Capital Nacional foi mais ativo com 153 operações (70,2%), enquanto o Investidor Estrangeiro foi responsável por 65 negócios (29,8%).


Já no que tange ao montante das transações no mês, de R$ 8,3 bilhões, os Investidores Estrangeiros foram responsáveis por 96,6% dos investimentos enquanto os Nacionais ficaram com 3,4%.
No acumulado do ano, R$ 32,0 bilhões, verificou-se um significativo crescimento  de 328,3% comparado ao mesmo período do ano passado.  Os Investidores estrangeiros responderam por 94,1%, com montante estimado em R$ 30,0 bilhões, enquanto os Nacionais foram responsáveis por 5,9%, com um valor de R$ 1,9 bilhão.

(1) Empresa adquire outra empresa (controladora ou não) relevante do ponto de vista estratégico, a fim de ter acesso a tecnologia, produto ou serviço.
(2) Fundo de Investimento Private Equity; Venture Capital, Angel;
(3) Empresa de capital nacional adquirindo participação em empresa brasileira (controladora ou não).
(4) Fundo de Investimento de capital estrangeiro adquirindo participação em empresa brasileira (controlador ou não).

VALOR MÉDIO
O valor médio das transações nos primeiros dez meses de 2018, por Segmento de TI,  foi de R$ 146,6 milhões, representando um crescimento de  310,6%  em relação ao valor médio do mesmo período do ano passado.

NACIONALIDADE DOS INVESTIDORES
Em relação à nacionalidade das empresas que estão investindo no Brasil no mês de outubro/18, foram registrados 16 operações de 6 países de origem. No acumulado do ano, foram 65 operações com investidores estrangeiros. Os EUA foram responsáveis por cerca de 52,3 % dos negócios.


MAIOR TRANSAÇÃO DIVULGADA NO MÊS
A maior transação no mês de outubro/18, com valores divulgados, foi o IPO da Stone na Nasdaq. Stone salta 30% em estreia na Nasdaq e valor de mercado da empresa alcança US$ 9 bi - Processadora de cartões brasileira levantou US$ 1,5 bilhão ( cerca de R$ 5,7 bilhões)  em IPO. 25/10/2018

RELAÇÃO DAS TRANSAÇÕES
A relação das transações de Fusões e Aquisições na área de TI, segue a data em que foram divulgadas pela imprensa e compiladas pelo blog fusoesaquisicoes.blogspot.com. Todas podem ser pesquisadas e localizadas no blog.

RELATÓRIO ANTERIOR: TI - RADAR de Fusões e Aquisições, em setembro/2018

M&A - QUEM, O QUÊ, QUANDO, QUANTO, COMO e POR QUÊ
 O RADAR de M&A em TI tem o propósito de captar o “clima” do mercado das operações de Fusões e Aquisições bem como sinalizar suas principais tendências. Trata-se da compilação de notícias visando tornar mais acessíveis e conhecidos os negócios de fusão, aquisição e venda anunciados/realizados entre empresas com atuação no Brasil. Todas as informações sobre os negócios citados no presente relatório são obtidas a partir de notícias consideradas confiáveis publicadas pela imprensa e divulgadas no “estado" pelo blog FUSOESAQUISICOES.BLOGSPOT http://fusoesaquisicoes.blogspot.com.br , não sendo feita qualquer verificação quanto à sua veracidade, precisão ou integridade do conteúdo. Operações divulgadas em relatórios anteriores podem sofrer alterações, por conta de cancelamentos, renegociações, atualizações,  etc. Sempre que possível, serão mencionados os nomes dos compradores – investidor estratégico ou fundos de private equity, dos vendedores, a tese de investimento e principais “value drivers”, o valor da transação, forma de pagamento, múltiplos praticados (Valor da Empresa/EBITDA, Valor da Empresa/Receita) etc. Muitas vezes a notícia não é clara a respeito dos valores/forma de pagamentos e respectivos múltiplos. É bem-vinda toda e qualquer contribuição para tornar as informações mais precisas e transparentes. 

25 novembro 2018



0 comentários: